Pular para o conteúdo principal

Destaques

Um Conto Taiwanês de Duas Cidades: Série de romance e drama explora raízes, sonhos e amores

Uma série de romance e drama sobre duas mulheres conectadas por suas raízes de Taiwan, mas que seguiram caminhos bem diferentes e com personalidades moldadas pelas cidades em que viveram: enquanto uma cresceu em San Francisco, nos Estados Unidos, a outra passou a vida inteira em Taipei. A série A Taiwanese Tale of Two Cities (Um Conto Taiwanês de Duas Cidades, 2018) balanceia os idiomas e experiências culturais dos dois países, criando uma experiência prazerosa para quem deseja visitar ambos destinos turísticos. Essa produção taiwanesa foi um dos achados na Netflix . A mulher que nunca saiu do país, abraça as raízes da medicina chinesa e por causa do seu histórico de saúde frágil abriu mão de muitas coisas fora de sua zona de conforto, Lee Nien-Nien (Tammy Chen) que coincidentemente sonhava em conhecer San Francisco, acaba conhecendo a taiwanesa-americana Josephine Huang (Peggy Tseng), que embora tivesse curiosidades sobre sua origem, passou praticamente a vida toda nos Estados Unidos

No Ninho de Serpentes | Ben Oliveira

Dentro de um ninho de cobras e lagartos, você precisa saber se camuflar. Sobrevivência é o primeiro passo. Depois, vêm os planos após a liberdade.


Não deixar se infectar ou intoxicar pelo ambiente de uma clínica de Narcóticos Anônimos não é nada fácil, mas não é impossível.

Coloque uma máscara, vista três peles grossas, esconda suas lágrimas. Chore no banheiro, lave o rosto e engula a tristeza. Beba a afeição e a gratidão de poucos. Você fará poucos amigos e terá muitos colegas peçonhentos.

Como os santos faziam, às vezes, é preciso saber pisar na cabeça da cobra, antes que ela te pique. Arranque a cauda do escorpião, jogue em um vidro cheio de álcool e beba. É melhor morrer envenenando assim do que deixar seu espírito apodrecer e o coração congelar.

Neste mundo invertido, boas ações são vistas com arrogância: doar alimentos, cigarros ou roupas é proibido. É preciso vigiar a própria mente para não adoecer.

Como diria Jessica Jones, é preciso um monstro para derrotar outro.

Mesmo com centenas de motivos, consegui manter a paz e não perder meu equilíbrio.

Fui julgado de mil maneiras. Disseram que quis transar com todos; que deixava meu quarto bagunçado, mesmo sendo bem organizado; que beijei Fulano, que sou apaixonado por Ciclano.

Cada dia que passa, cada mentira que surgia.

A maior ofensa de todas é chamar um autista de mentiroso.. Pior que isso, ter meus comportamentos autísticos chamados de bobos, irritantes, repetitivos, como se ao entrar em uma clínica, o meu autismo fosse sumir.

"Você fala demais". "Você repete as mesmas coisas". "Você é arrogante, prepotente, insuportável".

Há coisas que aprendi a ouvir e a sorrir. Discutir com seres intelectualmente inferiores e espiritualmente afundados não é e nunca foi meu objetivo. Há anos deixei isso para trás.

Cada um oferece ao outro o que tem para oferecer.

Para cada queda, me levantei onze vezes. Aquele que nada teme e nada tem, nada pode perder. Nada nunca foi realmente meu.

Raspei a cabeça e as sobrancelhas. Deixei meu Eu-Passado para trás. Ergui a cabeça, acendi o cigarro, engoli a fumaça e deixei toda a dor, a tristeza e a decepção saírem de mim.

A solidão sempre foi minha melhor amiga. A liberdade sempre foi meu destino. Abro as asas, grito, choro e como fênix, me explodo e volto a ser que sempre fui. 

Sobre o autor – Ben Oliveira foi diagnosticado autista (Síndrome de Asperger) aos 29 anos, é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.



Para ficar por dentro das minhas novidades:







Comentários

Mais lidas da semana