Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

All In My Family: Documentário sobre gay apresentando seus filhos para família chinesa

All In My Family é um documentário dirigido por Hao Wu, um sino-americano que mora nos Estados Unidos há mais de 20 anos e registrou as reações de sua família que mora na China sobre sua decisão de ter filhos. A obra de 40 minutos está disponível na Netflix.

Apesar de bem breve, o documentário All In My Family nos leva a refletir sobre as diferenças culturais e como algumas preocupações familiares são quase universais, como as questões dos pais desejarem aos filhos um futuro melhor do que eles tiveram e das escolhas profissionais para garantir uma velhice tranquila. 

O cinegrafista relata que, após ter mudado país, suas viagens para a China se tornaram cada vez menos frequentes. Dá para perceber o desconforto de Hao Wu em algumas situações: ele mesmo revela que usa a câmera como uma forma de se esconder. 

Além de mostrar os diferentes hábitos culturais e dos parentes da China que ele não consegue lembrar quem são, o ponto principal do documentário é abordar como sua família chinesa ainda é conservadora quando se trata da homossexualidade, casamento, paternidade, expectativas e controle. 

Diferente da homofobia agressiva, é difícil não sentir empatia pela família de Hao Wu. Eles próprios relatam o quanto em sua geração havia tão pouco conhecimento sobre homossexualidade no país. 

A mesma preocupação que o documentarista teve com o avô, não é algo que seria exclusivo em uma família asiática; por causa das diferenças de gerações, algumas coisas se tornam difíceis de serem assimiladas e podem gerar mais conflitos e tristezas. 

Deixando de lado o olhar preto-e-branco, com a chegada dos filhos, Hao Wu começa a entender mais não só o cansaço dos próprios pais, como a complexidade dos sentimentos. Contar para toda a família ou não sobre o seu casamento com outro homem e como eles optaram por barrigas de aluguel, por mais que gere expectativas em alguns telespectadores, no final das contas, é algo muito pessoal, especialmente quando parece tão distante das gerações mais antigas.

All In My Family é uma joia de documentário na Netflix. O documentarista comentou em uma entrevista que ele e o parceiro optaram por não expor em excesso os filhos, o que fica bem evidente. Ao compartilhar com o mundo sua história, Hao Wu joga a luz sobre um tema ainda tão desconhecido, não só na China, mas em vários países: casais homoafetivos que desejam ter filhos.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários