Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

My Holo Love: Série coreana sobre inteligência artificial, solidão e amor

Como o holograma de uma inteligência artificial pode ajudar uma mulher com cegueira facial (prosopagnosia) a lidar com suas dificuldades e solidão? Holo, Meu Amor (My Holo Love) é o título de uma série coreana dirigida por Lee Sang-Yeob e Yoon Jong-Ho, distribuída pela Netflix

My Holo Love me fez refletir sobre o futuro, que já não é tão futuro assim em alguns lugares do mundo, nos quais a tecnologia tem sido cada vez mais usada para assistência virtual e/ou para combater a solidão, além da possibilidade da sua integração com outros sistemas e dispositivos.

Embora seja ficção, a série elabora várias questões relacionadas aos limites entre máquinas e humanos, passando pelas partes positivas da interação que, às vezes, faz o indivíduo esquecer que há códigos por trás dos comportamentos da inteligência artificial, até o lado sombrio da difusão sem ética e os possíveis efeitos sociais e psicológicos do excesso de tempo conectado ao assistente virtual.

Holo (holograma da inteligência artificial) ganha os holofotes da série, porém o que é mais gostoso em My Holo Love é acompanhar o desenvolvimento não só dele, que para uma máquina surpreende do início ao final, mas também do seu criador, Nan-do (Yoon Hyun-Min) e a primeira testadora dos óculos de projeção virtual, So-yeon (Ko Sung-Hee).

Para quem gosta de roteiros bem amarrados, My Holo Love se desenrola de forma que dá vontade de assistir a um episódio atrás do outro e muitas das dúvidas sobre os comportamentos e histórias dos personagens são respondidas na hora certa.

Além do roteiro bem escrito, a fotografia da série também é maravilhosa, com algumas cenas de tirar o fôlego, sejam as de ação ou as de romance, proporcionadas pelo Holo.

Lançada em Fevereiro de 2020, a série My Holo Love conta com 12 episódios e é uma ótima opção na Netflix para quem ainda não se aventurou pelo universo dos doramas (dramas asiáticos). Assisti-la é como viajar sem sair de casa com aquele gostinho de bem-estar.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários