Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

The One: Série da Netflix sobre biotecnologia e match de amores ideais

Já parou para imaginar como a biotecnologia pode influenciar os relacionamentos no futuro? Se você gostou de Black Mirror, é bem provável que se interesse pela série nova da Netflix,The One. Baseada no livro homônimo escrito por John Marrs, a trama se foca em uma empresa que promete encontrar o amor da vida da outra usando um banco de dados de DNA e sua compatibilidade.

Em uma época em que a tecnologia está cada vez mais presente em nossas vidas, servindo inclusive como uma ponte para construção e destruição de relacionamentos amorosos, a ideia explorada em The One pode ser um sonho para idealistas românticos e um pesadelo para outros.

Embora a promessa de uma alma gêmea seja parte do roteiro da série, que não se engane o telespectador achando que se trata de uma simples história de romances. Por trás do sucesso da empresa, existe um jogo de mentiras, segredos e ambição.

Além da trama de mistério envolvente, ao longo da série é difícil não refletir sobre o impacto que uma tecnologia assim teria no mundo, desde as implicações éticas até dilemas sobre a escolha e troca de parceiros com base nos resultados prometidos pelo teste. 

O amor pode ser medido? Será que cada pessoa só tem um amor real ao longo da vida, como promete o serviço do The One? Do ponto de vista da evolução, até onde as pessoas iriam para ficar com quem elas amam e quais as alterações de comportamentos?

Com um elenco e personagens diversos, The One é uma série ótima para maratonar na Netflix, repleta de reviravoltas do início ao fim.

A série britânica criada por Howard Overman foi lançada em março de 2021. Para quem ficou interessado no livro, a editora Globo Livros vai lançar a tradução de The One. A obra já está em pré-venda na Amazon e conta com tradução de Isadora Sinay.  

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana