Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Good Detective: Série coreana policial sobre antigo caso e a busca pela verdade

The Good Detective é uma série coreana policial que aborda um caso antigo, cujo julgamento levou à sentença de condenação de morte do acusado. Um detetive novato no departamento e um veterano se juntam para descobrir se aconteceram falhas nas investigações policiais. A série está disponível na Netflix . Com 16 episódios em sua primeira temporada, três personagens se destacam: o detetive que participou da investigação do caso, Kang Do Chang (Son Hyeon-ju) , o jovem detetive Oh Ji Hyuk (Seung-jo Jang) e a jornalista investigativa Jin Seo Kyung (Elliya Le) . Quando um novo caso de um suposto assassino confesso da filha do homem condenado ganha a atenção da mídia, muitas dúvidas pairam no ar sobre as motivações e os possíveis envolvidos, fazendo com que os detetives discretamente se aprofundassem nas investigações, mesmo sabendo que poderiam prejudicar as próprias carreiras. Kang é movido pela consciência pesada de ter sido parte do caso do condenado possivelmente inocente sofrer pena de

Privilégio Branco é tema de documentário da comediante norte-americana Chelsea Handler

Nos últimos anos, seja a nível nacional ou internacional, cada vez mais tem se discutido questões como diversidade e a luta contra o racismo. Com foco no privilégio branco, a atriz, escritora e comediante norte-americana Chelsea Handler abordou o assunto no documentário Alô, Privilégio? É a Chelsea (Hello, Privilege. It's Me, Chelsea), lançado em 2019 na Netflix, produzido pela Condé Nast Entertainment e direção de Alex Stapleton.

Longe de ser um documentário denso sobre o assunto, enquanto examina sua própria história de vida e entrevista outras pessoas que acreditam ou não no privilégio branco, Chelsea Handler dá uma pincelada sobre as diferenças de tratamentos que brancos e negros recebem nos Estados Unidos. A própria comediante admite que se não fosse branca sua carreira talvez não tivesse feito tanto sucesso.

Para muitas pessoas presas em suas bolhas sociais, o privilégio branco não existe e é invenção, mesmo quando os fatos e as estatísticas mostram o contrário. O documentário fala sobre as diferenças quando se trata do tempo das penas no sistema prisional norte-americano e a violência e as mortes de negros por policiais americanos quando se compara com brancos na mesma situação, além das diferenças econômicas, especialmente quando se tratam de gerações anteriores.

Por meio do documentário, Chelsea Handler serve como plataforma para outras vozes abordarem o assunto e chama a atenção tanto para si mesma, como para a sociedade como um todo, sobre a importância de diferentes grupos sociais discutirem a questão do privilégio branco e racismo, não só o movimento negro: além de ser algo exaustivo bater na mesma tecla, também é importante que a mensagem circule e mudanças sociais aconteçam.

Embora seja focado no contexto dos Estados Unidos, algumas situações não são tão diferentes de outros países, como no próprio Brasil, especialmente quando se trata de diferenças de oportunidades do mercado de trabalho, diferença de abordagem e violência policial contra negros e como minorias podem ter penas maiores do que aqueles que têm melhores oportunidades financeiras e privilégios sociais.

O assunto é importante, mas retratado de forma superficial. O documentário Alô, Privilégio? É a Chelsea (Hello, Privilege. It's Me, Chelsea) mostra como brancos podem reconhecer seus próprios privilégios, mas acaba servindo como uma ótima autocrítica. 

A produção recebeu vários comentários negativos em sites como o IMDB, seja por apertar a ferida da sociedade estadunidense (especialmente daqueles que negam a existência do privilégio branco e racismo estrutural) ou por sua história de vida ser bem contraditória quando se trata do assunto.

Alô, Privilégio? É a Chelsea (Hello, Privilege. It's Me, Chelsea) é um documentário que serve para provocar e questionar, mas precisaria ir mais a fundo para realmente informar e conscientizar. A menos que você viva numa bolha social a ponto de negar a realidade, muito do que foi dito não é novidade e basta bater o olho nas notícias.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana