Pular para o conteúdo principal

Destaques

My ID Is Gangnam Beauty: Drama coreano sobre o mundo da autoimagem e dos relacionamentos

My ID Is Gangnam Beauty é um dorama coreano que leva o telespectador a refletir questões sobre autoimagem, procedimentos estéticos e autoestima. Quando uma garota decide fazer várias cirurgias plásticas no rosto, pois não suporta própria aparência, ela se dá conta de que do mesmo modo que era julgada pela estética, novos desafios vão surgir quando descobrem que seu rosto não é natural. O termo Gangnam Beauty faz referência às pessoas que vão até o bairro sul-coreano à procura de procedimentos cirúrgicos, porém, muitos usam a expressão de forma negativa, como se o fato delas buscarem alguma alteração estética, as tornassem parecidas ou artificiais. Lançada em 2018 , a série foi ganhadora de cinco prêmios por causa das atuações. Dirigido por Sung-Beom Choi , o drama sul-coreano foi baseado em uma webtoon homônima, criada por Gi Meng-gi – só uma, entre tantas histórias em quadrinhos digitais que fizeram sucesso e foram adaptadas para doramas. Ainda que a linguagem da série seja bem le

Special: Série com toque autobiográfico traz personagem gay com paralisia cerebral, humor e diversidade

Com humor e um toque de drama, a série Special conseguiu juntar vários elementos que nem sempre ganham espaço no universo televisivo e que os telespectadores tanto cobravam: a intersecção entre diversidade sexual, deficiências, diversidade de gênero e diversidade racial. Lançada em abril de 2019 pela Netflix, a série foi criada pelo ator, diretor, escritor, comediante e ativista LGBQ e do movimento das deficiências, Ryan O’Connell, o que dá um toque autêntico para a produção. 

Para quem gosta de séries com um toque autobiográfico e personagens diversos, como Please Like Me, Special é o tipo de produção televisiva com o potencial de encantar os telespectadores que se identificam com as temáticas abordadas, mas também acabar afastando o público geral que não entenderia as inúmeras referências presentes em diferentes pautas identitárias, entre elas, o do movimento da neurodiversidade. 

Sempre me perguntei por que a Netflix não aposta em produções ousadas como Queer as Folk, que fez tanto sucesso entre o público LGBTQ que não só permanece referência, como vai ganhar um reboot. Special tem um humor mais refinado, para quem precisa saber ler as entrelinhas e corre o risco de ser mal interpretado por quem pode enxergar como ofensivo. A série traz à tona algumas coisas que acontecem nos bastidores das comunidades invisíveis, como os diferentes movimentos das pessoas com deficiência.

Outro ponto interessante em Special, é como a série dialoga com outras produções da Netflix, como Atypical e Love On The Spectrum – ambas envolvendo o universo do autismo e relações de amor e amizade entre neurodivergentes e neurotípicos e mostrando para a sociedade preconceituosa que mesmo diante de alguns desafios sociais, muitas pessoas no espectro autista também têm interesse em namorar.

A primeira temporada de Special se focou nas autodescobertas de Ryan Hayes (Ryan O’Connell) e no seu relacionamento disfuncional com sua mãe, Karen Hayes (Jessica Hecht), ora marcado pela superproteção por causa da paralisia cerebral dele e dependência emocional, ora pelos comportamentos passivos agressivos de quem tem dificuldade de lidar com o ninho vazio e aceitar a independência do filho.

Além disso, também mostra o início da amizade entre Ryan e sua colega de trabalho, Kim (Punam Patel). A atriz não só torna a série mais engraçada, como sua personagem representa alguns dos desafios de familiares de imigrantes nos Estados Unidos de mostrar uma imagem bem-sucedida e, por vezes, acabar se endividando para manter esse status. Assim como Ryan que é redator, ela também mostra tanto o sucesso como a desvalorização da profissão e também levanta discussões sobre autoaceitação do corpo e gordofobia. 

Enquanto o início da série discute o autocapacitismo de Ryan, algo bastante polêmico e discutido nas diferentes comunidades de pessoas com deficiência, bem como seu desenvolvimento sexual – mesmo gay, ele só perdeu a virgindade na vida adulta –, a segunda temporada de Special aprofunda os dilemas e as personalidades dos personagens principais, mostrando como eles amadureceram diante dos conflitos. Ryan e Kim embarcam numa jornada de amizade, sexo e amor; vale também lembrar que as origens indianas da personagem também é explorada na segunda temporada.

As participações especiais dos atores Lauren Weedman e Buck Andrews deixaram a segunda temporada de Special mais emocionante. De uma primeira temporada com aproximadamente 15 minutos, para uma segunda com o dobro do tempo, a série mostra como é possível abrir espaço para novas narrativas diversas, sem abrir mão da comédia.

Jim Parsons foi um dos produtores executivos de Special. O ator gay norte-americano é mundialmente conhecido por ter interpretado Sheldon, em The Big Bang Theory, que também participou de duas produções com personagens gays, The Normal Heart e The Boys In The Band

Segundo informações de uma entrevista do Hollywood Reporter com Ryan O’Connell, a segunda temporada de Special foi a final. Muita gente não sabe, mas a série foi baseada no livro escrito pelo protagonista-criador, I’m Special: And Other Lies We Tell Ourselves. No Brasil, o livro Especial foi traduzido e publicado pela Galera, do Grupo Editorial Record.

Questionado sobre quais seriam os próximos passos após Special, Ryan O’Connell respondeu para a Hollywood Reporter que escreveu um romance que no momento dava entrevista estava na fase de edição e que vendeu algumas produções, mas que ainda aguarda informações sobre seus destinos.

Levando em conta a ousadia da produção não só de apertar as feridas das diversidades, como de mostrar cenas de sexo gay, creio que por mais que do ponto de vista geracional a série possa conquistar a audiência, levando em conta os assinantes conservadores e homofóbicos, como a série precisa ter retorno com base na quantidade de pessoas assistindo, a produção corre o risco de ser sabotada ou não lucrar o suficiente.

Espero que a segunda temporada de Special faça tanto sucesso que a Netflix reconsidere uma terceira temporada ou que a série encontre um novo lar. 

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana