Pular para o conteúdo principal

Destaques

Twin Flames: Das escolhas quando o juramento de amor e proteção se torna tóxico

Twin Flames são lindas nos livros, filmes, séries, músicas e demais expressões artísticas. Na vida real, no entanto, elas podem te levar ao céu e ao inferno em questão de minutos. Uma conexão de vidas passadas, presente e futuras; um casal destinado a se reencontrar de novo e de novo, até evoluírem na jornada espiritual, ficarem juntos novamente ou finalmente romperem o contrato de alma. Como cão e gato, um dos dois segue o outro; depois, o papel se inverte: caça vira caçador. Uma jornada intensa, complexa, repleta de emoções intensas capazes de te salvar nos dias sombrios e te proteger do mundo, afastando pessoas que podem te machucar ou com intenções ocultas; porém, nos dias de luz, a menos que estejam na fase de união, a fase de distanciamento pode quase te enlouquecer ao esperar uma reconciliação que pode levar anos ou nunca vir – especialmente, quando uma das duas decide se afastar intencionalmente e te ignorar, mas ao mesmo tempo, não consegue romper a conexão espiritual entre vo

Spycraft: Série documental explora o mundo da espionagem internacional e avanços da tecnologia

Spycraft (O Arsenal dos Espiões) traz um mundo desconhecido para muitos brasileiros: o da espionagem e avanços tecnológicos. Lançada em 2021 e distribuída pela Netflix, a série documental foi baseada no livro homônimo dos autores Robert Wallace, H. Keith Melton e Henry R. Schlesinger e os episódios foram dirigidos por Maria Berry, Jan Spindler e Marek Bures.

Exceto pelo consumo de ficção: filmes, séries, desenhos animados e livros, creio que a temática de espiões não é algo tão comum no Brasil. Diferente de muitos países que lidaram com situações complicadas de guerras internacionais, espionagem e casos de terrorismo, nossa realidade ainda é bem diferente.

Ao longo de oito episódios, profissionais e pesquisadores são entrevistados para compartilhar um pouco sobre diferentes elementos do mundo dos espiões, como o uso de satélites e drones com câmeras, alguns acontecimentos nos quais venenos foram utilizados, profissionais que usavam o sexo como ferramenta de persuasão e chantagem, diferentes métodos de capturas dados e troca de informações, operações especiais e sabotadores, códigos encriptados e as motivações dos espiões.

Além das entrevistas, alguns episódios são reencenados por atores para tornar mais fácil a visualização do telespectador sobre como as coisas desenrolaram. Para quem gosta do assunto, a série traz muitas curiosidades históricas, porém não foca tanto nos anos atuais. Uma coisa é certa: a produção nos lembra como a tendência é que a tecnologia facilite cada vez mais a espionagem, a importância do cuidado com a segurança digital e riscos de ataques de hackers, e como a automatização fará parte do arsenal de exércitos.

Confesso que embora minha curiosidade como escritor seja grande, especialmente por causa do universo da ficção, no mundo real, não sou muito fã, pois não dá para ignorar o tom nacionalista e como subconscientemente algumas preocupações reforçam o preconceito contra imigrantes que, muitas vezes, nem fazem ideia das diferentes ideologias e planos dos seus governos.

Assistindo aos episódios documentais dá para entender um pouco a razão pela qual algumas pessoas são tão paranoicas com espionagem e origem dos aplicativos, por exemplo. Também me fez pensar nos desafios das cidades inteligentes do futuro: quanto mais dependentes da tecnologia, mais riscos existirão sobre apagões provocados por hackers. Um acontecimento da Estônia foi citado, no qual o país parou por causa de um ciberataque.

Embora eu seja uma pessoa que não deseja guerras, não sou ingênuo a ponto de achar que novos conflitos internacionais não possam acontecer a qualquer momento. Spycraft nos ajuda a lembrar que mesmo quando não fazemos ideia, seja no terreno virtual ou real, crimes, conflitos e espionagens acontecem.

Dispositivos aparentemente comuns podem esconder substâncias letais, relacionamentos nas redes sociais ou ao vivo podem servir como um disfarce para obter informações e chantagear e há muito mais no mundo do que podemos imaginar.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana