Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

The Society: Série da Netflix apresenta mistério, conflitos sociais e a fragilidade da estrutura de poder

A série The Society é quase uma aula de psicologia social, mostrando como o comportamento humano está suscetível ao ambiente em que vive e a fragilidade do sistema de poder que, mesmo quando imperfeito, é o que ajuda a garantir um pouco de ordem diante do caos. Lançada em 2019 pela Netflix, a série norte-americana criada por Christopher Keyser teria uma segunda temporada, mas acabou sendo cancelada por causa do período de pandemia do COVID-19. 

A história gira ao redor de um grupo de jovens que, após um passeio frustrado, descobrem que seus pais e todos os outros moradores desapareceram, entre outros sinais de um possível colapso, como falhas de comunicação. O que se inicia como uma jornada marcada pelo pânico diante do diferente e da procura por respostas sobre o que teria acontecido, acaba se tornando um protótipo de estruturação de sociedade para que as coisas funcionem como deveriam e os jovens não mergulhem em uma espiral de caos.

Uma das marcas mais importantes da série foi o investimento em elenco e personagens diversos, representando bem o ambiente escolar – o que nem sempre é visto em muitas produções televisivas norte-americanas e tem sido alvo de mais pressão por parte dos telespectadores. Há muitas discussões que ficam nas entrelinhas sobre aceitação e os desafios de ser autêntico: se é algo complexo em uma sociedade estruturada, quando as formas de poder são reestruturadas, embora algumas formas de privilégio tenham se transformado, o modo de pensar de muitos permanece voltado para o passado – como os jovens que eram de classe alta e, inicialmente, encontram resistência de dividir suas posses com os outros.

Intencionalmente ou não, The Society serve como um alerta sobre sociedades podem se desestruturar com facilidade e como o poder é sedutor, alterando dinâmicas, hábitos e comportamentos. No plano das ideias, administrar uma região pode parecer algo simples, mas os jovens descobrem na própria pele o quão delicado e complicado pode ser, às vezes, pendendo para comportamentos autoritários e injustiças: um sistema que embora seja vendido para todos, acaba beneficiando poucos em determinadas situações.

Logo, desde reflexões sobre socialismo, capitalismo e fascismo, a série revela que não bastam boas intenções para fazer uma sociedade funcionar. Além disso, também serve como uma crítica de como as gerações mais jovens gostam de pensar que a geração anterior falhou, mas é só questão de tempo até descobrirem que podem cometer erros parecidos e até piores.

Experimente juntar várias personalidades fortes, desde as corajosas até as mais problemáticas, e a confusão é certa. The Society mostra a importância da liderança em tempos de crise e de reinvenção, além da comum dificuldade que sociedades de diferentes épocas enfrentaram, como a de como lidar com pessoas com comportamentos opositores, manipuladores e o clássico dilema quando se tratam de psicopatas e personalidades obcecadas por controle.

Quando os problemas passam da saudade dos pais e o isolamento e vão se aproximando das dificuldades da vida adulta, os jovens se veem forçados a amadurecerem diante das situações de luto, de ansiedade por causa da futura falta de recursos e alimentos, bem como da necessidade de aprendizado de trabalhos com os quais não são capacitados, como na área de saúde em situações de emergência.

Com um roteiro repleto de reviravoltas e situações que levam o telespectador a levantar hipóteses sobre o que teria acontecido e se eles conseguirão sobreviver diante de tantos conflitos sociais, The Society prende do primeiro até o último episódio, mas termina com uma sensação de quero mais, seja porque havia a possibilidade de uma segunda temporada da série que, posteriormente, foi cancelada por causa da pandemia, seja porque muitas questões permaneceram em aberto. 

O elemento mistério, sem dúvidas, seduz, mas é nos dramas sociais que o roteiro conquista o telespectador. A própria logo da série que dá destaque para o I ('Eu') em The SocIety, acaba revelando o que esperar, como questões relacionadas ao ego e ao individualismo, marcas tão fortes da sociedade dos Estados Unidos, que só apimenta e se torna combustível para eventos caóticos.

O tipo de série ideal para quem está procurando algo para maratonar na Netflix: quem gosta de séries e filmes de distopia e de experimentos sociais (psicologia e sociologia), não vai se decepcionar com The Society.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Me acompanhe nas redes sociais:

Twitter: https://twitter.com/BenOlivDreamer

Facebook: https://www.facebook.com/BenOliveiraDreamer

Instagram: https://instagram.com/benoliveiradreamer

Comentários