Pular para o conteúdo principal

Destaques

Twin Flames – Nikki Rowe

Apenas outra fotografia de uma foto do meu passado.  Nossas almas souberam amar, mas nossos egos ganharam o papel, de sabotagem, corações partidos.  Cheios de promessas vazias de reacender das estrelas.  Cosmicamente conectados, entrelaçados na chama,  Podemos fazer diferentes jornadas terrestres por enquanto, mas meu espírito ainda está com você a cada momento que você acorda.  Você não se separa de um amor assim facilmente, de qualquer maneira.  – Nikki Rowe

All Of Us Are Dead: Série sul-coreana eletrizante de zumbis explora questões psicológicas e sociais

Com um excelente trabalho de construção de personalidades dos personagens e como suas saúdes mentais são afetadas – especialmente na adolescência – pelos impactos causados por um vírus que transforma as pessoas em zumbis, a série sul-coreana All Of Us Are Dead tem feito bastante sucesso na Netflix e com razão: balanceando momentos de tensão e violência com questões mais dramáticas sobre sobrevivência e perdas de pessoas amadas.

Dirigida por J.Q. Lee e Kim Nam-Soo e com roteiro de Seong-il Cheon, a série lançada em 2022 ainda não tem uma confirmação de 2ª temporada, mas se continuar fazendo sucesso entre os telespectadores de várias partes do mundo, é possível que ela seja renovada, como aconteceu com a série sul-coreana Squid Game (Round 6).

Enquanto algumas séries exploram bem os personagens antes do episódio catastrófico despertando empatia por alguns deles e desprezo por outros, All Of Us Are Dead vai apresentando mais sobre as diferentes camadas psicológicas e contextos sociais dos personagens ao longo dos episódios e, de forma inteligente, sem abrir mão dos momentos eletrizantes de ação e o suspense sobre o que acontecerá a seguir, como num jogo de tabuleiro, conforme as peças se movem, há muitas críticas sociais sobre o comportamento humano em tempos de desespero e de luta pela própria vida. A série também cutuca a ferida do bullying e como parte do sistema escolar simplesmente ignora o problema.

Se a pandemia de Covid-19 já mostrou como o mundo está despreparado para lidar com doenças infecciosas – a qual, inclusive, é citada na série –, imagine como seria com um vírus mais letal, capaz de destruir vários tecidos sociais. Ao mesmo tempo em que alguns resistem e pensam no bem-estar coletivo, em situações de crises, outros pensam nos próprios interesses e acabam pagando com a própria vida. Não tão diferente do que temos visto nos dias atuais, mas pelas características peculiares do vírus da série, os desafios são maiores e os limites são testados constantemente, criando a sensação de que ninguém sobreviverá no final.

Narrativas de zumbis mais focadas nos personagens adultos já revelam o lado sombrio do ser humano, quando se tratam de adolescentes, então, a ansiedade, a raiva e a imprevisibilidade são fatores que tornam o enredo mais angustiante, principalmente quando estão limitados a um determinado espaço, como acontece com o núcleo principal de personagens, adolescentes que encaram tudo isso dentro de um colégio, tendo que lidar com rostos conhecidos e com o luto, sem perderem a esperança.

Os limites morais e éticos são questionados pelos próprios personagens e ainda que não fossem, geram ótimas reflexões aos telespectadores sobre como o pânico pela sobrevivência leva a escolhas difíceis e questionáveis sobre como humanos são tratados em períodos de reclusão, a falta de lógica de uma situação em que jovens desesperados por ajuda não são vistos como preferência e a crítica ao próprio sistema educacional e meritocrático, que os enchem de preocupações com o sucesso no futuro mesmo que o mundo esteja em chamas.

Entre sacrifícios e auto sacrifícios, seja por amizade, amor ou nacionalismo, os personagens de All Of Us Are Dead encontram segurança e apoio nos laços afetivos, lembrando que no final das contas somos animais sociais. Se passar por uma tragédia apocalíptica zumbi pode ser uma experiência infernal diante da privação de água e de alimentos, tudo pode ser mais caótico e desolador sem ter alguém por perto para compartilhar os medos, as dores e se juntar à luta.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Me acompanhe nas redes sociais:

Twitter: https://twitter.com/BenOlivDreamer

Facebook: https://www.facebook.com/BenOliveiraDreamer

Instagram: https://instagram.com/benoliveiradreamer

Comentários

Mais lidas da semana