Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: O Sol Ainda Brilha – Anthony Ray Hinton

Liberdade é uma palavra duvidosa, mas talvez faça mais sentido quando somos mais privados dela ainda. No livro O Sol Ainda Brilha (The Sun Does Shine), escrito por Anthony Ray Hinton com Lara Love Hardin, o leitor é apresentado à história trágica de um homem que passou 30 anos no corredor da morte por assassinatos que não cometeu. A obra foi publicada no Brasil pela Editora Vestígio, em 2019, com tradução de Luis Reyes Gil.


Compre o livro O Sol Ainda Brilha (Anthony Ray Hinton com Lara Love Hardin): https://amzn.to/2qLwYeP

Quem poderá dizer que é realmente livre? Ou que acredita que a justiça sempre acerta? O Sol Ainda Brilha pode servir como um conto caucionário sobre o sistema judiciário, especialmente em regiões com penas mais severas. O autor nos faz refletir sobre a existência de outras pessoas inocentes que também foram mandadas para o corredor da morte.

“Os sons à noite davam a impressão de se estar no meio de um filme de horror – criaturas rastejando, homens gemendo, gritando ou…

Educação e Integração da Melhor Idade

Por Ben-Hur Oliveira e Maria Izabel Costa

A UMI (Universidade da Melhor Idade) é um programa da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) vinculado à pró-reitoria de extensão, criado há 12 anos. Voltado à inclusão da terceira idade no campus universitário, o programa é referência, por ser a primeira universidade da melhor idade salesiana da América Latina.

De acordo com a coordenadora da UMI, Leiner de Maura Alves, no Brasil existem 200 universidades da terceira idade. O número de profissionais e alunos que estudam o envelhecimento humano é grande, trazer os idosos para dentro das universidades e estudar o envelhecimento junto com eles é um dos objetivos do programa. “Nesta partilha de conhecimento, os idosos também vão aprendendo”, completa.

Para se matricular na UMI, é necessário que se tenha no mínimo 45 anos de idade. Não há limite de escolaridade, Leiner acrescenta que: “Nós temos desde alunos analfabetos a pós-graduados. De três anos para cá, o perfil dos nossos acadêmicos mudou bastante. Estamos com muitas pessoas graduadas entrando na UMI, professores aposentados, servidores públicos, bancários e militares, e um ou outro, com pouca escolaridade”.

Questionada sobre a importância do programa para a Católica, a coordenadora respondeu: “É importante nós termos essas pessoas da terceira idade no campus universitário, é uma grande troca de experiência desses idosos com vocês e vocês com eles. Nós também estamos dando uma contribuição para a melhoria de qualidade de vida dessas pessoas”. Leiner acrescenta que muitas pessoas da 3ª idade começam a ficar sozinhas nos lares, se aposentam, os filhos vão saindo, casando, e elas ficam sem ter o que fazer, levando-as à depressão. “Tem gente que vem aqui ou até muda e não deixa trancar a matrícula porque ela quer estar ligada. É um meio de eles interagirem com pessoas da mesma idade e ao mesmo tempo interagir na universidade com outro mundo, com outras idades”.

As alunas da Universidade da Melhor Idade acreditam que o programa é importante. Neuza Vinho Molena, 53 anos, estudante há um ano e meio diz que é bom participar porque aprende novas coisas e relembra coisas que aprendeu há muito tempo no ensino escolar, e faz muitas amizades. Para Maria José, 73 anos, acadêmica há um ano, é bom participar porque não deixa a cabeça e nem o corpo parar, e na idade dela isso é bom.

No programa o conteúdo é distribuído em módulos durante dois anos. Existem quatro módulos: iniciante, básico, integrado e permanente. Após o encerramento do curso, há uma formatura e os que quiserem podem continuar (permanente). Não há notas, na UMI a avaliação é diária, entre professor e aluno.

As atividades oferecidas pela UMI são: hidroginástica, ginástica, danças coreografadas e de salão, voleibol adaptado, jogos de mesa, coral, teatro, línguas (inglês, espanhol e português), psicologia, gerontologia, desenvolvimento interpessoal e artesanato. Existem disciplinas temporárias conforme os acadêmicos requisitam, como: design, rádio & TV, jornalismo, direito da família, empreendedorismo, saúde pública e cidadania.

As atividades acontecem de segunda-feira a sexta-feira das 13h30m às 17h. Dentro das atividades oferecidas o acadêmico deve escolher no mínimo três. A partir do segundo semestre deste ano a mensalidade será de R$ 60,00.

Mais informações podem ser obtidas na UMI pelo telefone 3312-3431.

* Matéria produzida para o House-Organ experimental, FUNIL. Produzido pelos acadêmicos do terceiro semestre de Comunicação Social da UCDB.

Comentários

  1. aki na UFS tb tem um projeto parecido, eu até escrevi uma matéria qndo eu trabalhava na assessoria de lá, entrevistei duas senhoras, as mais engraçadas que eu ja vi na minha vida... kkkkkk http://www.ufs.br/?pg=noticia&id=2259

    ResponderExcluir
  2. Hello Ben! Achei super legal essa matéria. Ai vai uma dica sobre educação na e para a Melhor Idade, aqui em Anastácio temos o projeto Conviver, onde os idosos podem parcipar de aulas variadas incluindo estudos até arte e cultura.
    Se tiver tempo e disponibilidade, veja ai em CG se tem algo parecido desenvolvido por associações de bairro, é mto bacana, pois como imprensa podemos ajudar a fomentar a promoção dessas atividades para nossos vovôs e vovós!
    Parabéns... otimo texto!
    bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana