Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo e Neurodiversidade: Diferentes necessidades, intervenções e apoios

Tem uma expressão que diz "Não existem dois aspies iguais"/"Não existem dois autistas iguais", mas na hora de produzir conteúdo, muita gente se esquece disso.


Existe uma neurodiversidade bem complexa. 
Desde que comecei a produzir conteúdo sobre autismo, eu tenho repetido isso, mas muita gente simplesmente não entende e insiste em buscar comparações com personagens e pessoas reais. O filho do Fulano não vai parecer o do Beltrano, independente de ambos estarem no espectro autista.

Eu, Ben Oliveira, não vou ser igual a minha amiga aspie que converso diariamente: mesmo adorando ela e tendo muitas questões parecidas, somos completamente diferentes em vários sentidos.
O fato de eu ter autonomia não significa que outro autista poderá ter.

O que me incomoda, talvez não incomode outro autista e vice-versa.

O que eu tenho facilidade, outra pessoa terá dificuldade e vice-versa.

Nossos hiperfocos, ilhas de conhecimentos, inteligências, grau de autoconhecimento e autopercepção,…

Amores de plástico

Texto: Ben Oliveira

Enquanto algumas pessoas quando saem de um relacionamento preferem tentar apagar o outro da memória, eu prefiro deixar vivo cada momento e sensação, bons ou ruins. Às vezes é preciso sangrar e enfrentar a realidade. Nem sempre estancar é a melhor solução, quando você sabe que eventualmente este corte vai cicatrizar, todavia, é preciso ser sensato e não deixar que os anticoagulantes te façam perder todo o sangue. Acelerar o processo pode garantir uma melhora momentânea e aparente, mas a longo prazo, em seu interior você pode estar com uma hemorragia.


É preciso esquecer para seguir em frente? Eu diria que é preciso aceitar. Esquecer ou não é opcional.

O ritmo alucinante da Internet tem se incorporado aos nossos cotidianos e, consequentemente, em nossos relacionamentos. Da mesma forma que obtemos informações em questão de segundos, vínculos podem ser criados e desfeitos na mesma velocidade.

Dizem que o amor vem com o tempo: afinal, como é possível amar aquilo, ou melhor, aquele, que não conhecemos? Não confundir a paixão com o amor é fundamental. "Eu te amo", "Você me completa" e "Por onde você andou esse tempo todo?" são ótimas frases de ouvir quando sinceras e vindas diretas do coração. É preciso ter bom senso para dizer palavras que podem mudar a vida de alguém, mas que fora de contexto perdem o sentido.

Alguns momentos depois do relacionamento acabar, o "tudo" torna-se "nada", o "amado" um mero desconhecido e todo o presente e futuro são teletransportados automaticamente para um passado distante.

Bem-vindo à realidade, onde os relacionamentos duram tanto quanto o prazer de comprar aquele lindo par de sapatos da vitrine, que combina muito bem com o coração de plástico do seu manequim favorito.

Leia também: Sobre Amores e Calças Jeans

Veja mais crônicas

Comentários

  1. Incrível. Realmente as pessoas banalizaram o amor. Virou até clichê falar isso, mas é a pura realidade. Sou como tu, não gosto de esquecer, de fingir que nada aconteceu... Estaria sendo injusta com o que EU senti o tempo todo. Parabéns pelo texto Been. Beijo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana