Pular para o conteúdo principal

Destaques

12 Graphic Novels que você precisa ler

Começou como uma forma de experimentação na leitura. Apesar de gostar de tirinhas, nunca tinha me aventurado pelo universo das graphic novels, como aconteceu há alguns anos – pelo menos, não de forma que me interessasse.

Percebo que cada vez mais pessoas estão se interessando pelos diferentes formatos de narrativas. Acho válida toda forma de contação de histórias e acredito que elas podem criar experiências complementares. Há espaço para todos gostos.


Com doze indicações de leitura, dá para ler um livro por mês ou ler todos em um só mês, dependendo do ritmo de leitura e da fome por histórias de cada um. Entre temáticas mais sociais e outras mais fantasiosas, as graphic novels podem ser uma porta de entrada para outros livros, como podem ocupar um espaço central no coração de quem é aficionado por histórias ilustradas.

Histórias que podem ir muito além de um passa-tempo, como se acreditava antigamente, mas também proporcionar reflexões sobre a vida, juntando o melhor dos dois mundos: d…

Contribuições de Freud para a cultura ocidental

Sigmund Freud contribuiu bastante para a cultura ocidental. Suas descobertas revolucionárias na área de psicanálise e suas obras transformaram o jeito que as pessoas enxergam o mundo.


Em “O Mal-estar na Civilização”, livro escrito pelo pai da Psicanálise, Freud comenta sobre os falsos padrões de avaliação, em que as pessoas dão mais valor para o poder, sucesso e riqueza, do que para o que realmente importa na vida. Todavia, o autor ressalta que não existe uma fórmula geral e simples, pois o mundo humano e a vida mental são variados. Existe uma diferença de pensamentos das pessoas e suas ações. O autor critica a ilusão e superimportância que as pessoas dão as religiões, sem nem mesmo questioná-la, muitas vezes, defendendo seus itens como se fossem verdades absolutas. No livro, Freud discorre sobre as diferentes formas que o homem procura para alcançar a felicidade e se afastar do sofrimento, como a religião e o amor.

Freud explica que não existe uma regra que se aplique a todos, cada um deve encontrar por si mesmo uma forma de dirigir suas escolhas, de forma a conquistar seus desejos. Para o psicanalista, a religião é uma forma de delírio de massa encontrada pelas pessoas para conquistar a felicidade e se protegerem do sofrimento. Todavia, o autor ressalta que nem mesmo a religião consegue manter esta promessa de felicidade plena, tendo sobrado ao crente como último consolo e fonte de prazer para o sofrimento, a submissão incondicional.

Não existe forma de afastar totalmente a insatisfação, mas temporariamente o homem consegue enganá-la. O lado pessimista de Freud é abordado no livro, em que ele comenta fatos negativos atribuídos ao desenvolvimento da tecnologia: o telefone contribui para ouvir a voz de alguém que costumava estar próximo, as ferrovias possibilitaram que esta pessoa fosse embora e os avanços da ciência possibilitam que as pessoas vivam por mais tempo, porém, muitas vezes, essa vida é “difícil e estéril de alegrias”, tantas desgraças, que a morte passa a ser vista como uma libertação. A felicidade é subjetiva.

De acordo com Freud, a civilização é resultado da soma das realizações e regulamentos que distinguem nossas vidas das dos animais e que serve para: proteger os homens contra a natureza e ajustar os seus relacionamentos mútuos. Um dos destaques para determinar a civilização aconteceu quando os homens deixaram o poder individual de lado e passaram a formar comunidades, a substituição da força bruta pelo direito.

Freud introduziu a idéia de individualidade, em que este não era dono de si, mas subordinado ao seu inconsciente. Ao sistematizar a Primeira Tópica, a personalidade vista como um modelo psíquico: consciente, pré-consciente e inconsciente, Freud contribuiu bastante para o avanço da psicanálise e da sociedade. Perde-se a noção de que o homem faz as coisas por acaso e descobre-se que para cada pensamento, memória revivida, sentimento ou ação existe uma causa, seja consciente ou inconsciente, determinada por fatos que a procederam.

A forma que Freud descobriu o inconsciente transformou a forma que nós vemos a mente humana. O tratamento do psicanalista também era diferenciado em relação aos outros profissionais da época. No documentário “Sigmund Freud – Exploring the Unconscious”, além de ser relatada a forma que os pacientes com doenças mentais eram tratados antigamente, ressalta-se o diferencial de abordagem do Freud: o de ouvir os pacientes. “Os profissionais da época prescreviam, porém não escutavam. Eles eram as autoridades e era esperado que o paciente obedecesse... e ouvisse o médico. Escutar a história de vida de um paciente foi algo totalmente novo”, comenta no documentário Harold P. Blum. Para o psicanalista, o inconsciente era onde ficavam os conflitos ou pensamentos que não queremos lidar, a porção real do nosso ‘eu’. Os sonhos também tinham significados para Freud.

A Segunda Tópica de Freud também contribuiu bastante para a mudança da percepção na psicanálise e na sociedade. Enquanto a Primeira Tópica era considerada um modelo mais estático, a Segunda é mais dinâmica, em que de forma básica podemos dizer que o ID estaria relacionado aos instintos, o Ego ao ‘eu’ e o Superego ao lado mais racional.

Muitas das teorias levantadas pelo psicanalista foram desaprovadas na época, mas os avanços proporcionados por ele são indiscutíveis, além de contribuir com o tratamento, a sociedade está mais livre para tratar de diversos assuntos, como sentimentos, conflitos, sexo e sexualidade.

Confira também:

Documentário relata vida e descobertas de Sigmund Freud

Freud for Beginners

Comentários

Mais lidas da semana