Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dia de Conscientização do Autismo: Data batida por causa do Coronavírus

Hoje foi dia de conscientização do autismo. Com tantas preocupações sobre o Coronavírus, a data acabou passando batida. Mas para quem apoia a causa, além de usar o mês inteiro para abordar o assunto, a vida se torna uma constante aula de aceitação.



Sempre disse que nunca vestiria os símbolos que não concordo, por motivos internacionais, mas como disse minha psicóloga uma vez, não posso ficar comparando a realidade de outro país com a nossa (embora seja quase impossível pra mim).

Embora muitos autistas não gostem do quebra-cabeça e do laço (me incluo entre eles), prefiro o símbolo do infinito da Neurodiversidade, cheguei a conclusão que é só um estresse a mais e não adianta explicar para as pessoas.

Tal qual a palavra autista foi ressignificada, talvez seja melhor ressignificar do que ficar dando murro na ponta da faca (acertei a expressão?).

Enfim, só para não passar batido, foto com a camiseta que minha mãe pegou para mim em um evento de autismo em Campo Grande (MS).

Quando ganhei, p…

Revistas gays - Mais do que fotos sensuais


Quando viajei para Natal (RN) comprei três revistas gays brasileiras na Livraria Saraiva do Shopping Midway. Aproveitei a oportunidade, já que onde eu moro, em Campo Grande (MS), é praticamente impossível encontrar estas publicações.

Entre as revistas compradas estavam a Revista Junior, que eu já conhecia há mais de dois anos e sempre simpatizei com a publicação, apesar de não assinar, e duas novatas: a terceira edição da H Magazine, da editora Mix Brasil, a mesma responsável pela Junior e a primeira edição da revista Momento Inesquecível, uma publicação anual sobre a união homoafetiva, que ainda não tive tempo para ler.


Em tempos em que as publicações impressas perdem força, principalmente os jornais, vi na Revista Junior e na H Magazine a esperança nas revistas de nicho, especialmente as que são voltadas para o público gay. Apesar dos diversos sites e blogs gays, nada substitui a sensação de folhear uma revista com textos bem desenvolvidos e qualidade fotográfica, e até mesmo guardá-las, o que se perde no volume de informações publicadas na Internet e na superficialidade.

Enquanto a Revista Junior é voltada para um público jovem, o que reflete nas pautas, como fitness, beleza, moda e entrevistas e também nos modelos selecionados para as fotografias, a H Magazine é voltada para um público mais adulto e maduro.

A Junior me ganha nas imagens, reportagens e textos de músicas, baladas, moda, destinos turísticos, estética e entrevistas. Já a H Magazine, com seus textos sobre espetáculos teatrais e musicais, música, casamento gay, direitos, relacionamentos e colunas.

As colunas da H Magazine me surpreenderam. Na 3ª edição, uma coluna escrita por Tony Goes, sobre o casamento, sua legalização e críticas de diversos gays que são contra e acabam desmerecendo o trabalho daqueles que lutam pela igualdade, criminalização da homofobia e reconhecimento. Para o colunista, se a pessoa não quer casar, tudo bem, ninguém está sendo obrigado, mas este deve ser um direito. Também são ótimas a coluna do João Luiz Vieira sobre aparências e a coluna "Amadurecer com Dignidade", escrita por Gilberto Scofield, na qual o autor critica uma espécie de Síndrome do Peter Pan, que acomete os gays. Segundo Scofield, é deprimente ver gays com mais de 30 anos acharem o ponto alto da sua semana uma noite de bala com as amigas e seus comportamentos na balada, como a maneira que se vestem e agarração grupal, quase caricaturas.

Entre as reportagens desta edição da H Magazine estão uma sobre um evangélico que foi casado com uma mulher e foi expulso da igreja por ser gay; Soropositivos que sofrem com o dilema de contar sua condição; Divórcio para gays; Entrevista com o ator Roberto Camargo, prestes a completar 50 anos; Tolerância à diversidade sexual no Poder Público de Brasília; e outras.

Para quem ainda não conhece as revistas, recomendo a leitura. Mesmo com os homens bonitos e fotos sensuais, que aliás são ótimos atrativos, por conta do bom conteúdo vale a pena comprá-las.

Leia também: Momento Inesquecível - Casamento Gay é tema de nova revista brasileira

Imprensa Gay no Brasil

Advocate – Revista gay mais antiga dos Estados Unidos

Comentários

  1. Nossa, é difícil achar revistas "gays" aí em Campo Grande? bem moro no interior de Pernambuco, em uma cidade média, encontro facilmente nas poucas bancas que tem aqui... abraço :)

    ResponderExcluir
  2. Onde posso encontrar as atis revistas aqui em São Paulo? Pago o preço que for. Sou louco por esses garotões sarados e bem dotados. Me liguem:(011)97728 1155. Luyz Karlos

    ResponderExcluir
  3. A propósito tava lendo artigo sobre estas revistas no Observatório da Imprensa: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed720_o_homem_de_verdade_e_seu_lado_hard

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!