Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Exercício de Produção Textual em 5 minutos

Texto: Ben Oliveira

É incrível o que conseguimos realizar quando estamos sob  pressão. O texto abaixo surgiu durante uma aula de Jornalismo, na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) de Campo Grande (MS), com a professora Cristina Ramos.

A professora pediu aos alunos que fizessem um exercício de produção textual. Em aproximadamente cinco minutos, tivemos que escolher uma das frases expostas e produzir uma estória.

Escolhi a seguinte frase: "Levou a namorada até o aeroporto. Ela ficaria longe por dois meses", e o resultado pode ser conferido abaixo.

*~

Era a primeira vez que Fernando ficaria tanto tempo longe de Roberta. O jovem de 19 anos conheceu a mulher em uma festa bastante popular da cidade. Roberta era uma médica de 26 anos, a diferença de idade entre os dois tinha complicado bastante o início do relacionamento do casal, que agora havia completado um ano.

Existem coisas que fogem ao nosso controle, a ida de Roberta era só mais um detalhe.

Roberta tinha passado numa seleção em um hospital bastante conceituado em Nova York, uma oportunidade única em sua vida, que só alguém fora de si deixaria passar essa chance. Quando Fernando soube da notícia não sabia se chorava ou se ria, pois o rapaz sempre esteve ciente do quanto era importante a carreira para a namorada.

Fernando nunca tinha sido bom em demonstrar sentimentos. A tristeza antecipada o estava matando alguns dias antes da grande despedida entre os dois. Desta vez o jovem decidiu que faria algo diferente. Ele escreveu uma carta enorme para que Roberta não pudesse se esquecer dos sentimentos do namorado por ela.

No dia da despedida, Fernando tentara ser forte, mas quando chegou o momento de dizer adeus, nunca tinha sentido dor tão grande em seu coração.

Deixando a carta para o último momento, Roberta foi pega de surpresa. A jovem sabia que as coisas não seriam fáceis, mas desistir não era uma opção.

Decidiram que não iam chorar, pois o momento era de comemoração.

Seguindo em direções contrárias, Roberta dentro do avião, atravessando o oceano e Fernando preso no trânsito caótico da cidade, mesmo longe os dois compartilhavam um sentimento em comum: o da saudade.

Lágrimas se confundiam com a chuva que não parava de cair.

Comentários

  1. Já fiz esse exercício na aula da Cristina, mas com outro tema. Realmente, incrível como a gente consegue pensar e produzir sob pressão. Às vezes sai melhor do que um texto que demoramos horas para finalizar. Fantástico. Amei.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana