Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Algum Dia — David Levithan

Pode o corpo alterar nossa percepção sobre a vida e o amor? E o que acontece quando todo dia mudamos de corpo e ainda assim tentamos manter um relacionamento? Em Algum Dia, do David Levithan, o leitor é levado a conhecer o desfecho da trilogia que encantou pessoas do mundo todo. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Galera Record, em 2020.

Compre o livro Algum Dia (David Levithan): https://amzn.to/3ifWxuE
Algum Dia foi um dos livros mais esperados por muitos leitores, entre eles: eu. Fui com muita expectativa na leitura. Não é que não tenha gostado do romance, mas senti falta de mais envolvimento entre os dois personagens principais. David Levithan nos deixa instigado por mais momentos entre Rhiannon e A, mas a narrativa acaba dando mais destaque para a condição do personagem sem corpo fixo.
"Agora eu sei: o amor não é tão simples. O amor nunca é sobre você dizer a si mesmo que deve fazer alguma coisa e então fazer. Nunca é sobre alguém te dizer que você deve fazer e por isso…

Exercício de Produção Textual em 5 minutos

Texto: Ben Oliveira

É incrível o que conseguimos realizar quando estamos sob  pressão. O texto abaixo surgiu durante uma aula de Jornalismo, na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) de Campo Grande (MS), com a professora Cristina Ramos.

A professora pediu aos alunos que fizessem um exercício de produção textual. Em aproximadamente cinco minutos, tivemos que escolher uma das frases expostas e produzir uma estória.

Escolhi a seguinte frase: "Levou a namorada até o aeroporto. Ela ficaria longe por dois meses", e o resultado pode ser conferido abaixo.

*~

Era a primeira vez que Fernando ficaria tanto tempo longe de Roberta. O jovem de 19 anos conheceu a mulher em uma festa bastante popular da cidade. Roberta era uma médica de 26 anos, a diferença de idade entre os dois tinha complicado bastante o início do relacionamento do casal, que agora havia completado um ano.

Existem coisas que fogem ao nosso controle, a ida de Roberta era só mais um detalhe.

Roberta tinha passado numa seleção em um hospital bastante conceituado em Nova York, uma oportunidade única em sua vida, que só alguém fora de si deixaria passar essa chance. Quando Fernando soube da notícia não sabia se chorava ou se ria, pois o rapaz sempre esteve ciente do quanto era importante a carreira para a namorada.

Fernando nunca tinha sido bom em demonstrar sentimentos. A tristeza antecipada o estava matando alguns dias antes da grande despedida entre os dois. Desta vez o jovem decidiu que faria algo diferente. Ele escreveu uma carta enorme para que Roberta não pudesse se esquecer dos sentimentos do namorado por ela.

No dia da despedida, Fernando tentara ser forte, mas quando chegou o momento de dizer adeus, nunca tinha sentido dor tão grande em seu coração.

Deixando a carta para o último momento, Roberta foi pega de surpresa. A jovem sabia que as coisas não seriam fáceis, mas desistir não era uma opção.

Decidiram que não iam chorar, pois o momento era de comemoração.

Seguindo em direções contrárias, Roberta dentro do avião, atravessando o oceano e Fernando preso no trânsito caótico da cidade, mesmo longe os dois compartilhavam um sentimento em comum: o da saudade.

Lágrimas se confundiam com a chuva que não parava de cair.

Comentários

  1. Já fiz esse exercício na aula da Cristina, mas com outro tema. Realmente, incrível como a gente consegue pensar e produzir sob pressão. Às vezes sai melhor do que um texto que demoramos horas para finalizar. Fantástico. Amei.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana