Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Livro de crônicas de Arnaldo Jabor

Texto: Ben Oliveira

"Amor é prosa, sexo é poesia"
é o título do livro que reúne as melhores crônicas escritas por Arnaldo Jabor. Publicado em 2004, pela editora Objetiva, o leitor é convidado a viajar nos textos sobre diferentes temas do cotidiano abordados pelo cronista.

Jabor discorre sobre os relacionamentos, suas experiências da infância, velhice, família, política, sociedade e nostalgia. Por meio das crônicas, o jornalista narra situações, provoca reflexões e compartilha sua opinião.

O cronista, por exemplo, mostra-se indignado com o comportamento do brasileiro, sempre relembrando fatos do passado. O excesso de exposição do corpo, os prazeres fáceis – e o sexo – e as diferenças dos relacionamentos atuais em relação às outras épocas são alguns dos principais alvos de Arnaldo Jabor.

Arnaldo Jabor consegue traduzir os sentimentos de uma época. Mesmo as crônicas sendo textos factuais, eles continuam interessantes e também servem para reviver momentos históricos e registrar impressões de acontecimentos marcantes.

Como não abrir um sorriso ao ler um texto em que Arnaldo Jabor comenta estar cansado de ver tantas bundas ou quando ele critica os relacionamentos na sociedade pós-moderna, um assunto pelo qual simpatizo e também gosto de escrever? O cronista destila seu veneno e despeja ironia em coisas que o deixam inconformado, como o Bush e a transformação das pessoas e relacionamentos em produtos, sem esquecer também de declarar sua saudade pelas coisas da vida.

Recomendo as crônicas para quem deseja aprender mais sobre o gênero, para quem gostar dos textos do Arnaldo Jabor ou quer conhecer mais sobre o autor ou simplesmente para quem quer desfrutar de uma boa leitura.

Comentários

Mais lidas da semana