Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Good Detective: Série coreana policial sobre antigo caso e a busca pela verdade

The Good Detective é uma série coreana policial que aborda um caso antigo, cujo julgamento levou à sentença de condenação de morte do acusado. Um detetive novato no departamento e um veterano se juntam para descobrir se aconteceram falhas nas investigações policiais. A série está disponível na Netflix . Com 16 episódios em sua primeira temporada, três personagens se destacam: o detetive que participou da investigação do caso, Kang Do Chang (Son Hyeon-ju) , o jovem detetive Oh Ji Hyuk (Seung-jo Jang) e a jornalista investigativa Jin Seo Kyung (Elliya Le) . Quando um novo caso de um suposto assassino confesso da filha do homem condenado ganha a atenção da mídia, muitas dúvidas pairam no ar sobre as motivações e os possíveis envolvidos, fazendo com que os detetives discretamente se aprofundassem nas investigações, mesmo sabendo que poderiam prejudicar as próprias carreiras. Kang é movido pela consciência pesada de ter sido parte do caso do condenado possivelmente inocente sofrer pena de

Resenha: Comer, Rezar, Amar – Elizabeth Gilbert

Terminei de ler Comer, Rezar, Amar, escrito por Elizabeth Gilbert e publicado no Brasil pela editora Objetiva, em 2008. O filme foi bem fiel ao livro, conseguindo resumir de forma interessante os principais episódios vividos pela escritora nos três países, no qual a atriz Julia Roberts consegue entrar muito bem na pele da protagonista.

Livro Comer, Rezar, AmarTudo começa com uma insatisfação de Liz. A mulher tem uma casa, marido, um bom emprego, no entanto parece estar faltando algo em sua vida. Depois de passar por uma crise de pânico e muita choradeira, a escritora Elizabeth decide se divorciar. O processo é longo e doloroso, já que o marido não facilita.

Depois de tanto sofrimento, Liz planeja sua viagem em busca pelo prazer, pela oração e pelo amor, o que acontece nos seguintes países respectivamente, Itália, Índia e Indonésia. Antes de iniciar sua jornada, a mulher se envolve com um rapaz mais novo do que ela e deixa se consumir por todo o seu sentimento. O relacionamento também não dá certo e é só mais uma decepção à sua vida.

O livro começa a ficar interessante quando as viagens acontecem, mas são as memórias da jornalista que dão sentido para tudo aquilo e nos permitem entender melhor a protagonista-narradora.

Na Itália, Elizabeth Gilbert se delicia com a culinária local, sem sentir peso na consciência, como acontecia quando morava nos Estados Unidos. A escritora come muita pizza e outros pratos italianos e até mesmo engorda. Ela direciona todas as suas energias para o prazer. No país, ela também tenta aprender italiano, uma vontade que sempre teve, porém nunca encontrou utilidade prática antes em sua vida. Foi em Roma, onde Liz conheceu pessoas especiais, engordou os onze quilos mais felizes de sua vida e vivenciou um pouco do espírito italiano de aproveitar a vida pelo simples prazer.

Depois recuperar um pouco do seu equilíbrio emocional e se punir por ter se divorciado, o que muitas vezes não é bem-visto pela sociedade quando uma mulher faz isto, Liz viaja para a Índia. Foram durante esses quatro meses dentro de um ashram – uma comunidade orientada por um líder religioso, que Elizabeth aprendeu a explorar o seu espírito e encontrar a paz interior. O início é muito difícil para Liz, mas com a ajuda de uma guru indiana e de um texano, a escritora consegue se libertar dos seus sofrimentos do passado, fazendo paz consigo mesma. O período é marcado por muita meditação, desconforto e autoconhecimento.

Por último, Liz vai para Bali, na Indonésia. A escritora se encontra com um xamã e o ensina inglês em troca de aprender mais sobre meditações do país. Além de Ketut, Liz conhece uma curandeira e acaba se envolvendo com um brasileiro, que também tinha saído de um divórcio. Em Bali, a mulher finalmente encontra um amor mais maduro e equilibrado, diferente dos antigos relacionamentos que ela teve.

O livro é gostoso de ler, pois está dividido em várias crônicas escritas pela autora. Por ser baseada em fatos reais, a história traz uma série de reflexões ao leitor sobre a vida, relacionamentos e equilíbrio. Com tantas citações e pensamentos, abaixo eu separei três trechos do livro que gostei bastante:

"Eu não fui resgatada por um príncipe; eu administrei o meu próprio resgate" 

"Você precisa escolher seus pensamentos do mesmo jeito que escolhe roupas" 

"As suas emoções são escravas de seus pensamentos, e você é escravo de suas emoções"

Comer, Rezar, Amar é um livro para quem se encontra em crise e deseja se libertar. Os ensinamentos e a narrativa levam o leitor para a sua própria viagem dentro das páginas do livro, ajudando-o a buscar o equilíbrio, o prazer e o amor próprio, para depois tentar se envolver com outras pessoas.

Leia também: Comprometida: Uma História de Amor – Elizabeth Gilbert 

Comentários

  1. Respostas
    1. Posso dizer que é um dos que gosto muito também. Já li umas 3 vezes... Duas vezes em português e uma em inglês.
      Abraço e obrigado pela visita!

      Excluir
  2. Wow! Valeu pela resenha, li o livro 1 vezes e assisti o filme 3 vezes .. hahaha
    Agora vou ler em inglês para fazer o exame do meu intercâmbio.
    Showw!! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fernanda! Gostei muito de ler em inglês também. Foi uma ótima forma de praticar a leitura. Mesmo já sabendo o que acontece, ler em outro idioma tornou a experiencia envolvente.
      Gratidão pela visita! Fico feliz que tenha gostado ;)

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana