Pular para o conteúdo principal

Destaques

Murder By The Coast: Documentário espanhol da Netflix sobre casos de jovens assassinadas traz dilemas éticos

Murder By The Coast (Homicídio na Costa do Sol/El caso Wanninkhof - Carabantes) é um ótimo documentário de crimes para quem deseja entender os impactos do julgamento antecipado pela imprensa sobre casos mal investigados, influenciando a opinião pública, quando só existem indícios, mas nenhuma prova. Lançado pela Netflix em 2021, o filme espanhol foi dirigido por Tània Balló e roteirizado por Gonzalo Berger . Em mais de 20 anos, muita coisa mudou no mundo. Mas há outras que ainda servem como ótimo exemplo de erros e acertos, especialmente no que diz respeito aos casos criminais, opiniões públicas, preconceitos e faltas de evidências. O documentário traz o caso da adolescente Rocío Wanninkhof que foi assassinada em 1999 e na ansiedade para encontrar um culpado, diante da falta de informações concretas, tudo toma um rumo que se fossem contar, poderiam jurar que se trata de um enredo de ficção. Os depoimentos de profissionais envolvidos ou que estudaram o caso só enriquecem o documentári

Lançamento do livro Urânios, do escritor Roberto Muniz Dias

Publicado pela Editora Metanoia, o mais novo livro, Urânios, do escritor e mestre em literatura, Roberto Muniz Dias, será lançado no dia 2 de Maio de 2014. O evento acontecerá na Livraria Blooks, em São Paulo (SP), situada no Shopping Frei Caneca, a partir das 19h30.


A obra tematiza o poliamor sob o ponto de vista de um homem que relata suas memórias de um amor nada convencional. Entre o presente e o passado, um quadro de um galo colorido o remete sempre a esta paixão inusitada. O amor entre esses três homens se intensifica à medida que não descobrem o quê fazer com ele. No final, as identidades são esfaceladas pela lembrança, pelos medos, ciúmes e a morte das coisas vivas.

A ideia do livro surgiu sobre a questão do poliamor; das diferenças entre atitudes num relacionamento; um questionamento sobre o que é o amor, se poderia ser fragmentado ou deveria ser inteiro? Uma divagação, em primeira pessoa, de como um indivíduo lidava com a ideia de dividir o objeto de desejo; como seria um contato que quebrasse todas as opiniões internas sobre o amor romântico ou burguês. Essa pessoa se pergunta, dentro de uma estória não linear, entre o passado e o presente, nas lembranças e experiências de um amor nada convencional, como a mudança pode ser libertadora e, ao mesmo tempo um claustro. Em resumo, uma estória sobre desconstruir-se como indivíduo, reinventar-se e depois perder-se.

Trecho do livro:

“Tudo tem um começo. Pelo menos para as histórias, sejam em quaisquer das articulações com as verdades de cada um. O princípio pode ser por uma mentira. Se ela for bem contada, pode parecer História. E para ser História bastam dois ingredientes: uma presunção de verdade e um idiota para creditá-la valor. Eu fui o idiota. E tem sido assim por muito tempo. Muitas histórias contadas e muitos idiotas que a vivem.

Vivi essa história com intensidade. Todos já eram adultos. Não vai ser necessário o passado para entender o presente e o futuro das coisas acontecidas. Elas por si só se encaminharam nesses anos de convívio. Personagens, pano de fundo, um enredo e uma duração no tempo. Estava pronta a história. No entanto, ela tem um princípio; ela foi me dada sem muitas limitações. Fui testemunha do tempo deles; da velocidade na qual tudo se passou. Às vezes podia ser tão natural; às vezes parecia tão impreciso quanto o destino poderia se revelar. Eis a minha verdade...”

Comentários sobre o livro:

“Em Urânios, novo livro de Roberto Muniz, que com sensibilidade trabalha seus personagens e suas experiências com profundidade, conduzindo uma trama que vai abrindo caixas dentro das quais se encontram outras caixas até que o protagonista se depara com uma verdade fundamental...” (Sérgio Viula, Escritor)

“Você é colocado para dentro dessa narrativa e, embora já saiba do resultado, quer saber como se deu tudo isso.” (Neto Lucon, Jornalista)

Sobre o autor: 

Roberto Muniz Dias é romancista, contista, poeta, artista plástico e mestre em Literatura pela UnB (Universidade de Brasília). Também formado em Letras e Direito, integra a Comissão de Tolerância e Diversidade Sexual da 93ª Subseção de Pinheiros da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional São Paulo. Foi premiado pela Fundação Monsenhor Chaves com  menção honrosa pela obra “Adeus Aleto”. Publicou ainda “Um Buquê Improvisado”, “O Príncipe – O Mocinho ou o Herói podem ser Gays” e recentemente lançou seu livro: Errorragia: contos, crônicas e inseguranças.

Local:

Shopping Frei Caneca — Rua Frei Caneca, nº 569 – 3º Piso, Consolação – São Paulo (SP).
Telefone: (11) 3259-2291
Horário de funcionamento: de segunda a sábado: das 11 as 22hs / domingos e feriados : do 12 as 20hs

Link no Facebook para o Evento do Lançamento de Urânios (Roberto Muniz Dias): https://www.facebook.com/events/552139244902141/?fref=ts

Comentários

  1. Olá!

    Não conhecia o livro e desejo sucesso ao autor no lançamento.
    Muito interessante o tema debatido por ele no livro. Para reflexão dos leitores.
    Gostei dos trechos escolhidos.

    Abraço

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fran, obrigado pela visita e pelo comentário!
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana