Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Resenha: Sabores e Dissabores de Antigos Amores – Thiago Thomazini

Sabores e Dissabores de Antigos Amores é o título do livro de contos do escritor Thiago Thomazini, publicado em 2014, pela Editora Escândalo. A obra, de 134 páginas, será lançada no final de outubro no Rio de Janeiro. Antes de seu lançamento, tive a oportunidade de ler a coletânea que foi enviada pela editora.

Este é o segundo livro que li do Thiago Thomazini. O primeiro se chama Variáveis Vias do Desejo e também traz vários contos escritos pelo autor. O que me chamou a atenção em Sabores e Dissabores de Antigos Amores foi o amadurecimento da escrita e o jogo de palavras, numa mescla de prosa e poesia em alguns textos, envolvendo o leitor nas sensações dos seus personagens.

Na abertura do livro, o leitor se maravilha com um texto do escritor Luciano Cilindro de Souza, “A bruxa joga praga no artista”. Em seguida, se aventura em cada um dos textos: A última que morre; Não sei se vou te amar; Tempo; De ninguém; Canção praieira; O livro fluxo do desejo; Uma pequena prece antes de dormir; Bocas nossas; Em Ipanema; Carta descartada; Subterrâneos; Batucada; Apenas duas; Arena; O grito; Quatro Estações; Alvorada; Sobre amores e escritores; A cobrar; Devoção; Sabores e dissabores de antigos amores.

Alguns dos contos têm a mesma essência do primeiro livro, trazem uma aura boêmia e apresentam personagens presentes no universo gay que flertam com as tentações e perigos, como a atração por homossexuais enrustidos, a prostituição, as drogas e os prazeres ‘proibidos’. Enquanto outros conseguem tocar a alma do leitor, abordando elementos fortes, como o amor, a perda, a paixão e a solidão.

Cada conto apresenta o estilo do autor, que mescla a marginalidade com o fluxo de consciência, rimas e uma dose de poesia. Os meus três contos favoritos do livro foram e trechos marcantes:

Quatro Estações – Os relatos sobre os encontros e desencontros de dois homens que se amavam, mas pelas circunstâncias da vida acabaram se distanciando, até que o seu último reencontro é marcado pelo último adeus. Um conto envolvente que nos coloca na pele do protagonista e nos faz imaginar como é sentir o amor, perdê-lo e nos surpreende com a possibilidade de um recomeço. Assim como as estações do ano, nos faz sentir os efeitos das transformações, dos altos e baixos que fazem parte de nossas histórias.

“Às vezes, temos dessas. Não é mesmo? Tentar dar uma rasteira no amor, guardá-lo numa gaveta, congelá-lo embalado num freezer, deixá-lo abandonado num quartinho escuro da casa, num sótão empoeirado. Ah, como se fosse tão simples assim arrancar amor da gente. Amor é igual cutícula. Você até arranca, mas passa um tempinho e está lá, nascendo de novo”.

Canção Praieira – O envolvimento entre dois primos, que mesmo sabendo da rejeição da homossexualidade por sua avó, lutam para manter o amor que sentem vivo.

“Esperavam que a avó dormisse antes de, em plena madrugada, correrem em disparar para a praia deserta e selvagem que elegeram como o esconderijo e ninho daquele amor recém-nascido. Como cúmplices de seus ansiados encontros apenas o amor, a areia e o céu salpicado de estrelas”. 

Sobre amores e escritores – Gostei muito deste conto, mas sou suspeito, já que adoro histórias nas quais os personagens são escritores. Uma linda história de amor, que nos surpreende pela pureza dos sentimentos e o desapego: Amor não é prisão.

“– Você tem que ir para um grande centro. Cursar uma universidade. Desbravar o mundo. Depois, pode até voltar, sem problemas. Mas para conhecer a si mesmo, é preciso primeiro ser dono do próprio nariz. Um escritor que não vive uma boa história dificilmente será capaz de criar uma. Juliano, meu jovem, literatura não tem segredo. Literatura é vida!”.

Para finalizar a resenha, o último texto do livro é homônimo ao seu título “Sabores e Dissabores de Antigos Amores”, na qual Thiago Thomazini consegue encantar o leitor com as palavras, utilizando-se de elementos da poesia, como as metáforas e rimas, nos fazendo mover pelo texto numa deliciosa dança.

Sobre o autor – Thiago Thomazini é paulista radicado no Rio de Janeiro, escritor e dramaturgo. Estreou na carreira literária em 2010, com a coletânea de contos Variáveis Vias do Desejo. Influenciado profundamente pela dinâmica narrativa do cinema, empresta a seus textos essa agilidade estrutural, apresentando contos fortes e ligeiros, de vertente acre e intimista. Sua literatura passeia entre a escrita marginal e o lirismo poético, imprimindo a cada história partes iguais de ilusão e veracidade, ambas na medida certa.

Sabores e Dissabores de Antigos Amores pode ser encontrado na loja virtual da Editora Escândalo

Comentários