Pular para o conteúdo principal

Destaques

Happy Old Year: Filme explora a linha tênue entre o desapego e a nostalgia

O filme tailandês Happy Old Year , de 2019, nos faz pensar sobre as relações que construímos com as coisas que guardamos ao longo da vida. Com direção e roteiro de Nawapol Thamrongrattanarit, a obra está disponível na Netflix. Chutimon Chuengcharoensukying interpreta Jean, uma mulher que deseja fazer um escritório em sua casa, mas se dá conta de que há uma pilha de objetos inutilizados pela casa. Interessada e inspirada pelo minimalismo, se dependesse só dela, ela colocaria tudo em sacos de lixo e jogaria fora, o que ela descreve como buracos negros, porém, à medida que ela coloca o seu plano em ação, Jean percebe que não será tão fácil como imaginava. Com a resistência da família a mudar, Jean encara de frente sua missão, doa em quem doer. O que deveria ser fácil e prático para ela, cuja necessidade é vista até mesmo como egoísmo, acaba se desdobrando em várias situações, fases e etapas conforme ela mergulha nas histórias, memórias e emoções que estão vinculadas aos objetos, especialm

Próxima Leitura: Confesse-me – Hugo Ribas

Chegou hoje o livro Confesse-me, do escritor Hugo Ribas, de 104 páginas, publicado pela Giostri Editora, em 2014. Desde já, deixo o meu agradecimento ao autor por ter me enviado um exemplar da obra para resenhar para os leitores do Blog do Ben Oliveira. Confira algumas informações sobre minha próxima leitura.
Livro Confesse-me, Hugo Ribas
Capa do livro Confesse-me, do autor Hugo Ribas.

Sinopse: Hector está à beira dos 30 anos e sempre relegou seu sonho de ser escritor em nome de "empregos estáveis" para ajudar a mãe a sustentar a casa. Em meio a uma revisão de sua vida e como chegou ao ponto em que se encontra, ele expõe ao leitor o dilema que envolve reconhecer aquilo que se é e se deseja fazer na vida, por prazer e não pela simples obrigação das contas a pagar no final de cada mês.

Texto da orelha do livro Confesse-me:

"'Estamos satisfeitos com o que somos e com o que fazemos?'. Esta é a pergunta que atormenta os pensamentos de Hector, um homem que de um dia para o outro se vê desempregado e completamente irrealizado. Ao viver um dos maiores conflitos de sua vida até então, ele se dá conta de que abafou o sonho antigo de ser escritor, em troca de uma profissão comum e respeitável, ganhar seu humilde salário e sentir-se aceito pela família, amigos e pela sociedade. Através de seus relatos sarcásticos e críticos, Hector descarrega em sua narrativa todo o seu mau humor, relembra fatos marcantes do passado e da família e, principalmente, descreve os momentos infernais que antecedem sua decisão final: escolherá, de fato, tentar a vida de escritor? Ou vai se submeter a um novo emprego qualquer e ficar de acordo com as regras patéticas da sociedade que o rodeio?". 

Sobre o autor – Hugo Ribas é criador do Blog Versos de Argila, onde publica suas crônicas e entrevistas com escritores brasileiros. Nascido em 1985, na cidade de Jundiaí (SP), mudou-se para São Paulo (SP) aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. O autor vive atualmente em Itatiba (SP).

Não deixe de curtir a página do Facebook do Versos de Argila

O livro Confesse-me pode ser comprado nos sites da Livraria Cultura e Cia dos Livros.

Confesse-me também está presente no Skoob!

Ficaram curiosos? Eu também! Não vejo a hora de iniciar a leitura!

***

Leia: Resenha do livro Confesse-me, do autor Hugo Ribas

Comentários

Mais lidas da semana