sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Resenha: A Insustentável Leveza do Ser – Milan Kundera

Sabe aquele livro que você já havia escutado os outros falando antes, mas não tinha ideia sobre o que se tratava, e de repente o encontra na livraria e sente a necessidade de comprar? Foi assim meu primeiro contato com A Insustentável Leveza do Ser, do Milan Kundera, publicado pela Companhia das Letras, em 2008, no Brasil, com tradução de Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca.


O livro foi publicado em 1982 e traduzido para mais de trinta línguas. O romance é narrado em primeira pessoa. A tentação de imaginar que Kundera é o narrador é grande, mas assim como não podemos confundir personagens com pessoas, no mundo da ficção, o narrador não é necessariamente o autor – mas alguém que nos conta a história de Tereza, Tomas, Sabina e Franz.

Dividido em sete partes, cada uma delas está subdividida em várias cenas e reflexões do narrador. As ações dos personagens não consistem somente em suas atitudes – o leitor entra em contato com os pensamentos, emoções, conflitos internos e perspectivas, sendo que os de mais peso são casal Tomas e Tereza. Milan Kundera nos ilumina com tantas verdades sobre a condição humana, que além da trama, temos a impressão de que o narrador escreve um ensaio sobre a vida diante de um período de opressão e transformações sociais, políticas e econômicas.

"Quanto mais pesado é o fardo, mais próxima da terra está nossa vida, e mais real e verdadeira ela é. Em compensação, a ausência total de fardo leva o ser humano a se tornar mais leve do que o ar, leva-o a voar, a se distanciar da terra, do ser terrestre, a se tornar semi-real, e leva seus movimentos a ser tão livres como insignificantes".

Tomas conhece Tereza após uma série de acasos. Ele a ama, mas ainda assim não consegue abrir mão da sua compulsão sexual – o médico está sempre com uma mulher diferente e entre suas amantes uma das quais ele nutre um sentimento forte está Sabina. Ele tente separar o amor sexual do amor romântico, enquanto a frágil Tereza sofre com essas traições, ao mesmo tempo ela é incapaz de ficar longe dele e se consola com seu cãozinho chamado Karenin.

Sabina não só tem um caso com Tomas, mas com Franz. Se pudesse defini-la em uma palavra, assim como o próprio narrador o faz, escolheria traição. Enquanto muitas pessoas gostam de carregar o peso dos relacionamentos, ela prefere a leveza – a insustentável leveza. Ela é uma artista que gosta da dualidade, de retratar em diferentes planos e expor o que a sociedade tenta esconder. O que ela mais gosta em Franz, além do fato de ele já ser casado, é do seu amor erótico.

"Não existe nada mais pesado que a compaixão. Mesmo nossa própria dor não é tão pesada quanto a dor co-sentida com outro, por outro, no lugar de outro, multiplicada pela imaginação, prolongada por centenas de ecos".

Milan Kundera cria contrastes interessantes entre os personagens, não só porque suas personalidades são diferentes, mas por termos acesso às suas identidades, às suas condições de existência – suas palavras-chave –, aos elementos que tocam suas almas, seja para as preencherem de luz ou a afundarem no mar de escuridão. Através de uma sobreposição de narrativas e pontos de vista, observamos as mesmas situações de maneira diacrônica.


Outro ponto interessante é a métrica do texto. Além de o leitor ser transportado pelo tempo, condenado a ver e rever as causas e consequências de cada ação, o escritor equilibra os diferentes elementos – do início ao final do romance, os personagens estão conectados.

Ao desenrolar da trama, não ficamos somente presos nas narrativas psicológicas – o narrador conta como o contexto histórico e social influencia a vida dos personagens. Numa Tchecoslováquia invadida pela Rússia, Tomas, Tereza, Sabina e Franz acabam passando por uma série de escolhas e acasos. O que cada um deles busca é a leveza do ser, a felicidade, a tentativa de sobreviver diante do peso da vida – entre os extremos, leve demais, pesado demais, os personagens principais se veem arrastados pela força do destino, dos poderes e das certezas.

"Mas o que é trair? Trair é sair da ordem. Trair é sair da ordem e partir para o desconhecido. Sabina não conhece nada mais belo do que partir para o desconhecido".

Apesar do livro A Insustentável Leveza do Ser proporcionar uma boa dose de entretenimento e reflexão, são nas últimas partes que o leitor sente o peso das palavras afundar em seu peito. Nesta mistura de ritmos, do grave e agudo, Milan Kundera conduz a narrativa como um regente de orquestra que sabe o momento certo de preparar a plateia até que esteja preparada para uma explosão de emoções. Uma verdadeira catarse para a alma.



Sobre o autor – Milan Kundera nasceu em Brno, na República Tcheca, em 1929, e emigrou para a França em 1975, onde vive como cidadão francês. Romancista e pensador de renome internacional, é autor, entre outras obras, de A insustentável leveza do ser, A brincadeira, Risíveis amores, A identidade, A ignorância, A cortina e O livro do riso e do esquecimento, publicadas no Brasil pela Companhia das Letras.

8 comentários:

  1. Falastes bem sobre esse livro no meu último contato aqui no seu blog. E num é que realmente parece muito bom?! Parabéns pela resenha!

    Saudações literárias.
    http://eaijl.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Felipe!
      Tenho certeza de que a leitura vai te transformar. Emoções, reflexões. É quase um tratado sobre a vida humana.

      Abraços! Grato pela visita e comentário :D

      Excluir
  2. Uhu, mais uma pessoa que leu A Insustentável Leveza Do Ser. Sempre fico feliz quando mais alguém foi tocado por essa obra, pois é um dos meus livros preferidos (que aliás está na hora de reler). Saudade do espírito livre que era Sabina, e de Tereza com seu apego a Karenin, que por sua natureza canina, representava a confiança, alguém que nunca a trairia. Linda resenha, Ben, espero que faça com que mais pessoas leiam essa obra prima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ronaldo! Confesso que Karenin me tocou. Desabei nos últimos capítulos. Foi lindo demais! Também espero que mais pessoas possam ler. Quero comprar outros livros do Kundera, ou pelo menos pegar na biblioteca. Vamos ver quais serão minhas próximas leituras dele.
      Grato pela visita e comentário: sempre!
      Abraços

      Excluir
  3. Oi Ben, tudo bem? Acho que já tinha ouvido falar desse livro, mas também não sabia bem do que se tratava. Acho que iria gostar bastante, já que gosto de livros que falem sobre a natureza humana e que expressam coisas sobre as quais ninguém gosta muito de falar. Adorei a sua resenha, como sempre :)
    Um grande abraço
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gih! Tenho certeza de que gostaria muito. O Milan Kundera é bem intelectual, e mesmo escrevendo sobre a natureza humana, o texto não é chato, sabe? Não é encheção de linguiça. Uma mistura de romance + reflexões. Texto bem gostoso de ler. Já li 3 livros dele. Minha meta para o ano é ler os outros.

      Obrigado pela visita! Abraços :-)

      Excluir
  4. Comigo aconteceu exatamente o mesmo, ouvia muito falar, comprei sem ter nenhuma ideia enredo e acabei gostando muito. Amei as conexões (que são incríveis em A brincadeira também), e a forma como as reflexões do autor são introduzidas. Acho que preciso ler novamente, são muitas reflexões para uma única leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ananda! Acredito que a releitura vale a pena mesmo. Morro de vontade de ler os outros livros do autor! É tão bom se conectar com histórias que nos façam questionar e refletir sobre nossas existências.
      Gratidão pela visita e pelo comentário!

      Excluir

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários Recentes

Me acompanhe no Instagram