Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

Recebi Prêmio na categoria Literatura em Apoio a Diversidade Sexual

Ontem à noite, a APOLO – Rede de Homens Gays e Bissexuais de Mato Grosso do Sul realizou a II Semana Cultural APOLO MS Sem Homofobia: Direito Nosso, Dever do Estado, no Museu de Arte Contemporânea, em Campo Grande (MS). Entre os homenageados que receberam o Troféu APOLO Amigos da Causa, eu recebi um prêmio por conta dos meus contos publicados com temática LGBT (Literatura em apoio a Diversidade Sexual) e por causa do Blog do Ben Oliveira.


Além de ter representado a literatura gay, outras personalidades do Estado também receberam seus prêmios em diversas categorias, como a jornalista Paula Maciulevicius com a reportagem “Cinco Dias Depois de Achado o Corpo, Quem Vai Chorar no Velório da Travesti?”, publicada no site de notícias Campo Grande News.  

Foi bom estar lá com meus amigos mais próximos e minha mãe. Apesar do nervosismo de ter que subir no palco para receber o prêmio e falar um pouco, foi uma noite ótima. Sem esse apoio, eu jamais continuaria escrevendo. Investir na jornada do escritor no Brasil, para quem sabe como é a realidade, não é nada fácil, principalmente se você tenta desconstruir preconceitos e escrever narrativas com personagens gays.

Como eu disse durante o evento, ainda que seja importante o rótulo Literatura Gay ou Literatura LGBT, seria importante que esses livros e narrativas fossem lidos pelo público em geral, para ajudar a diminuir a homofobia. A Literatura tem esse poder de transformar os leitores, colocá-los na pele dos personagens, questionar, provocar reflexões, estranhamentos e catarse e, finalmente, expandir mentes – embora este último seja discutível.

Na edição passada do evento, a minha crônica Fragmentos de Mim foi uma das lidas pelo ator Leandro Faria Lelo. Foi uma honra ter o reconhecimento e também sensibilizador – algo como arrancar cada uma de suas camadas, literalmente, em público.

Sobre o evento – A Semana Cultural Apolo, idealizada para provocar reflexões e estímulos positivos na sociedade sul-mato-grossense, traz nesta segunda edição o lema MS SEM HOMOFOBIA - DIREITO NOSSO, DEVER DO ESTADO, reafirmando a necessidade de medidas educacionais e legais que, a exemplo da Lei nº 3.157/2005, assegurem os valores republicanos com fins na construção de uma sociedade fraterna, pluralista, sem preconceitos e fundada na harmonia social conforme idealizou a Constituição Federal e a Declaração Universal dos Direitos Humanos no sentido da promoção de medidas progressivas para o respeito à liberdade e à diversidade.

É também um renovar da oportunidade de enaltecer os realizadores, apoiadores e suas ações em prol da temática diversidade sexual que ainda é, infelizmente, motivo de discriminação, preconceitos e violações de direitos humanos e civis. E ainda, visibilizar e valorizar as expressões artísticas produzidas por lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais sul-mato-grossenses, os quais enfrentam no dia a dia várias restrições relacionadas à sua sexualidade e/ou seu gênero.

Sobre a organização – A Rede Apolo – Rede de Homens Gays e Bissexuais de Mato Grosso do Sul tem como objetivos, mediante projetos e ações sociais, culturais e políticas, defender e promover amplamente os Direitos Humanos e, estritamente os Direitos Humanos LGBT, combatendo toda e qualquer forma de discriminação por raça, etnia, sexo, nacionalidade, classe social, convicção ou ideologia política, orientação sexual, identidade de gênero, ou religiosa.

Para saber mais sobre a APOLO, acesse o site oficial: http://www.redeapolo.org.br/.

Comentários

  1. Parabéns Ben. Que conquista e que reconhecimento. Que seu trabalho, sempre relevante, continue crescendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, querido! Esse apoio é sempre bem-vindo.
      Abraços.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana