Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Um escritor enfeitiçado pela Kerli

Fui enfeitiçado pela Kerli e já ouvi várias vezes as últimas músicas dela, especialmente Feral Hearts, Blossom e Diamond Hard. A letra e o clipe de Feral Hearts falam tanto comigo, especialmente porque falam da carreira independente dela, abandonando Los Angeles e voltando para o país dela, Estônia. Quando você se perde, precisa se reconectar com o que seu espírito.


“Você é a visão que estou procurando
Me faça lembrar o que esqueci
Me veja virar apenas um animal
Nu para nada além do que nós somos
Corações ferozes na noite
Amando como se tivéssemos sido mantidos em cativeiro” Kerli

Para quem quiser ler o texto que escrevi e publiquei aqui no blog sobre a importância da jornada independente e de não abrir mão dos próprios sonhos e projetos, especialmente quando você fecha um contrato que pode te limitar: Kerli: Expressão Artística e a Escolha pela Jornada Independente 





Comentários

Mais lidas da semana