Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Como Parar o Tempo – Matt Haig

Já imaginou quantas experiências boas e ruins alguém é capaz de viver quando sua existência dura mais do que a dos outros? No livro Como Parar o Tempo (How to Stop Time), do autor Matt Haig, o leitor é levado a conhecer as vivências de Tom Hazard, um homem que sabe muito mais do que pode contar aos outros e passa por um constante processo de reinvenção de si mesmo. A obra foi publicada no Brasil pela Editora Harper Collins, em 2017, com tradução de Carla Bitelli e Flávia Yacubian.


Compre o livro Como Parar o Tempo (Matt Haig): https://amzn.to/2H8wrsA

Segredos podem ser pesados. Tão difícil quanto carregar memórias dolorosas que o assombram constantemente, para Tom, a ideia de não poder contar para outras pessoas sobre sua verdadeira identidade é algo que o provoca desconforto. Da mesma lição já aprendida com histórias de vampiros e imortais, ter uma vida longa pode ser cobiçada por algumas pessoas, mas pode ser visto como uma maldição para outras.

Quanto tempo é muito? Se em uma vida, …

Autismo: Séries com personagens autistas entre os destaques de buscas no Google

Ame ou odeie, séries com personagens autistas, como The Good Doctor e Atypical, intencionalmente ou não, acabam ajudando a espalhar mais informações sobre autismo. Entre as consultas mais buscadas no Google nos últimos anos estão as duas séries televisivas. Termos como "série médico autismo" e "série autismo netflix" foram bastante procurados com o termo 'autismo'.


Por causa das comparações, personagens autistas nem sempre são vistos com bons olhos pela comunidade, seja por pais, familiares e/ou pessoas que são bem diferentes do que é representado, porém, aqui vale a pena lembrar que mesmo que fossem pessoas reais e não personagens ficcionais, essa representatividade não seria completa.

Com duas temporadas que fizeram sucesso e uma terceira temporada encomendada para 2019 na Netflix, Atypical não tem a pretensão de ser uma série educativa sobre autismo e nem deveria: a ficção não tem esse papel; mas ainda que não seja o propósito, muitas pessoas conhecem um pouco da realidade de pessoas no espectro autista.

Embora Sam seja o protagonista e é interessante acompanhar como ele lida com seus desafios no colégio, o que torna a série mais envolvente é saber que a série não se foca exclusivamente na condição dele, mostrando, sim, como afeta suas questões sociais, mas como qualquer outro jovem, ele tem seus desejos. O desejo de ter uma namorada e de fazer sexo ainda é um tabu para muitos quando se trata de autismo.

Sam é retratado como alguém com inteligência média e os pinguins estão entre os seus interesses especiais. A dinâmica da família e da amizade são tão interessantes de acompanhar quanto o próprio protagonista. Ao ser um pouco deixada de lado pelos pais, Casey acaba roubando a cena, se mostrando uma personagem cada vez mais complexa e com suas próprias dificuldades nem sempre consideradas.

Os próprios pais de Sam passam por seus próprios dilemas. Os limites entre a proteção e a superproteção são cruzados por Elsa, a mãe que acaba se vendo tão envolvida com as preocupações do filho que sente uma necessidade de ser notada pelos outros, de reconstruir sua identidade individual. Já o pai, Doug, sempre tão focado no trabalho, embora tenha boas intenções, nem sempre dá conta de ajudar os filhos como a mãe.

The Good Doctor acaba revelando um personagem com uma fascinante habilidade de memória. Shaun Murphy é um jovem médico que absorveu muitos conhecimentos de livros médicos e sempre tenta dar um jeito de usar as informações para encontrar respostas para os casos. Porém, como a profissão exige não só conhecimento, mas também como se comunicar de forma assertiva e empática, nem sempre Shaun consegue entregar o que é esperado dele.

Shaun que cresceu em um lar abusivo e fugiu com o irmão que posteriormente morreu, acabou se desenvolvendo bem com o apoio de seu mentor Aaron Glassman. Além dos desafios de trabalhar em um hospital, o que é interessante observar na série é que mesmo com sua inteligência, ele tem dificuldade com questões que parecem simples para os outros: aliás, é o que muitas pessoas têm dúvidas na vida real e solta comentários como “mas você é tão inteligente” – muitos têm dificuldade de diferenciar a questão intelectual dos mecanismos de interações sociais que são diferentes em autistas.

A 3ª temporada de The Good Doctor deve estrear no dia 23 de setembro de 2019 pela ABC. No Brasil, a série está sendo transmitida pelo Globoplay.

As duas séries com personagens autistas têm em comum protagonistas masculinos e brancos, ponto que ainda gera desconforto em algumas pessoas. Por incrível que pareça, estamos em 2019, mas para muitas pessoas, a ideia de que existem autistas com diferentes orientações sexuais ainda parece bem distante da mente de muitos; o mesmo ainda acontece com outros recortes sociais. Em alguns países, negros, latinos e imigrantes, por exemplo, têm muita dificuldade de conseguir um diagnóstico formal de autismo.

Eu acredito que o sucesso de Atypical e de The Good Doctor pode abrir portas para mais produções televisivas. Embora eu fique feliz com a quantidade crescente de livros escritos por autistas, por exemplo, nem todos chegam ao Brasil e são traduzidos para o português e não têm o mesmo alcance e apelo que o audiovisual tem.

Então, da mesma forma que Sam e Shaun tocaram telespectadores com suas dificuldades de relacionamentos, um em um ambiente mais escolar e o outro no trabalho – ambos sujeitos ao preconceito e precisando provar aos outros e a si mesmos que eles são capazes –, creio que as produções e roteiros têm o poder de aproximar mais pessoas com o universo do autismo, ajudando a reduzir o tabu e o estigma, promovendo reflexões sobre questões sociais e despertando a curiosidade e a empatia pela necessidade de aceitação das diferenças. Afinal, a inclusão é inevitável.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Para ficar por dentro das minhas novidades:


Facebook: https://www.facebook.com/benoliveiraautor/

Twitter: https://twitter.com/Ben_Oliveira

Instagram: https://www.instagram.com/benoliveira/

YouTube: http://www.youtube.com/c/BlogdoBenOliveira

Comentários

  1. Olá Bem, gostei muito da 1a. temporada da série Good Doctor, assisti com minha filha que quando criança apresentava características autistas, mais para o Asperger... Hoje com 18 anos não 'fecha diagnóstico' mais por ter superado e modificado muitas limitações e modo de agir que tinha, acredito que ela SEMPRE estará dentro do espectro, mesmo que seja numa 'pontinha' dele...

    Acho que a série fez um retrato bem fiel das dificuldades que um autista enfrentaria numa situação similar, neste caso, acho que ajuda sim a diminuir o preconceito e 'instruir' quem nada sabe sobre autismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sandra! Creio que ambas séries acabam servindo como informativas sobre como lidar com pessoas no espectro autista, abordando a importância de um olhar mais humano e empático para as diferenças.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana