Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Pirataria de Livros: Afeta mais escritores brasileiros do que autores internacionais

A Pirataria afeta muito mais autores brasileiros do que autores internacionais. A menos que você seja um Paulo Coelho da vida, traduzido para diferentes partes do mundo, e com tantas vendas, que não importa quantos livros seus sejam pirateados na internet – em alguns países, chegam a fazer a impressão do livro para vender, isso tudo sem passar por autor ou editora –, os direitos autorais podem fazer diferença se você vai conseguir ter recursos de continuar nesta jornada criativa ou não.

Assim como eu, muitos escritores brasileiros já tiveram suas obras circulando em grupos de redes sociais, como Facebook, e aplicativos de comunicação, como WhatsApp e Telegram. Há uma crença falsa por parte de leitores brasileiros, como se ao nos lerem, estão fazendo algum tipo de favor e nos indicando: exceto que, muitas vezes, o que é indicado é a versão pirata, não necessariamente uma recomendação de onde encontrar o livro impresso ou eBook.

A discussão não é nova. Todo ano autores brasileiros reclamam, muitas vezes, inutilmente nas redes sociais e acabam criando atrito com leitores que discordam disso. Há também aqueles que usam questões financeiras para justificar: aos que estão sem condições, muitos autores acabam presenteando de forma impressa ou digital, de forma LEGAL, e aqueles que dizem na internet muitas inverdades, como de que estão sem dinheiro, mas vivem saindo para comer e festar em lugares caros, pagando ingresso de cinema que podem ser muito mais caros do que eBook e alguns livros impressos, entre outras coisas.

Que as desigualdades sociais são gritantes no Brasil e afetam o cotidiano, todo mundo sabe ou deveria saber. Porém, partindo da premissa de que autores brasileiros – sejam independentes ou publicados por editoras tradicionais e pagas – estão consolidados de alguma forma de que eles não precisam de nenhum retorno financeiro é um erro, além de dar prejuízo para toda uma cadeia de profissionais do universo editorial, entre outros gastos, como marketing digital.

Falamos tanto sobre como a literatura desperta a empatia, mas o que vemos são muitos atos de falta de empatia. Além dos grupos e aplicativos, existem vários sites que disponibilizam cópias piratas dos livros, muitas vezes, em baixa qualidade: afinal, um livro pode passar por revisões, edições e os que estão em formato digital, muitas vezes, estão diagramados de forma a se encaixar na tela do celular, independente do tamanho do aparelho eletrônico. 

Embora seja desconfortável o papo de ‘Não pirateie livros nem compartilhe’, ele é necessário.

Eventualmente, alguns autores conquistam traduções para outros idiomas, mas precisamos lembrar que não é a realidade de todos. Também é preciso lembrar que o mesmo problema pode acontecer em outros países. Além de várias traduções, autores internacionais têm acesso maior a adaptações para outros formatos, como audiobook, séries e filmes.

Para quem mora em cidades com bibliotecas e projetos de leitura, recomendo pedir para autores independentes brasileiros que você deseja ler e editoras a doação de exemplar. É uma forma menos predatória e legal de fazer o livro passar por várias mãos, sem afetar os ganhos financeiros de um autor e permitir que ele continue produzindo. Também é bacana trocar mensagens com leitores da cidade ou cidades próximas e pedir emprestado.

Afinal, sem recursos financeiros para investir em profissionais de revisão, capa, diagramação, entre outros, por mais criativo e disciplinado que um autor seja, ele pode perder o gás. Não é raro ver gente que apostou tão alto e não tinha noção de como era o mercado de livros no Brasil, que ou abandonou sua carreira para investir só nisso e se decepcionou e teve muitos prejuízos financeiros, além de problemas emocionais, bem como aqueles que por mais que amassem escrever, decidiram por um ponto final em uma carreira que poderia seguir viva por anos, décadas. 

Leia também: Pirataria digital: Combatendo o compartilhamento ilegal de livros na internet 

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana