Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Interatividade na Web

A Web 2.0 tem como uma de suas maiores premissas a interatividade. Stefanie Carlan da Silveira, em seu artigo: "Jornalismo e interatividade na Web 2.0: a produção de conteúdo pelo público em redes digitais", acredita que esta segunda geração da Internet "está baseada no princípio da construção coletiva, no incentivo do caráter colaborativo e na valorização da participação dos sujeitos".

Seguindo este princípio da construção coletiva, os usuários têm a possibilidade de produzir seus próprios conteúdos e publicá-los na Internet, a autora acredita que desta forma, "aumenta o número de publicações produzidas por cidadãos-comuns e reduzem-se as etapas de distribuição da informação".

Exemplos de interação
  • No site de vendas da Amazon existe a possibilidade dos internautas recomendarem produtos;
  • Na Wikipedia o contéudo é criado pelos usuários de forma colaborativa;
  • Em sites como o facebook ou del.icio.us os usuários podem "registrar no site os seus links favoritos e disponibilizar essa lista para toda a web"
No jornalismo, além de muitos sites de notícias dedicarem uma sessão aos "leitores-repórteres", criação de conteúdo pelos leitores, eles também podem sugerir pautas, enviarem informações que sejam relacionadas ao tema, desde relatos a fotografias / vídeos, comentarem, responderem enquetes e debaterem os assuntos.

A interatividade é importante para a comunicação, forçando as empresas do setor a interagirem cada vez mais com o público-alvo. Observamos no cotidiano, a entrada progressiva de empresas nas redes sociais para uma maior integração com seus clientes, porém nem todas estão conseguindo utilizá-las corretamente.

O que poderia tornar-se mais um canal de comunicação, está se tornando somente mais um meio de publicação de conteúdos, muitas vezes, acontecendo de forma "robótica". E o contato que deveria ser prioridade nas redes sociais, torna-se perdido.

Referências

SILVEIRA, Stefanie Carlan da. Jornalismo e interatividade na Web 2.0: a produção de conteúdo pelo público em redes digitais
Disponível em: http://encipecom.metodista.br/mediawiki/index.php?title=Jornalismo_e_interatividade_na_web_2.0%3B_a_produ%C3%A7%C3%A3o_de_conte%C3%BAdo_pelo_p%C3%BAblico_em_redes_digitais&oldid=6069

Comentários

Mais lidas da semana