Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

Interatividade na Web

A Web 2.0 tem como uma de suas maiores premissas a interatividade. Stefanie Carlan da Silveira, em seu artigo: "Jornalismo e interatividade na Web 2.0: a produção de conteúdo pelo público em redes digitais", acredita que esta segunda geração da Internet "está baseada no princípio da construção coletiva, no incentivo do caráter colaborativo e na valorização da participação dos sujeitos".

Seguindo este princípio da construção coletiva, os usuários têm a possibilidade de produzir seus próprios conteúdos e publicá-los na Internet, a autora acredita que desta forma, "aumenta o número de publicações produzidas por cidadãos-comuns e reduzem-se as etapas de distribuição da informação".

Exemplos de interação
  • No site de vendas da Amazon existe a possibilidade dos internautas recomendarem produtos;
  • Na Wikipedia o contéudo é criado pelos usuários de forma colaborativa;
  • Em sites como o facebook ou del.icio.us os usuários podem "registrar no site os seus links favoritos e disponibilizar essa lista para toda a web"
No jornalismo, além de muitos sites de notícias dedicarem uma sessão aos "leitores-repórteres", criação de conteúdo pelos leitores, eles também podem sugerir pautas, enviarem informações que sejam relacionadas ao tema, desde relatos a fotografias / vídeos, comentarem, responderem enquetes e debaterem os assuntos.

A interatividade é importante para a comunicação, forçando as empresas do setor a interagirem cada vez mais com o público-alvo. Observamos no cotidiano, a entrada progressiva de empresas nas redes sociais para uma maior integração com seus clientes, porém nem todas estão conseguindo utilizá-las corretamente.

O que poderia tornar-se mais um canal de comunicação, está se tornando somente mais um meio de publicação de conteúdos, muitas vezes, acontecendo de forma "robótica". E o contato que deveria ser prioridade nas redes sociais, torna-se perdido.

Referências

SILVEIRA, Stefanie Carlan da. Jornalismo e interatividade na Web 2.0: a produção de conteúdo pelo público em redes digitais
Disponível em: http://encipecom.metodista.br/mediawiki/index.php?title=Jornalismo_e_interatividade_na_web_2.0%3B_a_produ%C3%A7%C3%A3o_de_conte%C3%BAdo_pelo_p%C3%BAblico_em_redes_digitais&oldid=6069

Comentários

Mais lidas da semana