Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Good Detective: Série coreana policial sobre antigo caso e a busca pela verdade

The Good Detective é uma série coreana policial que aborda um caso antigo, cujo julgamento levou à sentença de condenação de morte do acusado. Um detetive novato no departamento e um veterano se juntam para descobrir se aconteceram falhas nas investigações policiais. A série está disponível na Netflix . Com 16 episódios em sua primeira temporada, três personagens se destacam: o detetive que participou da investigação do caso, Kang Do Chang (Son Hyeon-ju) , o jovem detetive Oh Ji Hyuk (Seung-jo Jang) e a jornalista investigativa Jin Seo Kyung (Elliya Le) . Quando um novo caso de um suposto assassino confesso da filha do homem condenado ganha a atenção da mídia, muitas dúvidas pairam no ar sobre as motivações e os possíveis envolvidos, fazendo com que os detetives discretamente se aprofundassem nas investigações, mesmo sabendo que poderiam prejudicar as próprias carreiras. Kang é movido pela consciência pesada de ter sido parte do caso do condenado possivelmente inocente sofrer pena de

Internet, Um Universo Paradoxal

A Internet é paradoxal, de acordo com Pierre Levy, ela pode integrar as pessoas e contribuir com o pluralismo. Contrário a opinião do filósofo, está a do sociólogo francês, Dominique Wolton que acredita que a Internet facilitou o isolamento dos indivíduos em comunidades, pois cada vez mais as pessoas buscam somente assuntos que sejam de seu interesse.

Acreditava-se que a Internet resolveria todos os problemas, mas para Dominique Wolton: “As informações avançam rápido, já a comunicação, muito devagar. Identificamos erroneamente as técnicas de comunicação ao progresso, e esquecemos da complexidade do homem”.

Conseguimos evoluir na velocidade de difusão de conhecimento através da rede de computadores, todavia a comunicação entre os indivíduos precisa ser melhorada. Em entrevista, Wolton afirma: “a comunicação deve conviver pacificamente com as novas tecnologias”.

Pierre Levy alertou em seu texto: “A revolução contemporânea em matéria de comunicação” sobre como esta rede de computadores contribuiria com a democracia e com a circulação de conhecimentos, de certa forma, ele estava correto. Atualmente, buscam-se conteúdos facilmente, impossível comparar a outras épocas em que a internet não existia, e só conseguia-se determinada informação com profissionais da área ou através de livros, revistas e jornais. A busca era manual.

Contradizendo Levy, Dominique Wolton explica sobre a aparente democracia e a considera como uma utopia. O sociólogo francês acredita que não existe democracia sem intermediários. Apesar da internet ter aumentado a interação, ainda não existe uma democracia, pois de acordo com ele, as eleições seriam a melhor forma eliminar o que as pessoas não concordam, o que não acontece na prática.

É preciso equilibrar as opiniões dos dois autores, pois sem este balanço, acabamos enxergando a Internet através de uma ótica muito radical, polarizada (boa ou ruim).

Referências

LEVY, Pierre. “A revolução em matéria de comunicação”.

TORRES, Bolívar. “Entrevista com Dominique Wolton: A desconstrução das utopias digitais”.

Comentários

  1. Oi Ben, enfim consegui te responder...
    Estou trabalhando e até a uma semana atrás fazendo cursinho, mas desisti, dormir 3 horas por dia estava muito complicado. Mas como está você? Escrevendo bastante?
    Tem um monte de coisa nova aqui ein? Vou ler tudo. ^^
    Até mais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana