Pular para o conteúdo principal

Destaques

Stay Close: Livro do Harlan Coben adaptado para a Netflix traz minissérie com segredos e reviravoltas

Adaptação do livro homônimo escrito pelo Harlan Coben , a minissérie Stay Close (Fique Comigo) é uma ótima indicação para quem está procurando algo para maratonar na Netflix . Com direção de Daniel O'Hara e Lindy Heymann , se você gosta de séries de mistério que exploram os passados e acontecimentos dramáticos dos personagens, sem deixar de lado as cenas de ação, vale a pena conferir. Mudança de identidade e a inútil tentativa de escapar dos fantasmas do passado. Assim como em outras adaptações de histórias do autor, estão presentes elementos repletos de conflitos sociais e ambiente underground, embora o ponto forte seja despertar as emoções, cabe ao telespectador captar as críticas nas entrelinhas e refletir sobre os horrores modernos. Entre segredos e desaparecimentos, o roteiro de Stay Close é intrigante com personagens controversos, que são humanizados conforme suas histórias de vida são apresentadas. Até onde você iria para proteger sua família?  Ao mesmo tempo em que a prota

Internet, Um Universo Paradoxal

A Internet é paradoxal, de acordo com Pierre Levy, ela pode integrar as pessoas e contribuir com o pluralismo. Contrário a opinião do filósofo, está a do sociólogo francês, Dominique Wolton que acredita que a Internet facilitou o isolamento dos indivíduos em comunidades, pois cada vez mais as pessoas buscam somente assuntos que sejam de seu interesse.

Acreditava-se que a Internet resolveria todos os problemas, mas para Dominique Wolton: “As informações avançam rápido, já a comunicação, muito devagar. Identificamos erroneamente as técnicas de comunicação ao progresso, e esquecemos da complexidade do homem”.

Conseguimos evoluir na velocidade de difusão de conhecimento através da rede de computadores, todavia a comunicação entre os indivíduos precisa ser melhorada. Em entrevista, Wolton afirma: “a comunicação deve conviver pacificamente com as novas tecnologias”.

Pierre Levy alertou em seu texto: “A revolução contemporânea em matéria de comunicação” sobre como esta rede de computadores contribuiria com a democracia e com a circulação de conhecimentos, de certa forma, ele estava correto. Atualmente, buscam-se conteúdos facilmente, impossível comparar a outras épocas em que a internet não existia, e só conseguia-se determinada informação com profissionais da área ou através de livros, revistas e jornais. A busca era manual.

Contradizendo Levy, Dominique Wolton explica sobre a aparente democracia e a considera como uma utopia. O sociólogo francês acredita que não existe democracia sem intermediários. Apesar da internet ter aumentado a interação, ainda não existe uma democracia, pois de acordo com ele, as eleições seriam a melhor forma eliminar o que as pessoas não concordam, o que não acontece na prática.

É preciso equilibrar as opiniões dos dois autores, pois sem este balanço, acabamos enxergando a Internet através de uma ótica muito radical, polarizada (boa ou ruim).

Referências

LEVY, Pierre. “A revolução em matéria de comunicação”.

TORRES, Bolívar. “Entrevista com Dominique Wolton: A desconstrução das utopias digitais”.

Comentários

  1. Oi Ben, enfim consegui te responder...
    Estou trabalhando e até a uma semana atrás fazendo cursinho, mas desisti, dormir 3 horas por dia estava muito complicado. Mas como está você? Escrevendo bastante?
    Tem um monte de coisa nova aqui ein? Vou ler tudo. ^^
    Até mais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana