Pular para o conteúdo principal

Destaques

Marcel Proust e sua devoção pelos livros

Para o escritor francês Marcel Proust, a relação com os livros era como uma amizade. Enquanto algumas pessoas veem a leitura como perda de tempo, para o autor, era exatamente o contrário; sua infância foi vivida de forma plena na companhia dos seus livros preferidos.

Encontre o livro Sobre a Leitura (Marcel Proust): https://amzn.to/2qRG6LE

"Enquanto a leitura for para nós a iniciadora cujas chaves mágicas abrem no fundo de nós mesmos a porta de moradas em que não conseguiríamos penetrar, seu papel em nossa vida será salutar"– Marcel Proust, Sobre a Leitura
Sobre a Leitura é um livro que traz um prefácio de Marcel Proust escrito para o livro Sésame et les Lyz, do escritor e crítico de arte britânico John Ruskin, em 1905, além de trazer uma entrevista com Céleste Albaret para a jornalista Sonia Nolasco-Ferreira, publicada originalmente na revista 80, em 1983. Céleste cuidou do escritor e sua casa durante dez anos, até sua morte. No Brasil, a obra foi publicada pela L&PM Pock…

Imprensa Brasileira: Censura desde os primórdios

Correio Braziliense - Primeiro jornal brasileiro
Para entender a importância da democracia para o jornalismo no Brasil é preciso voltar um pouco no tempo em uma época em que a liberdade de imprensa era ora inexiste, ora marcada por uma série de represálias.


No texto produzido pela Associação Nacional de Jornais (ANJ) “Imprensa Brasileira – Dois séculos de História” é relatada a história da imprensa brasileira, desde 1808, com o seu nascimento tardio até as dificuldades e limitações encontradas em fases repressivas como a da Era Vargas (1930-1945) e dos Governos Militares (1964-1984) que afetaram o desenvolvimento da atividade jornalística no Brasil.

A história do jornalismo brasileiro está relacionada à democracia desde o seu início, em que o jornal Correio Braziliense, por exemplo, que era produzido por Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça, lançado em 1808, era uma publicação livre de censura e escrita em língua portuguesa. Todavia, é preciso ressaltar alguns fatos, como o preço, o excesso de analfabetismo no Brasil e o fato dele ter sido editado em Londres, uma forma de burlar a censura. Também conhecido como Armazém Literário, o jornal foi publicado até dezembro de 1822. Um outro destaque do Correio Braziliense é que ele era feito para o público brasileiro e não para os europeus e estrangeiros que se mudavam para o país em busca de negociações e estabelecimento.

A corte real portuguesa influenciava bastante na censura dos jornais. Somente em 1824 o imperador D. Pedro I outorgou a primeira constituição brasileira e estabeleceu a liberdade de imprensa, porém com limitações, de forma que fosse possível algumas restrições e represálias. Para se ter noção de como a repressão era forte neste período, no texto são citados diversos homens que morreram por causa da falta de liberdade de imprensa.

[Continua...]

Leia também:

Imprensa Brasileira: Autoritarismo e ausência de liberdade de imprensa

Imprensa Brasileira: Repressão e tortura aos jornalistas



Regimes democráticos e imprensa

Comentários

Mais lidas da semana