Pular para o conteúdo principal

Destaques

Para Toda a Eternidade: Livro explora rituais funerários diversos

Entre a naturalidade e o espanto, o tradicional e o moderno, o ocidental e o oriental, Caitlin Doughty transmite ao leitor histórias de suas visitas a espaços e profissionais envolvidos com o universo mortuário. Uma das obras pedidas por quem já tinha lido Confissões do Crematório, o novo livro foi publicado no Brasil pela editora DarkSide Books, em junho de 2019, com tradução de Regiane Winarski e ilustrações de Landis Blair.


Compre o livro Para Toda a Eternidade (Caitlin Doughty): https://amzn.to/2R2FwqN

“Eu passei a acreditar que os méritos de um costume relacionados à morte não são baseados em matemática [...] mas em emoções, numa crença na nobreza única da própria cultura da pessoa. Isso quer dizer que consideramos os rituais de morte selvagens apenas quando eles não são como os nossos” – Caitlin Doughty, Para Toda a Eternidade
Dá para ler tranquilamente Para Toda a Eternidade sem ter lido Confissões do Crematório, mas acredito que as duas leituras são complementares. Enquanto na p…

A Delicadeza do Amor

Texto: Ben Oliveira

A Delicadeza do Amor ou La Délicatesse (título original) é um filme francês de comédia romântica, lançado em 2011, dirigido por David Foenkinos e Stéphane Foenkinos e estrelado por Audrey Tautou, François Damiens  e Bruno Todeschini.

Quem já assistiu algum filme francês antes, percebe que suas comédias românticas estão mais para comédias dramáticas. Diferentes dos filmes norte-americanos do gênero, na qual o lucro é priorizado, os roteiros são óbvios, os atores bonitos, a trilha sonora é clichê, em A Delicadeza do Amor é possível perceber o cuidado com cada um destes elementos cinematográficos. Além é claro, das produções européias priorizarem a reflexão.

Como não entendo muito de cinema e mais de texto, vou me ater ao roteiro. O enredo do filme está recheado com diferentes sensações e pensamentos, deixando cada minuto uma delícia de assistir, fugindo do padrão Hollywoodiano. Monólogos, estranhamentos, fluxo de consciência e suspense.

A personagem interpretada por Audrey Tautou, Nathalie conhece o seu marido em uma cafeteria, na qual ele, François (interpretado por Pio Marmaï) fica tentando adivinhar o que ela vai pedir. O rapaz acredita que se ela pedir suco de damasco, os dois vão ficarem juntos.

O relacionamento entre Nathalie e François parece ser perfeito. Desde o primeiro dia em que se conheceram os dois se deram bem. O namoro e o futuro casamento beiram ao utópico: os dias passam rápidos, os pais deles se dão bem, entre outras situações que apontam a falta de problemas entre o casal.

Nathalie arranja um novo emprego. O chefe dela, Charles (interpretado por Bruno Todeschini) está sempre dando em cima da funcionário, mesmo sendo casado e ela não demonstrando nenhum interesse por ele.

Certo dia, Nathalie está lendo um livro, enquanto o seu marido François sai para correr. Depois de adormecer, ela acorda com uma ligação avisando que o homem estava no hospital. O marido de Nathalie morre em um acidente. Depois do enterro e dos dias de luto, a mulher decide voltar ao trabalho, mesmo tendo mais alguns dias de licença.

Por mais de três anos, Nathalie foca toda a sua energia no trabalho, consegue diversas promoções e se esquece de continuar vivendo sua vida. Depois de ouvir um comentário crítico, em transe, a mulher beija outro funcionário da empresa, Markus. Dando início a um relacionamento sinistro, o qual ela decide dar uma chance.

Quando finalmente os dois estão felizes, todos estranham aquele relacionamento por causa da aparência de Markus e julgam Nathalie. Assim é A Delicadeza do Amor, um filme sobre recomeçar, no qual prevalecem as atitudes e sentimentos.


Comentários

Mais lidas da semana