Pular para o conteúdo principal

Destaques

Neurodiversidade: Autismo não só biológico ou só identidade social

A Neurodiversidade dá um tiro no pé ao tratar o autismo como algo meramente social (identidade social), ignorando as particularidades neurobiológicas de CADA autista. Mas o extremismo científico também erra ao ver como algo meramente biológico, ou até mesmo patológico.


O ideal seria ver o melhor dos dois mundos, algo impossível diante da polarização. Todo mundo sai perdendo.

É utopia esperar que a sociedade vá se adequar completamente aos autistas, especialmente porque cada autista pode ser completamente diferente do outro. O ambiente adaptado para um autista, é o ambiente desadaptado para o outro – isso entre os próprios autistas.

Enquanto as pessoas continuarem tratando o autismo como algo 'universal', ignorando as especificidades, esse debate não vai para frente.

O Asperger que não precisa interagir com os outros, não precisa trabalhar, não precisa fazer nada que o tire da zona de conforto, talvez não sinta muita dificuldade em viver em um mundo não adaptado. Mas não é a re…

A Delicadeza do Amor

Texto: Ben Oliveira

A Delicadeza do Amor ou La Délicatesse (título original) é um filme francês de comédia romântica, lançado em 2011, dirigido por David Foenkinos e Stéphane Foenkinos e estrelado por Audrey Tautou, François Damiens  e Bruno Todeschini.

Quem já assistiu algum filme francês antes, percebe que suas comédias românticas estão mais para comédias dramáticas. Diferentes dos filmes norte-americanos do gênero, na qual o lucro é priorizado, os roteiros são óbvios, os atores bonitos, a trilha sonora é clichê, em A Delicadeza do Amor é possível perceber o cuidado com cada um destes elementos cinematográficos. Além é claro, das produções européias priorizarem a reflexão.

Como não entendo muito de cinema e mais de texto, vou me ater ao roteiro. O enredo do filme está recheado com diferentes sensações e pensamentos, deixando cada minuto uma delícia de assistir, fugindo do padrão Hollywoodiano. Monólogos, estranhamentos, fluxo de consciência e suspense.

A personagem interpretada por Audrey Tautou, Nathalie conhece o seu marido em uma cafeteria, na qual ele, François (interpretado por Pio Marmaï) fica tentando adivinhar o que ela vai pedir. O rapaz acredita que se ela pedir suco de damasco, os dois vão ficarem juntos.

O relacionamento entre Nathalie e François parece ser perfeito. Desde o primeiro dia em que se conheceram os dois se deram bem. O namoro e o futuro casamento beiram ao utópico: os dias passam rápidos, os pais deles se dão bem, entre outras situações que apontam a falta de problemas entre o casal.

Nathalie arranja um novo emprego. O chefe dela, Charles (interpretado por Bruno Todeschini) está sempre dando em cima da funcionário, mesmo sendo casado e ela não demonstrando nenhum interesse por ele.

Certo dia, Nathalie está lendo um livro, enquanto o seu marido François sai para correr. Depois de adormecer, ela acorda com uma ligação avisando que o homem estava no hospital. O marido de Nathalie morre em um acidente. Depois do enterro e dos dias de luto, a mulher decide voltar ao trabalho, mesmo tendo mais alguns dias de licença.

Por mais de três anos, Nathalie foca toda a sua energia no trabalho, consegue diversas promoções e se esquece de continuar vivendo sua vida. Depois de ouvir um comentário crítico, em transe, a mulher beija outro funcionário da empresa, Markus. Dando início a um relacionamento sinistro, o qual ela decide dar uma chance.

Quando finalmente os dois estão felizes, todos estranham aquele relacionamento por causa da aparência de Markus e julgam Nathalie. Assim é A Delicadeza do Amor, um filme sobre recomeçar, no qual prevalecem as atitudes e sentimentos.


Comentários

Mais lidas da semana