terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Resenha À Procura da Felicidade - Chris Gardner


Texto: Ben Oliveira

Escrito pelo norte-americano Chris Gardner, À Procura da Felicidade (Editora Novo Conceito) é um livro baseado em fatos reais e autobiográficos, no qual o autor relata alguns momentos de sua vida em que ele enfrentou o preconceito por conta da cor da sua pele e uma série de dificuldades.


Para entender a história do homem, Chris começa narrando um pouco do que aconteceu a sua mãe. A mãe não tinha apoio dos pais para seguir os seus sonhos e foi mandada para fora de casa após descobrirem que ela estava grávida. Mesmo com um passado triste, a mulher sempre incentivou o filho a buscar a felicidade e o conhecimento, ensinando para o rapaz a importância dos livros.

"O lugar mais perigoso do mundo é uma biblioteca pública" - trecho em que a mãe de Chris Gardner comenta que aqueles que sabem ler, podem pesquisar sobre qualquer assunto.

Além de ter que se virar, a mulher morava com um homem que sempre a agradecia verbalmente e fisicamente. Ignorante, o homem odiava pessoas que tinham mais conhecimento que ele e sabiam ler. No livro são narrados diversos episódios em que o padrasto batia na mulher e em seus filhos, fazendo com que Chris buscasse a vingança por um longo período da sua vida. O jovem odiava ver sua mãe impotente e acabou ficando inerte quando não sabia lidar com alguns problemas.

Após a mulher ser presa graças ao padrasto de Chris, o jovem teve que morar com os seus tios, onde passou algum tempo sem entender onde a mãe estava. Quando adolescente, Chris se envolveu em encrencas, mas também foi nesta mesma época em que adquiriu em alguns conhecimentos com seu tio e vontade de viajar, o que acabou o levando a se juntar à Marinha.

Com o passar dos anos, Chris Gardner percebeu que não realizaria o seu sonho dentro da Marinha. Durante o seu serviço trabalhou como paramédico e mesmo depois de deixar as Forças Armadas, o homem continuou trabalhando como assistente de um médico e auxiliando em seus projetos de pesquisa. O salário era baixo, mas o rapaz gostava do que fazia, sonhando que algum dia poderia cursar a universidade e poder atuar como médico. Desestimulado, Chris acabou desistindo de seguir a carreira médica.

O jovem namorava à distância com uma mulher e quando cansou-se da solidão, acabou pedindo a moça em casamento. Ela também era negra, porém tinha uma história e vida diferentes em relação ao seu marido. Enquanto o jovem lutou com a pobreza, agressão e preconceito em sua infância e adolescência, a mulher veio de um mundo diferente. O casamento não deu certo por diversas razões, como o desejo de Gardner por outras mulheres, o relacionamento estar frio, suas diferenças e a idealização da mulher que imaginava Gardner como médico, mas o mesmo acabou desistindo.

Em seguida, vieram outras namoradas. Uma delas tornou-se a mãe do filho de Chris, levando os dois a morarem juntos. As brigas sobre a necessidade do homem buscar um emprego melhor continuaram até o dia em que os dois desentenderam e Gardner foi para a cadeia acusado de agredir a mulher. Mesmo desistindo de prestar queixa por causa da mentira, a mulher impediu Chris de ver o seu filho.

O rapaz trabalhou como representante de vendas de uma companhia de equipamentos e suprimentos médicos, mas o salário ainda não era suficiente para sustentar si mesmo e o filho. Depois deste emprego, o homem consegue entrar como trainee em uma empresa de corretores até finalmente ser selecionado para entrar. Neste período relatado pelo autor, a mulher deixou o filho com ele e foi se concentrar na própria carreira.

Sem lar, Chris Gardner e seu filho carregavam um carrinho de compras de um lado para o outro, onde deixavam suas coisas. Novamente o homem enfrentou diversas situações difíceis, como não ter dinheiro para pagar a creche, levar o filho para o seu trabalho, ter que dormir em albergues para desabrigas, banheiros e até mesmo no próprio trabalho sem ninguém perceber.

Mesmo com momentos de miséria e fome, o rapaz conseguiu se destacar na empresa por conta do seu esforço. Depois de um tempo, Gardner alugou uma casa, pagar uma creche para o filho e melhorar sua qualidade de vida. Foi somente quando mudou para outra corretora com clientes selecionados que Chris Gardner conseguiu lucrar como nunca tinha.

A felicidade encontra o caminho de Gardner. O homem fica tão rico que consegue abrir sua própria empresa e trabalhar com causas voltadas para os negros, além de ajudar a igreja responsável por fornecer abrigo para os desempregados e desabrigados. Chris Gardner tem outra filha com a mesma mulher, mas não ficaram juntos. O homem consegue bancar estudo, casa e uma vida melhor, conquistar seus sonhos e até mesmo se encontrar com Nelson Mandela.

Por ser um livro autobiográfico, a história não deixa de ser emocionante ao acompanhar todo o sofrimento e desenvolvimento de um jovem negro para sobreviver e buscar uma vida melhor para o seu filho, mas também é maçante. A leitura não flui, e se traz alguns detalhes e momentos históricos e culturais interessantes, também traz muitas informações entediantes que deixam o texto cansativo.

Mais do que uma história digna de cinema e muito bem produzida, como é possível acompanhar no filme homônimo estrelado por Will Smith e seu filho, Jaden Smith, à Procura da Felicidade traz não só lições sobre os altos e baixos da vida de um homem, dificuldades, persistência, família, amizades e empregos, mas também os preconceitos enfrentados pelo negro durante esta época, em um momento histórico de transformações culturais e sociais, como os avanços dos direitos civis e a revolução sexual.

Assim como os livros ajudaram bastante o autor, acredito que a leitura seja fundamental para qualquer um. Finalizo o texto com um trecho do livro: “Os livros me permitiam não apenas viajar em minha imaginação como também ver através de janelas o mundo do desconhecido e não ter medo”.

10 comentários:

  1. qual é o nome da ex esposa de chris gardner,mãe de seu filho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estrela, o nome da mãe do filho dele é Jackie!

      Excluir
  2. E o que acontece com a ex esposa e os filhos dele?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, anônimo! A resposta para esta pergunta, sinceramente, eu também não sei responder. Creio que é algo que só saberemos se algum dia o autor vier a lançar uma continuação. É a mesma sensação que temos ao ler um bom livro de ficção e ficamos curiosos para saber o que acontecerá ao personagem, com o diferencial de que esta obra foi baseada em fatos reais!

      Abraços e obrigado pelo comentário ;-)

      Excluir
  3. Tenho muita vontade de ler esse livro, vi o filme e é uma das melhores histórias que tive o prazer de ver retratada nas telonas!

    Dna Bookz / Fan page / Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, DNA! Confesso, este é um daqueles casos onde o filme é melhor do que o livro. Como o livro foi baseado em fatos reais, é uma espécie de autobiografia, ele não tem só os elementos que podem nos emocionar e prender o leitor. Algumas partes são entediantes. Vale a pena ler, mas o filme por ter um roteiro com a intenção de entreter e emocionar, consegue ser melhor.

      Abraços. Obrigado por sua visita!

      Excluir
  4. Muito boa a sua descrição sobre a obra... Estou fazendo um trabalho da faculdade, e tenho que escolher um livro, para fazer a resenha.. Já comecei a ler esse livro, mas infelizmente não terminei... Estou pensando seriamente em escolher este, já que apresenta uma história fantástica e emocionante, e ainda mais, por ser baseada em fatos reais.
    O próximo é Sete Vidas, que com certeza, será marcante para mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helem!

      Fico muito feliz que tenha se animado a escolher À Procura da Felicidade para resenhar. Em alguns momentos a leitura pode ficar maçante, é muita informação que não foi 'editada', por ser baseada em fatos reais – falta aquela dose de ficção que amarra as pontas soltas e sabe conduzir o leitor –, mas vale a pena. Por ser autobiográfica, acaba nos inspirando.

      Abraços. Obrigado por sua visita! Volte sempre :D

      Excluir
  5. O Gardner real é bem safado e pobreza não justifica.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários Recentes

Me acompanhe no Instagram