Pular para o conteúdo principal

Destaques

Rede Sombria: Documentários sobre o lado tenebroso da tecnologia

Tecnologia, poder e controle. Se você gosta de Black Mirror e outras histórias de ficção científica, sem dúvidas vai se interessar pela série de documentários Rede Sombria (Dark Net), criada por Mati Kochavi para o canal Showtime, disponível no momento no catálogo da Netflix Brasil.


A série de duas temporadas e um total de 16 episódios aborda diferentes maneiras que a tecnologia foi/será incorporada no nosso dia a dia e quais são/serão seus impactos positivos e negativos e o lado sombrio do universo digital.

Privacidade, polarização, redes sociais, reconhecimento facial, inteligência artificial, relacionamentos virtuais, biohackeamento, crimes cibernéticos, moderadores de conteúdos da internet, abusos policiais, lavagem cerebral, segurança, realidade virtual, entre outros assuntos são discutidos em Rede Sombria.

Ao mesmo tempo em que a internet e a tecnologia podem ser ótimas ferramentas, nas mãos de pessoas mal-intencionadas muitas questões éticas e criminais ainda devem ser discutid…

Oficina para Contadores de Histórias é oferecida no Proler Campo Grande (MS)

Dentro da Biblioteca Pública Estadual Dr. Isaías Paim, localizada no segundo andar do Memorial da Cultura de Campo Grande (MS), acadêmicos, bibliotecários e contadores de histórias se reuniram na noite desta quarta-feira, 25 de setembro, para participarem da oficina Contação de Histórias Mediadas pela Tecnologia, ministrada pela Profa. Dra. Arlinda Canteiro Dorsa, Doutora em Língua Portuguesa pela PUC São Paulo e pela Profa. Ma. Neli Porto Soares Betoni Escobar Naban, professora da UCDB e Mestra em Linguística pela UnB. A oficina faz parte da programação do 14º Proler – Encontro do Programa do Livro e da Leitura – de Campo Grande (MS).

Mesmo com tecnologias, professoras lembraram a importância do livro e de se saber contar histórias. Foto: Ben Oliveira.

As professores lembraram que o livro e o papel também são uma tecnologia e através da utilização de recursos é possível tornar o ato de contar histórias mais interessantes e interativos para as crianças e jovens. Os participantes da oficina foram estimulados a pensarem em experiências de vida e lembranças, um exercício para se contar histórias chamado Baú de Ideias. Segundo as docentes, o projeto foi realizado com indígenas e foi possível perceber o quanto os professores na aldeia são valorizados.

Com as novas tecnologias, as docentes afirmaram que é necessário uma nova postura dos professores e dos alunos em relação à leitura digital. Uma das vantagens da tecnologia, por exemplo, é a disponibilização de livros eletrônicos gratuitos que podem ser acessados pelos alunos e professores. Para Arlinda Canteiro e Neli Porto, os meios de comunicação virtual devem ser explorados dentro e fora da escola na busca da formação de um leitor eficiente. “O acesso às novas tecnologias amplia o horizonte, porém é necessário que o leitor seja um leitor proeficiente que seja capaz de estabelecer o uso simultâneo de múltiplos códigos”, explicam.

“Como se tornar um leitor proeficiente?”, questionaram as professoras. Arlinda e Neli citaram o pesquisador Antonio Carlos Xavier e disseram que a ferramenta tecnológica pode ser usada com eficiência, ajudando no letramento digital, sendo fundamental saber interpretar, filtrar, selecionar, avaliar e transformar as informações em capital cultural. Xavier define o letramento digital como: “Mudanças nos modos de ler e escrever os códigos e sinais verbais e não-verbais, como imagens e desenhos, se compararmos às formas de leitura e escrita feitas no livro, até porque o suporte sobre o qual estão os textos digitais é a tela, também digital”.

Neli Porto orientou aos acadêmicos e contadores de estórias conhecerem bons autores e explorarem os seus textos, encontrando recursos que criem empatia com os leitores. “O maior recurso que a gente tem é a voz”, acredita Neli Porto. Para a professora, a voz é importante e alguns elementos são fundamentais para que a plateia entenda o que está sendo dito e absorva a mensagem, como o volume, a tonalidade, a dicção e o vocabulário.

Neli Porto ensinou como os contadores de histórias devem usar a voz para cativar leitores novos. Foto: Ben Oliveira.

O volume da voz e a dicção contribuem para o entendimento da mensagem. Neli Porto comentou alguns dos erros de dicção, como a troca de uma letra por outra, pronúncias incorretas e a velocidade. “O narrador deve ter a consciência de que não está à mesma distância das pessoas do que quando está conversando informalmente”, ensina. Entre outros cuidados comentados pela professora estão: não falar alto demais e gritar, falar muito baixo, não usar microfone, estudar o ambiente em que será contada a história, analisando o tamanho da sala, a distância entre o narrador e a plateia, a acústica da sala e os ruídos externos.

Durante a oficina, os alunos e profissionais realizaram dinâmicas, como a análise de obras infantis, para encontrar maneiras de tornar a arte de contar histórias mais envolventes, adequando o tom de voz e utilizando elementos visuais.

Leia também: O Livro na Era Digital e o incentivo à leitura são destaques do 14º PROLER de Campo Grande (MS) 

Comentários

Mais lidas da semana