Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

Diversidade Cultural LGBT: Crônica, Curtas-Metragens e Debates

O que dizer sobre a noite desta quarta-feira? Neste dia 7 de maio, no Museu da Imagem e do Som, localizado na Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande (MS), foi a primeira vez em que ouvi um texto meu sendo lido por outra pessoa. O ator Leandro Faria leu a minha crônica “Fragmentos de Mim” e foi emocionante. Fica o meu agradecimento aos membros da Rede Apolo, em especial ao David Andrade e Júlio Valcanaia pela oportunidade de ver o meu trabalho sendo lido no terceiro dia da Semana Apolo da Diversidade Cultural LGBT.


A leitura da minha crônica deu início a programação da terceira noite da Semana da Diversidade Cultural, promovida pela Rede Apolo. Em seguida, aconteceu a exibição de dois curtas-metragens que propõem uma reflexão interessante sobre a questão dos gêneros e da identidade sexual, voltado para a educação. “Isso é de Menina ou de Menino?” e “Rosa-azul no Reino do Arco-íris” foram produzidos em Mato Grosso do Sul, pela professora Doutora Tina Xavier, do Departamento de Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Na exibição dos curtas-metragens foi possível perceber algumas das mensagens e preconceitos transmitidos para as crianças pelos adultos, seja em casa ou em muitos colégios, como “chorar é coisa de menina” e “rosa é cor de menina”.

Mesa  propôs a reflexão sobre o preconceito contra gays, lésbicas,
travestis e transexuais. Foto: Ben Oliveira.

Durante a noite Flávia Jallad, a representante lésbica na Mesa dos Sujeitos LGBT falou sobre a violência sofrida pelas mulheres e lésbicas. Além das mulheres heterossexuais que são vítimas da violência doméstica e sexual, a jovem falou sobre o estupro corretivo sofrido pelas lésbicas, em que os homens violam as homossexuais por causa de ódio e preconceito.

Em seguida, o sociólogo André Luiz Martins representando os gays na mesa abordou a homossexualidade no Brasil, sem ser tão otimista, dizendo que a questão do preconceito contra homossexuais está além da educação, que é preciso uma transformação maior no país.

Representante da Associação das Travestis e Transexuais de Mato Grosso do Sul, Hellen Kadory falou que se identificou com algumas mensagens transmitidas nos curtas-metragens. Ela também compartilhou um pouco sobre suas experiências ao longo da vida e disse que não é fácil a vida do transgênero, que enfrenta preconceito desde que se descobre até a vida adulta, muitas vezes ficando fora do mercado de trabalho convencional, se envolvendo com violência, drogas e prostituição. Outro ponto levantado foi o problema com os documentos e o nome social, que causa sofrimento quando o indivíduo não é chamado pelo nome que se identifica, mas pelo qual está registrado no papel, causando situações constrangedoras.

O último da Mesa de Sujeitos LGBT a se pronunciar foi o homem trans, Brandon Kaanad que compartilhou uma alegria com os presentes. Ele se formou em Filosofia e foi aprovado em um concurso para professores e espera poder ajudar a mudar o cenário de preconceito. Breno contou que muitas coisas se tornam dolorosas para os trans, como na hora de mostrar os documentos e ser identificado por um nome que não os representam.

É uma pena ver que o local não estava lotado. É triste ver que Campo Grande (MS) recebe poucos eventos voltados para o público de gays, lésbicas, travestis e transexuais e quando é realizado, muitos não aproveitam a oportunidade. Mais do que uma maneira de expor o trabalho dos artistas LGBT de Mato Grosso do Sul, a Semana da Diversidade Cultural LGBT também possibilita o debate e as reflexões sobre o preconceito.

O Diretor Presidente da Rede Apolo, David Andrade e o Advogado e Presidente da Comissão de Diversidade Sexual da OAB/MS, Júlio Valcanaia comentaram no evento a importância da participação, pois a educação pode ser contribuída por cada cidadão.

Ao final do evento, aconteceram o sorteio de dois exemplares do livro Homossilábicas 3 – a coletânea de contos com temática gay, da Editora Escândalo, na qual eu participo com o conto Transformações do Amor e exemplares do livro O Mundo dos Bonecos de Papel, do autor Andrei Moreira.

Última noite

Nesta quinta-feira, 08 de maio, às 19h, acontece o último dia da Semana Apolo da Diversidade Cultural LGBT. A programação da noite inclui o desfile de moda e sarau da diversidade, no Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul (MARCO). Do desfile participarão produções exclusivas de criadores e estilistas LGBT, apresentadas por modelos gays, lésbicas, travestis e transexuais.

A Apresentação da noite será feita pela caricata Andréia Mocréia, participações especiais do Stúdio Vespa, Edson Almeia (Alameda Store), Departamento de Moda da Uniderp e DJ Deko. O encerramento musical fica por conta da Marina Dalla.

Para acompanhar as fotos, informações e ficar por dentro das ações realizadas pela Rede Apolo, fique de olho no site oficial: http://www.redeapolo.org.br/.

Comentários

Mais lidas da semana