Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Resenha: Urânios – Roberto Muniz Dias

Urânios, do escritor Roberto Muniz Dias, é um romance que aborda o poliamor, o relacionamento entre três homens, através da visão do terceiro elemento, um artista que está tentando se reencontrar e entender o que aconteceu. O livro, de 104 páginas, foi publicado em 2014, pela Metanoia Editora, e a ilustração da capa foi feita pelo próprio autor.

Capa do livro Urânios, do escritor Roberto Muniz Dias

Desde as primeiras linhas do livro, o leitor é fisgado pela narrativa. Uma dose de reflexão, outra de fantasia, juntando com as descobertas do prazer e de um amor diferente aos olhos da sociedade. Nestes relatos fragmentados, através dos quais vemos diferentes momentos da vida dos personagens: quando estão juntos ou em camas separadas; O protagonista se pergunta o que pode acrescentar a vida dos dois homens gays, e é inundado pelas incertezas e desencontros.

“Este é um relato de amor e morte, mas nada póstumo porque tudo já estava morto: o amor, o tempo e a identidade. Então, não são memórias póstumas. São as memórias do que estava morrendo”. 

É interessante notar a influência que a mitologia grega tem nas histórias escritas por Roberto Muniz Dias. Em Urânios não poderia ser diferente. Quem é que não se lembra das Greias, as três irmãs de cabelos grisalhos que compartilhavam um olho entre si, passando de mão em mão? No prólogo do livro, o narrador compartilha com o leitor qual era a relação entre o seu poliamor e essas figuras da mitologia:

“Lá estávamos os três. Um olho apenas era dividido. Um olho apenas circulava por nossas mãos para que pudéssemos enxergar em nossas órbitas. Por isso nossas experiências eram baseadas em confiança”.

O que era uma experiência maravilhosa, ao longo das páginas vai se tornando desconcertante, confuso, complicado. Como pode o amor entre três homens homossexuais dar certo? O relacionamento a dois já não é, por si só, difícil o suficiente para administrar? O personagem vai se sentindo não só consumido pelos próprios medos e inseguranças, como também pelo gasto de energias para manter aquele poliamor vivo. O equilíbrio se perde e ele se vê desorientado entre os dois, se transformando num objeto de competição pela atenção, pelo afeto, pelo sexo.

Outro ponto interessante na obra é o diálogo entre a capa do livro e a história. Mais do que um elemento que pode contribuir para a venda da obra, por sua beleza e originalidade, a ilustração, além de ter sido feita pelo autor, é a mesma pintada pelo personagem-narrador. O galo colorido que lembra muito um pavão com suas cores, nos faz refletir sobre as marcas do ego, a beleza da paixão e a ilusão da estética.

“Eles eram tão afetuosos entre si, tão atenciosos. Como poderia ainda haver espaço para outra pessoa? Perguntava-me, o que ainda faltava neles? Que buracos existenciais aquelas almas ainda necessitavam preencher?”.

São nas recordações e percepções sobre a própria vida que o personagem vai descobrindo mais a si mesmo. A soma se converte em subtração; A multiplicação em divisão. E o que sobre da morte do amor poligâmico? São as obras de arte produzidas pelo personagem, como o galo e um poema, as palavras rabiscadas do passado e o vazio.

Recomendo a leitura para quem deseja vivenciar nas páginas um pouco da poligamia, possibilitando a reflexão sobre outras perspectivas do amor. Mesmo em diferentes configurações e estruturações, os relacionamentos humanos compartilham do mesmo paradoxo entre a criação e a destruição; sentir-se vivo e sentir-se morto; liberdade e prisão.

Trecho do livro Urânios, do escritor Roberto Muniz Dias

Sobre o autor – Roberto Muniz Dias, romancista, contista, poeta e artista plástico. Formado em Letras e Direito. Esse escritor de Teresina, Piauí, começou nas artes ainda na adolescência, escrevendo diários e desenhando croquis. Autor dos livros Adeus a Aleto, Um Buquê Improvisado, Urânios e O Príncipe, o mocinho e o herói podem ser gays. Visite o site do escritor: http://robertomunizdias.com.br/.

Aos interessados, o livro Urânios (Roberto Muniz Dias) pode ser encontrado no site da Metanoia Editora!

Comentários

Mais lidas da semana