Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dia do Orgulho Autista: Amor próprio e autoaceitação das diferenças

Hoje, 18 de junho, é Dia do Orgulho Autista. Muitos colegas no Brasil e em vários países estão lutando por uma sociedade menos preconceituosa.


Orgulho duplo para alguns
Existem muitas pessoas no espectro autista que são LGBTQ. Comemoramos de forma dupla em junho. O símbolo da Neurodiversidade também é colorido. 🌈

No dia 18 de Junho, é comemorado o Dia do Orgulho Autista (Autistic Pride Day). A data foi criada pelo grupo Aspies for Freedom, celebrada pela primeira vez em 2005. De lá pra cá, muitas coisas mudaram: temos muito mais informações sobre autismo do que tínhamos, porém, o preconceito ainda é um problema.

14 anos após a primeira edição do Dia do Orgulho Autista: alguns problemas permanecem e provavelmente sempre permanecerão. Muitas pessoas não entendem a importância da data para autistas, pois presumem que temos vergonha de quem somos e se esquecem de que somos todos diferentes (Neurodiversidade).

A data é importante, pois as taxas de suicídio entre autistas é altíssima, muita…

Resenha: Urânios – Roberto Muniz Dias

Urânios, do escritor Roberto Muniz Dias, é um romance que aborda o poliamor, o relacionamento entre três homens, através da visão do terceiro elemento, um artista que está tentando se reencontrar e entender o que aconteceu. O livro, de 104 páginas, foi publicado em 2014, pela Metanoia Editora, e a ilustração da capa foi feita pelo próprio autor.

Capa do livro Urânios, do escritor Roberto Muniz Dias

Desde as primeiras linhas do livro, o leitor é fisgado pela narrativa. Uma dose de reflexão, outra de fantasia, juntando com as descobertas do prazer e de um amor diferente aos olhos da sociedade. Nestes relatos fragmentados, através dos quais vemos diferentes momentos da vida dos personagens: quando estão juntos ou em camas separadas; O protagonista se pergunta o que pode acrescentar a vida dos dois homens gays, e é inundado pelas incertezas e desencontros.

“Este é um relato de amor e morte, mas nada póstumo porque tudo já estava morto: o amor, o tempo e a identidade. Então, não são memórias póstumas. São as memórias do que estava morrendo”. 

É interessante notar a influência que a mitologia grega tem nas histórias escritas por Roberto Muniz Dias. Em Urânios não poderia ser diferente. Quem é que não se lembra das Greias, as três irmãs de cabelos grisalhos que compartilhavam um olho entre si, passando de mão em mão? No prólogo do livro, o narrador compartilha com o leitor qual era a relação entre o seu poliamor e essas figuras da mitologia:

“Lá estávamos os três. Um olho apenas era dividido. Um olho apenas circulava por nossas mãos para que pudéssemos enxergar em nossas órbitas. Por isso nossas experiências eram baseadas em confiança”.

O que era uma experiência maravilhosa, ao longo das páginas vai se tornando desconcertante, confuso, complicado. Como pode o amor entre três homens homossexuais dar certo? O relacionamento a dois já não é, por si só, difícil o suficiente para administrar? O personagem vai se sentindo não só consumido pelos próprios medos e inseguranças, como também pelo gasto de energias para manter aquele poliamor vivo. O equilíbrio se perde e ele se vê desorientado entre os dois, se transformando num objeto de competição pela atenção, pelo afeto, pelo sexo.

Outro ponto interessante na obra é o diálogo entre a capa do livro e a história. Mais do que um elemento que pode contribuir para a venda da obra, por sua beleza e originalidade, a ilustração, além de ter sido feita pelo autor, é a mesma pintada pelo personagem-narrador. O galo colorido que lembra muito um pavão com suas cores, nos faz refletir sobre as marcas do ego, a beleza da paixão e a ilusão da estética.

“Eles eram tão afetuosos entre si, tão atenciosos. Como poderia ainda haver espaço para outra pessoa? Perguntava-me, o que ainda faltava neles? Que buracos existenciais aquelas almas ainda necessitavam preencher?”.

São nas recordações e percepções sobre a própria vida que o personagem vai descobrindo mais a si mesmo. A soma se converte em subtração; A multiplicação em divisão. E o que sobre da morte do amor poligâmico? São as obras de arte produzidas pelo personagem, como o galo e um poema, as palavras rabiscadas do passado e o vazio.

Recomendo a leitura para quem deseja vivenciar nas páginas um pouco da poligamia, possibilitando a reflexão sobre outras perspectivas do amor. Mesmo em diferentes configurações e estruturações, os relacionamentos humanos compartilham do mesmo paradoxo entre a criação e a destruição; sentir-se vivo e sentir-se morto; liberdade e prisão.

Trecho do livro Urânios, do escritor Roberto Muniz Dias

Sobre o autor – Roberto Muniz Dias, romancista, contista, poeta e artista plástico. Formado em Letras e Direito. Esse escritor de Teresina, Piauí, começou nas artes ainda na adolescência, escrevendo diários e desenhando croquis. Autor dos livros Adeus a Aleto, Um Buquê Improvisado, Urânios e O Príncipe, o mocinho e o herói podem ser gays. Visite o site do escritor: http://robertomunizdias.com.br/.

Aos interessados, o livro Urânios (Roberto Muniz Dias) pode ser encontrado no site da Metanoia Editora!

Comentários

Mais lidas da semana