Pular para o conteúdo principal

Destaques

Para Toda a Eternidade: Livro explora rituais funerários diversos

Entre a naturalidade e o espanto, o tradicional e o moderno, o ocidental e o oriental, Caitlin Doughty transmite ao leitor histórias de suas visitas a espaços e profissionais envolvidos com o universo mortuário. Uma das obras pedidas por quem já tinha lido Confissões do Crematório, o novo livro foi publicado no Brasil pela editora DarkSide Books, em junho de 2019, com tradução de Regiane Winarski e ilustrações de Landis Blair.


Compre o livro Para Toda a Eternidade (Caitlin Doughty): https://amzn.to/2R2FwqN

“Eu passei a acreditar que os méritos de um costume relacionados à morte não são baseados em matemática [...] mas em emoções, numa crença na nobreza única da própria cultura da pessoa. Isso quer dizer que consideramos os rituais de morte selvagens apenas quando eles não são como os nossos” – Caitlin Doughty, Para Toda a Eternidade
Dá para ler tranquilamente Para Toda a Eternidade sem ter lido Confissões do Crematório, mas acredito que as duas leituras são complementares. Enquanto na p…

Filme: O Abutre mostra cinegrafista e a podridão por trás das imagens sensacionalistas

O Abutre (Nightcrawler), filme de drama e suspense que estreou no Brasil no final de 2014, conta a história de Louis Bloom (Jake Gyllenhaal) e como ele se transformou em um cinegrafista de imagens inéditas e sensacionalistas, como registros de vítimas de tiroteio e acidentes de carro. O filme foi escrito e dirigido por Dan Gilroy, marcando sua estreia como diretor.

Louis é o protagonista do filme O Abutre. Ele apresenta características de um sociopata, como a incapacidade de se relacionar com outras pessoas, contar inúmeras mentiras com naturalidade e sua insensibilidade diante dos outros. Como o próprio título do filme indica, ele se comporta como a ave que se alimenta de cadáveres.


Antes de se tornar cinegrafista, Louis Bloom mente e rouba para ganhar a vida. Ao presenciar um acidente e perceber que repórteres cinematográficos lucravam com aquelas gravações, ele decide aprender mais sobre a área e começa a comprar seus equipamentos. Ele começa com uma câmera simples, gravando as imagens de um homem que levou tiros no pescoço.

Desde suas primeiras imagens, o protagonista parece não se importar com os limites. O Abutre, assim como outros filmes com personagens jornalistas, como O Preço de Uma Verdade e A Montanha dos Sete Abutres, apresentam situações antiéticas dentro da área do Jornalismo e os efeitos da mídia, possibilitando a reflexão.

À medida que o filme vai se desenrolando, o telespectador observa como Louis fica cada vez mais obcecada pelo dinheiro. Sua ambição parece não ter limites. Ele consegue vender suas imagens para um canal de televisão e por mais que alguns conteúdos sejam fortes demais e ultrapassem os limites (até mesmo de outros profissionais veteranos), as reportagens exibidas começam a fazer sucesso e aumentar a audiência.


Além do desrespeito, ele engana um rapaz, convencendo-o a se tornar estagiário. A mania de grandeza de Louis faz com que ele crie uma empresa fictícia e consiga registrar cenas que outros profissionais não se atreveriam. Invasão a domicílio, alterar cenas de crime, mover corpos, cúmplice de homicídio, dirigir acima da velocidade, monitorar os canais de comunicação da polícia para ter imagens quentes... A lista de violações cometidas por Louis é extensa e a editora para quem ela vende suas gravações, cada vez por um preço maior, parece não se importar com os meios, somente com os fins – desde que ela garanta uma boa audiência para o seu programa jornalístico e mantenha seu emprego, tanto faz sua origem.

Não vou dizer qual é o clímax nem as reviravoltas do filme, pois não quero estragar as surpresas. Só posso dizer que Louis surpreende a cada minuto. Jake Gyllenhaal interpretou muito bem o personagem, e nos faz ficar com o coração acelerado, pensando qual será a próxima loucura que ele vai aprontar.


Quanto à fotografia do filme, o telespectador se sente, literalmente, dentro do carro de Louis, acompanhando suas aventuras. O Abutre traz uma dose de realismo, tanto no comportamento dos personagens, como dos efeitos especiais, e nos deixa questionando uma série de coisas. Quantos outros abutres existem pelo mundo? Quais são os limites dos programas jornalísticos? Vale tudo pela audiência? Os profissionais estão insensíveis com a vida humana, a ponto de se preocuparem mais com o ângulo e enquadramento, como a cena vai aparecer na televisão e se vai fazer sucesso, ao invés de ajudarem as vítimas?

Outro ponto interessante nestas reflexões sobre o filme é a de que o jornalismo é uma das áreas de atuação que mais atraem psicopatas, seja pela questão do narcisismo (culto exacerbado da própria imagem), do falso glamour e desta insensibilidade (Lous filma um cinegrafista que ele conhece e se acidentou, sem dar à mínima, com a desculpa de que está sendo profissional, além do final chocante).

Nightcrawler ganhou mais de 30 prêmios e teve mais de 50 nominações. Entre os prêmios estão os de Melhor Ator, para Jake Gyllenhaal, Melhor Roteiro e Melhor Primeiro Filme, para Dan Gilroy.

Assista ao trailer do filme O Abutre:



E você, já assistiu ao filme? O que achou? 

Comentários

Mais lidas da semana