Pular para o conteúdo principal

Destaques

Espectro Autista: Reflexão sobre conscientização do autismo

Vez ou outra eu recebo mensagens de pessoas pedindo ajuda sobre como trazer mais conscientização em lugares nos quais pouco se sabe sobre autismo. Nem toda cidade tem especialista em autismo, isso é um fato que todo mundo que já precisou de um, sabe como é. Minha dica é: compre/arrecade livros ATUALIZADOS sobre o assunto e/ou livros de ficção (com personagens autistas) e/ou livros escritos por autistas. Recomendo firmemente a literatura, já que a leitura trabalha a empatia e fica mais fácil dos neurotípicos entenderem como é estar 'na nossa pele', mesmo que por alguns minutos.


Não vai dar livro desatualizado, que é um desserviço. Já tem muita desinformação no Brasil. Eu poderia fazer uma lista sobre todos absurdos que leio, mas não vou.

Enfim, não dá para fugir da leitura. Infelizmente, muitos conteúdos brasileiros estão defasados, outros logo vão estar por causa das alterações do CID11 do Espectro Autista [só entra em vigor em 2022]. Tem muita coisa boa produzida pela comunid…

Resenha: O Exorcista – William Peter Blatty

A história não é nova para quem já assistiu ao filme várias vezes, mas não deixa de impressionar mesmo com as releituras. Uma menina está possuída pelo demônio e um padre tenta ajudar uma mãe desesperada que já não sabe o que fazer para ajudar a criança a melhorar. Muita gente não tem ideia de que a produção cinematográfica foi baseada no livro homônimo, O Exorcista, do escritor e roteirista William Peter Blatty, cuja edição que eu li tem 336 páginas e conta com a tradução de Carolina Caires Coelho, publicado pela Editora Agir (Editora Nova Fronteira).

Livro O Exorcista William Peter Blatty Editora Agir Nova Fronteira

É difícil ler o livro sem pensar no filme. A adaptação foi bem fiel, afinal, o próprio autor do romance de terror foi o responsável pelo roteiro. Apesar de a trilha sonora que ajuda a criar o clima assustador e das imagens, a obra literária consegue ser mais assustadora ao transportar o leitor para o universo. A tensão crescente que desperta a imaginação faz alguns leitores até mesmo ficarem amedrontados com qualquer barulho: a mente se desperta para sensações que passam batidas no dia-a-dia, mas que devido ao estado de excitação se tornam mais evidentes.

“Assim como o brilho breve dos raios de sol não é notado pelos olhos de homens cegos, o começo do horror passou despercebido; com o guincho do que ocorreu em seguida, o início foi, na verdade, esquecido e talvez não relacionado de forma alguma ao horror. Era difícil saber”

O Exorcista conta a história de Chris MacNeil, uma atriz que vê a sua vida desandar após sua filha, Regan começar a se comportar de maneira diferente e ficar doente. A personalidade da garotinha se transforma cada vez mais com o passar dos dias e são feitos vários exames para descobrir o que ela tem. Nestes primeiros momentos do livro temos alguns sinais do caos que vem pela frente e acompanhamos o foco narrativo de Chris e do padre Damien Karras.

Dividido em quatro partes: O começo, A beira, O abismo e “E que meu apelo cheguei a Ti...”, o desenvolvimento da trama é bem linear. O romance é narrado em terceira pessoa, mas o narrador tem acesso aos pensamentos dos personagens, tornando a conexão entre leitor e personagem mais profunda. Uma mulher que vê o seu ceticismo ser desafio por acontecimentos estranhos, enquanto sua filha aparenta estar com algum distúrbio de identidade e os medicamentos não fazem efeito. O Exorcista traz uma dessas histórias que você pensa toda vez que as coisas não podem piorar para os personagens principais, o autor nos surpreende mostrando que a jornada para o inferno pode sempre ficar mais sombria e perigosa.

“E Regan retorna, com os olhos arregalados e o medo estampado no rosto, como se um fim terrível se aproximasse, gritando com a boca bem aberta até a personalidade demoníaca possuí-la, preenchê-la mais uma vez, tomando o quarto com um odor fétido, com um frio gélido que parecia vir das paredes; então as batidas cessam e o grito aterrorizado e estridente de Regan se funde a uma risada gutural de triunfo malevolente, enquanto ela enfia o crucifixo em sua vagina, várias vezes seguidas, masturbando-se de modo feroz, urrando com a voz profunda, rouca, ensurdecedora”.

Damien Karras é um personagem fascinante. Um padre que passa por experiências tristes e começa a duvidar da própria fé, dos propósitos, mas percebe que há uma preocupação maior do que os seus conflitos internos e uma família precisa de sua ajuda. O homem é um psiquiatra e seus conhecimentos sobre a mente humana o fazem questionar até que ponto Regan realmente está com uma doença espiritual (possuída pelo demônio) ou está manifestando os sintomas de doenças mentais e usando sua imaginação e experiências para se deixar levar pelos seus delírios e simular o controle pelas criaturas diabólicas.

Cena Filme O Exorcista William Peter Blatty

Depois de várias tentativas de encontrar um diagnóstico para a filha e das investigações de Karras sobre o caso, o demônio que possui Regan fica cada vez mais poderoso, enquanto a pureza e as energias da menina se esvaem. Paralelamente à possessão da garota, a trama narra alguns conflitos secundários, como a investigação da morte de um homem por Kinderman que de alguma forma está relacionada ao segredo que eles estão mantendo. Nesta batalha entre o bem e o mal, sacrifícios e escolhas são feitas e as habilidades diabólicas são reveladas. Para deixar a escuridão tomar conta, basta abrir uma porta e Regan, como o menino em que o caso foi inspirado, brincaram com o que não deveriam.

“Karras olhou para Regan. Ainda calada. Sem se mexer. Sob o evento gelado, névoas de vapor saíam do vômito como uma oferenda de mau cheiro. Os pelos dos braços de Karras começaram a se arrepiar, com lentidão assustadora, um pouco por vez, e a cabeça de Regan girava, como a de uma boneca, com o som de um mecanismo enferrujado, até que aqueles olhos assustadores se fixaram nos dele”.

William Peter Blatty soube como criar um livro perturbador. Os limites da mente, do corpo e da alma são testados ao longo do romance. O que deixa muitas pessoas impressionadas é o fato de que a obra foi inspirada em um caso real de exorcismo que aconteceu com um adolescente. O Exorcista aproveita destas linhas: real e ficção, sobrenatural e psicológico, e tece uma envolvente e curiosa narrativa sobre mistérios antigos e que ainda permanecem incógnitos para a humanidade.

Ainda para quem ficou curioso, a DarkSide Books decidiu investir na republicação do livro Exorcismo, escrito pelo jornalista Thomas B. Allen que traz o relato do caso de Robert Manheim, um jovem norte-americano de 14 anos que brincava com sua tábua ouija (usada para se comunicar com os espíritos). A obra é considerada um dos mais completos relatos de exorcismo e a sua pesquisa traz informações pesquisadas no diário de um padre jesuíta que ajudou o exorcista.

“[…] Ainda acho que o alvo do demônio não é o possuído. Somos nós... que observamos... Todas as pessoas desta casa. E eu acho... Acredito que o objetivo é fazer com que nos desesperemos, que rejeitemos nossa humanidade...”
A obra se tornou referência para inúmeros livros e filmes de terror, mas quase nenhuma consegue chegar tão próximo do horror criado por William Peter Blatty e O Exorcista. Uma leitura que inquietadora até mesmo para quem não acredita, principalmente, pela força da narrativa de criar identificação entre leitor e personagem. Afinal, independente da intenção e da crença, Regan, Chris e Karras enfrentam um demônio antigo responsável por mudar o rumo de suas vidas.

William Peter Blatty Autor Livro Terror O Exorcista

Sobre o autor – William Peter Blatty é um escritor e roteirista norte-americano. Sua obra-prima, O Exorcista, é um dos romances mais polêmicos já escritos e tornou-se um fenômeno literário, best-seller absoluto e um clássico do terror.

O autor também foi o responsável pelo roteiro da adaptação para o cinema de 1973, pelo qual ganhou um Oscar. O filme também conquistou dez indicações ao prêmio, inclusive de melhor filme, algo inédito para uma obra do gênero.



O Exorcista pode ser encontrado nas principais livrarias do país. Adicione o livro à estante do Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/1020ED509671 



Conheça também: O Demonologista – Andrew Pyper

Gostou da recomendação de leitura? Já leu? Comente e compartilhe! ;-) 

Comentários

  1. Respostas
    1. Oi, Raquel!
      Concordo ♥ Já estou morrendo de ansiedade para ver o que a DarkSide Books preparou para os leitores ♥
      Obrigado pela visita!

      Excluir
  2. Maravilhoso. Para quem gosta de psicologia e do sobrenatural esse livro é um prato cheio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gilstéfany, concordo contigo!
      É um livro delicioso de ler e que possibilita refletir muito sobre várias questões.
      Abraços. Obrigado pela visita ;)

      Excluir
  3. Ótima resenha!!! Livro adicionado no skoob com certeza. JÁ QUEROOOO!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jarderson! Muito obrigado pela visita.
      Fico feliz que tenha se interessado pela leitura e gostado da resenha :D
      Tenho certeza de que vai adorar o livro.
      Abraços

      Excluir
  4. Este livro é fantástico,um dos melhores livros que já li.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O tipo de livro que dá vontade de reler várias vezes! Muito bom como o escritor nos transporta para as cenas.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana