domingo, 6 de agosto de 2017

10 Curiosidades sobre o autor de O Exorcista, William Peter Blatty

Nem todo mundo sabe o nome dele, principalmente quem não leu seus livros, mas conhece a sua obra mais conhecida. O Exorcista se tornou um clássico do terror seja no cinema ou na literatura, movimentando o gênero e mostrando o sucesso que as histórias sobrenaturais podem fazer. A história continua fazendo sucesso até mesmo na televisão, em uma série da Fox inspirada no romance do escritor, William Peter Blatty, cuja segunda temporada já foi confirmada para setembro de 2017.


Em janeiro de 2017, William Peter Blatty morreu aos 89 anos de um forma de câncer no sangue. “Descanse em paz, Willam Peter Blatty, quem escreveu o grandioso romance de terror do nosso tempo”, desejou Stephen King. Após ler um eBook com uma entrevista longa do William Peter Blatty, Fate and The Exorcist, conduzida pelo editor Brian James, decidi reunir algumas curiosidades sobre o escritor por aqui que encontrei não só durante a leitura, mas em entrevistas a alguns jornais e sites de filmes, como IMDB.



Confira abaixo 10 curiosidades sobre o autor de O Exorcista, William Peter Blatty: 


1) Antes de escrever O Exorcista, William Peter Blatty escrevia histórias e roteiros de comédias. Mesmo tendo feito certo sucesso com esses trabalhos, quem lhe rendeu mais notoriedade e fama foi o romance de terror e sua adaptação para o cinema, em 1973, a qual ele mesmo ficou responsável pelo roteiro.

2) Em uma entrevista disponível no eBook Fate and The Exorcist, publicado pelo Brian James Freeman, William Peter Blatty comentou que uma vez ele trombou com o Stephen King e o autor agradeceu a ele, dizendo que se não fosse pelo sucesso de O Exorcista, talvez ele ainda trabalharia lavando carros – fazendo menção como o livro e o filme abririam as portas para o gênero do terror. Carrie foi publicado alguns anos depois.

3) Na mesma entrevista, o autor respondeu que enquanto escrevia o livro O Exorcista, ele via o original como uma história supernatural de detetive. A intenção dele não era escrever uma história assustadora – isso acaba ficando mais claro na sequência, Legião, do que em O Exorcista.

4) Antes de escrever O Exorcista, o autor enviou a proposta do livro/roteiro para várias editoras e produtoras de filmes e todas negaram, não acreditando no potencial da obra. A história de um garoto possuído pelo demônio e de um exorcismo acabou sendo aprovado por um editor que William Peter Blatty conheceu em um evento de amigos.

5) Em 1974, William Peter Blatty ganhou um Oscar de Melhor Roteiro baseado em obra publicada em outra mídia. O filme ganhou um total de 14 premiações. Embora O Exorcista 2 não tenha sido escrito por William Peter Blatty e não seja uma sequência da história, em 1990 ele escreveu e dirigiu O Exorcista 3, baseado no seu livro Legião.

6) Em entrevista ao LA Times, William Peter Blatty contou que quando O Exorcista foi lançado, ninguém queria comprar o livro e que algumas lojas queriam retornar todas as cópias da obra. Após dar uma entrevista em um programa de televisão nacional, o livro subiu para primeiro lugar na lista de mais vendidos do New York Times e foi notado por Hollywood.

7) Em 1980, William Peter Blatty dirigiu e escreveu a adaptação de A Nona Configuração. O livro de 1978 que serviu de base para o filme foi um retrabalho de uma versão anterior, cujo título era Twinkle, Twinkle, "Killer" Kane, publicada previadamente em 1966. O filme ganhou um Globo de Ouro por Melhor Roteiro.

8) William Peter Blatty escreveu O Exorcista alguns anos após ler uma coluna sobre o caso de possessão e exorcismo do garoto. Embora não tenha recebido apoio dos padres envolvidos no exorcismo para escrever o seu romance de terror, ele não desistiu e o livro acabou sendo um sucesso. Ainda sobre casos reais, a sequência, Legião, traz um assassino inspirado em um serial killer que intrigou os Estados Unidos, O Zodíaco. O responsável pelos crimes nunca foi descoberto, embora existiram mais de cinco suspeitos com um perfil parecido, nunca encontraram evidências que pudessem comprovar quem foi o culpado.

9) Em 2015, William Peter Blatty publicou um livro chamado Finding Peter. A obra de memórias foi dedicada ao filho dele, Peter que morreu de repente de uma doença rara. Leitores que não conheciam o lado humorístico do autor não gostaram da obra. Uma parte do livro traz um argumento sobre a vida após a morte, na qual o escritor conta alguns incidentes que ele acredita que era o filho dele tentando se comunicar do outro lado. Ele tentou passar aos leitores a mensagem de que há esperança e de que os espíritos continuam acompanhando os vivos.

10) Em entrevista ao The Washington Post, William Peter Blatty comentou que não acompanhava filmes de terror há muitos anos, desde que assistiu ao filme The Manitou, uma versão sobre um espírito demoníaco nativo americano, lançado em 1978. “O suficiente para matar o seu apetite pelo gênero”, afirmou William Peter Blatty.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e do livro de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1), disponível no Wattpad.
***
Gosta de O Exorcista? Não deixe de conhecer Exorcismo, o livro de não ficção do jornalista Thomas B. Allen, que conta a história do garotinho possuído que foi exorcizado por vários padres e serviu de inspiração para a trama do clássico de terror sobrenatural do William Peter Blatty.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários Recentes

Me acompanhe no Instagram