Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Neurociências, ajustes e discussões que vão além do social

O céu de um autista pode ser o inferno do outro. Somos diferentes em todos critérios. Cada caso é um caso.



Comparar um autista como eu, que sou camaleão e tenho autonomia com um que precise de mais apoio e tenha mais limitações sensoriais não seria justo.

Eu ressalto que todo autista deve lembrar disso quando produzir conteúdo. Não adianta achar que existe um modelo único de inclusão, se ao priorizar algumas coisas, você deixa de lado outras. Por isso, abordar a questão do autismo é algo muito complexo. Da mesma forma, que não existe um personagem da ficção ou uma pessoa autista que vai representar o espectro autista inteiro.

Os ajustes que são feitos para alguns, podem ser desajustes para outros. Por isso dizemos que existem vários autismos, independente do grau.
Do mesmo modo que não existem dois autistas iguais, não existem dois aspies iguais (pessoas com Síndrome de Asperger); não existem dois aspies com superdotação iguais (pessoas com Dupla Excepcionalidade). Somos todos diferent…

Lançamento: Uma Breve História dos Zumbis – Eliel Barberino

Os mortos-vivos estão presentes em várias narrativas e continuam despertando o interesse das pessoas. Após a publicação do livro A Era dos Mortos-Vivos, o estudioso da temática, Eliel Barberino aposta em mais uma obra sobre o assunto: Uma Breve História dos Zumbis, lançada pela Mésmer Edições, neste outubro de 2017. Aproveita o clima de Halloween e vem conhecer um pouco mais sobre o lançamento.


Confira a sinopse do livro Uma Breve História dos Zumbis:


Os Zumbis hoje em dia são os queridinhos da mídia. Estrelam não somente filmes, mas games, séries, quadrinhos e estão até mesmo presentes em cursos universitários. O especialista em zumbis Eliel Barberino nos apresenta o monstro como um fenômeno cultural amplo, que abrange não somente o campo da arte ficcional, mas que se estende até à psicologia, à antropologia e mesmo à religião - remetendo necessariamente à mitologia. Nessa obra, as origens dessas criaturas serão buscadas muito além do folclore haitiano e dos filmes de Hollywood. A tese principal do livro é que o zumbi com sua cosmologia do apocalipse é um remanescente dos mitos tradicionais numa sociedade secularizada. O autor num trabalho original e instigante, investiga a História dos mortos-vivos desde a Antiguidade aos dias atuais, tentando entender como esse fenômeno folclórico e psicológico característico das comunidades humanas – nosso medo dos mortos e nossa reflexão sobre nossa extinção – veio desembocar nos mortos-vivos modernos.

Sobre o autor – Eliel Barberino nasceu no Rio de Janeiro em 1983. Estudou Ciências Sociais na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisador independente e entusiasta, tem se destacado como um dos principais especialistas em Zumbiologia. Publicou em 2016 a obra A Era dos Mortos-Vivos: zumbis, mito, modernidade (Cultura em Letras Edições). O livro é uma análise filosófica do zumbi como fenômeno cultural, que apresenta a questão do Apocalipse zumbi como metáfora das crises do mundo moderno. Eliel Barberino nasceu no Rio de Janeiro em 1983. Estudou Ciências Sociais na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisador independente e entusiasta, tem se destacado como um dos principais especialistas em Zumbiologia. Publicou em 2016 a obra A Era dos Mortos-Vivos: zumbis, mito, modernidade. O livro é uma análise filosófica do zumbi como fenômeno cultural, que apresenta a questão do Apocalipse zumbi como metáfora das crises do mundo moderno.

Relembre a entrevista publicada aqui no blog: Eliel Barberino, seu livro e zumbis como fenômeno cultural 

O livro pode ser encontrado no site da Mésmer Edições.

Comentários

Mais lidas da semana