Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

O Demônio do Meio-Dia: Livro sobre depressão ganha nova edição

Um dos livros mais vendidos sobre depressão, em dezembro de 2018, O Demônio do Meio-Dia ganhou uma nova edição pela Companhia das Letras, com tradução de Myriam Campello. A obra escrita pelo jornalista Andrew Solomon traz seu próprio relato de sua experiência com a depressão, assim como de outras pessoas e profissionais de saúde mental.


Encontre o livro O Demônio do Meio-Dia: https://amzn.to/2RxNHxH

Aproveita que neste mês de conscientização sobre saúde mental, Janeiro Branco, O Demônio do Meio-Dia é uma ótima indicação de leitura para autoconhecimento e também para quem deseja entender as diferentes realidades de quem vive com o transtorno mental.

Em novembro de 2018, a editora Companhia das Letras também lançou um livro que reúne ensaios de Andrew Solomon sobre o suicídio: Um Crime da Solidão, com tradução de Berilo Vargas. O assunto um tanto complexo não foi explorado de forma tão profunda como a depressão foi abordada em O Demônio do Meio-Dia, mas acaba sendo um pontapé para abordar a questão que ainda é vista como um tabu.

“Sob vários nomes e disfarces, a depressão é e sempre foi onipresente por motivos bioquímicos e sociais. Este livro se esforça para abarcar a extensão do alcance temporal e geográfico da depressão. Se às vezes parece que a depressão é uma aflição própria da classe média do Ocidente moderno, isso se deve ao fato de que é nessa comunidade que repentinamente estamos ganhando uma nova sofisticação no reconhecimento, nomeação, tratamento e aceitação da depressão – e não porque temos quaisquer direitos especiais sobre a doença em si. Nenhum livro pode abarcar a extensão do sofrimento humano, mas espero que indicar tal extensão ajude a liberar algumas pessoas que sofrem de depressão. Jamais poderemos eliminar toda a infelicidade, e aliviar a depressão não assegura a felicidade, mas espero que o conhecimento contido neste livro ajude a eliminar parte da dor para algumas pessoas” – Andrew Solomon

No prefácio, Andrew Solomon fala um pouco sobre como foi escrever o livro e ressalta que não é médico e que o livro deve ser visto como algo pessoal. “Embora eu ofereça explicações e interpretações de ideias complexas, este livro não pretende substituir o tratamento apropriado”, ressalta.



Confira a sinopse do livro:


Lançado em 2000, O demônio do meio-dia continua sendo uma referência sobre a depressão, para leigos e especialistas. Com rara humanidade, sabedoria e erudição, o premiado autor Andrew Solomon convida o leitor a uma jornada sem precedentes pelos meandros de um dos temas mais espinhosos e complexos de nossos dias. Entremeando o relato de sua própria batalha contra a doença com o depoimento de vítimas da depressão e a opinião de especialistas, Solomon desconstrói mitos, explora questões éticas e morais, descreve as medicações disponíveis, a eficácia de tratamentos alternativos e o impacto que a depressão tem nas várias populações demográficas (sejam crianças, homossexuais ou os habitantes da Groenlândia).

No epílogo inédito escrito exclusivamente para a reedição brasileira, conhecemos o que aconteceu com Solomon, com os entrevistados e com os tratamentos da depressão desde a publicação de O demônio do meio-dia . A inteligência, a curiosidade e a empatia do autor nos permitem conhecer não só as doenças mentais, mas a profundidade da experiência humana. Uma obra monumental.

Sobre o autor – Andrew Solomon nasceu em Nova York, em 1963. Formou-se em inglês e literatura na Universidade Yale e obteve mestrado e doutorado, este na área de psicologia, pela Universidade de Cambridge. É consultor especial de saúde mental LGBT em Yale e professor de psicologia clínica no Columbia University Medical Center. Escritor, ativista e conferencista, é autor, entre outros, De Longe da Árvore, Lugares Distantes e O Demônio do Meio-Dia, que venceu o National Book Award de 2001 e é considerado um dos livros mais importantes da última década pelo jornal The Times.

Conheça também: 

Bile Negra, livro do escritor e psiquiatra Alexandre Loch 

Uma Mente Inquieta: Especialista em Bipolaridade narra sua vida com o transtorno 

Comentários

Mais lidas da semana