Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dias de Isolamento, Estímulos e Tédio: Vidas Importam (Coronavírus) | Ben Oliveira

Mesmo para alguém no espectro autista (lembrando que não existem dois autistas iguais e há uma ampla variedade neurológica e de personalidade), os dias de isolamento não são necessariamente confortáveis.


Gostar de ficar em casa e precisar de tempo sozinho para recarregar as energias, não significa que autistas também não gostem de ver pessoas – muitos adoram andar ao ar livre. As pessoas confundem autismo, introversão, timidez e misantropia (aversão às pessoas).

O que eu queria falar é sobre a importância de se ocupar com o que te estimula. Na correria do dia a dia, todos abrimos mão daquilo que gostamos de fazer e do que nem sabíamos que gostamos. Além de ler e jogar, nesses dias aproveitei para organizar as coisas e brincar com as tintas e colas.

Deveria estar escrevendo mais, mas confesso que estou gostando de estimular outras áreas que estavam adormecidas. Sim, tenho muitos momentos de tédio, mas não acho que colocar a vida de outras pessoas em risco possa compensá-los.

Por outro …

The Haunting of Bly Manor: Série da Netflix adaptará obra do Henry James

Neste dia 21 de fevereiro de 2019, a Netflix anunciou uma novidade boa para quem gostou de A Maldição da Residência Hill (The Haunting of Hill House): a 2ª temporada será chamada The Haunting of Bly Manor e será baseada no livro A Outra Volta do Parafuso (The Turn of the Screw), do Henry James.


Com direção de Mike Flanagan e produção de Trevor Macy, a primeira temporada fez tanto sucesso entre os telespectadores que logo começaram as especulações sobre como seria a 2ª temporada. As informações foram divulgadas pelo site Deadline e confirmadas pelo diretor e pela conta oficial de The Haunting of Hill House no Twitter.

Antes de divulgarem o título da nova temporada, a Netflix divulgou um teaser nas redes sociais. No vídeo dá para ouvir um trecho do livro A Outra Volta do Parafuso: “The terrace and the whole place, the lawn and the garden beyond it, all I could see of the park, were empty with a great emptiness”


“O terraço, todo o terreno, o gramado e o jardim mais adiante, o trecho do parque eu podia ver, estavam vazios, um vazio imenso” – Trecho da tradução de Paulo Henriques Britto para a edição Clássicos da Penguin Companhia das Letras

The Haunting of Bly Manor deve estrear em 2020. Espero que seja um sucesso e que a Netflix aposte em mais adaptações de outros livros de literatura gótica.

Confira a sinopse da edição do livro publicada pela Penguin: 

A outra volta do parafuso conta a história da jovem filha de um pároco que, iniciando-se na carreira de professora, aceita mudar-se para a propriedade de Bly, em Essex, arredores de Londres. Seu patrão é tio e tutor de duas crianças, Flora e Miles, cujos pais morreram na Índia, e deseja que a narradora (que não é nomeada) seja a governanta da casa de Bly. Ao chegar a Essex, a jovem logo percebe que duas aparições, atribuídas a antigos criados já mortos, assombram a casa. O triunfo íntimo da protagonista, mais que desvendar o mistério de Bly, consiste em vencer o silêncio imposto pela diferença de condição social entre ela e seus pequenos alunos. Desde que foi publicada, sucessivas gerações de leitores, críticos e artistas têm se inspirado na maestria narrativa desta novela, cuja tradução de Paulo Henriques Britto reconstitui com precisão a elegante contundência do original inglês.

Sobre o escritor – Nasceu em 1843 na cidade de Nova York, em berço considerado culto. Seu pai, o teólogo e filósofo Henry James Senior, fazia questão de que os filhos recebessem excelente educação. O irmão de Henry, William James, foi um dos precursores da Psicologia moderna. Henry iniciou a vida acadêmica em Harvard, cursando Direito, mas deixou o curso por influência de autores que admirava e em função de sua paixão pela literatura. Tornou-se uma das principais figuras do Realismo na literatura do século XIX, sendo autor de consagrados romances, contos e críticas literárias em língua inglesa.

Sobre o diretor – Mike Flanagan nasceu em Salem, Massachusetts, em 1978. Em 2005, ele se voltou para o gênero do horror pela primeira vez com Oculus, um curta-metragem que serviu de inspiração para o seu filme de 2013 com o mesmo título. Flanagan dirigiu os filmes Hush: A Morte Ouve, Ouija: Origem do Mal, Jogo Perigoso (adaptação do livro do Stephen King), A Maldição da Residência Hill e Doutor Sono (a sequência de O Iluminado).

E aí, ficou curioso para a nova temporada de The Haunting? Já leu A Outra Volta do Parafuso?

Veja também: 5 Livros que influenciaram o escritor canadense de terror Andrew Pyper 

Comentários