Pular para o conteúdo principal

Destaques

Lovestruck In The City: Série sul-coreana explora as emoções e fases dos relacionamentos amorosos

Diferente de muitos doramas coreanos que são mais longos, Lovestruck In The City tem um ritmo mais ágil e leva o telespectador para os encontros e desencontros de três casais que fazem parte do mesmo círculo social, em uma linguagem mais interativa, na qual os personagens contam suas próprias versões em frente às câmeras. A série de 2020 está disponível na Netflix . Para quem não tem muito contato com o universo dos dramas coreanos, a série dirigida por Park Shin-woo é uma boa opção, já que os episódios são curtos em relação ao formato tradicional e trazem o desenvolvimento dos relacionamentos desde os primeiros episódios – fugindo um pouco do padrão no qual o telespectador tem que assistir até o final para ver os personagens se declarando e sofrendo silenciosamente. Outro diferencial em relação a muitas produções coreanas é que os atores se beijam mais e o roteiro aborda assuntos que ainda são tratados como tabus por muitas séries da Coreia do Sul, como o sexo. Porém, embora se apro

Resenha: Candyman – Clive Barker

Um presente para os leitores de Clive Barker, assim é a edição para colecionadores de Candyman, publicada pela editora DarkSide Books, em janeiro de 2019, com tradução de Eduardo Alves e posfácio de Carlos Primati.


Encontre o livro Candyman (Clive Barker): https://amzn.to/2ZdA32y

Candyman (The Forbidden) é um conto, portanto a leitura é enxuta, mas envolvente, e transporta o leitor para o clima de lendas urbanas. Embora já não sejam mais comuns na tradição oral e tenham ganhado o ambiente virtual, histórias sobre acontecimentos assustadores e questionáveis fazem parte da existência humana.

Com uma atmosfera sombria e mais urbana, Clive Barker leva o leitor ao gueto, onde a violência e a criminalidade por si só já contrastam com a realidade de outros bairros da cidade e acabam tão banalizadas que a história faz a personagem principal, Helen, se interessar pelo caso contado por uma das moradoras.

“E as histórias que contaram para ela – seriam confissões de crimes não cometidos, relatos do pior que se pode imaginar, inventados para evitar que a ficção se tornasse realidade? Era como se o pensamento perseguisse a própria cauda: essas histórias terríveis ainda precisavam de uma causa primária, uma fonte da qual saíram” – Clive Barker, Candyman

O que Helen mal poderia imaginar é que da mesma forma que cada pessoa se conecta de uma forma diferente com as lendas urbanas: há sempre alguém que acredita, há sempre quem é cético; para mostrar a sua pesquisa sobre pichações urbanas e para ir a fundo do que realmente teria acontecido na Spector Street, sua curiosidade e ambição podem ter um preço muito alto.

Gradualmente, Clive Barker vai seduzindo o leitor em um jogo duplo: texto e narrativa se envolvem, conforme o autor nos guia para os caminhos da personagem e ela mesma é confrontada com o poder do mito – para que as lendas assustadoras façam sentido, alguém tem que escutá-las e passar para frente; alguém precisa acreditar, caso contrário, qual seria seu propósito?

Uma vez dentro do próprio jogo, Helen se envolve mais do que deveria e testemunha os horrores silenciados. As histórias, as pichações, os últimos acontecimentos estranhos, tudo se conecta e parecia um convite para que ela provasse o mesmo gostinho da inexplicável experiência que ora estampa os jornais e choca pela violência, ora se perde em meio às fofocas e acaba se transformando em lendas urbanas.

Como dá para perceber pela finura da obra, o conto vai até a página 89 e depois tem um posfácio abordando alguns dos elementos presentes na narrativa de Clive Barker, que também foi adaptada para filme. O diferencial da edição talvez seja esse destaque para a obra, que muitas outras editoras só apostariam no máximo em formato de eBook ou publicaria junto com outros contos.

Adaptado em 1992 pelo diretor Bernard Rose, Candyman vai ganhar uma nova versão cinematográfica. Com previsão para estreia para junho de 2020, o filme está sendo dirigido por Nia DaCosta e tem roteiro de Jordan Peele, inspirado na obra de Clive Barker.

Leia também:

Resenha: Hellraiser: Renascido do Inferno – Clive Barker

Resenha: O Evangelho de Sangue – Clive Barker

Resenha: O Mundo de Lore: Criaturas Estranhas – Aaron Mahnke

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Para ficar por dentro das minhas novidades:


Facebook: https://www.facebook.com/benoliveiraautor/

Twitter: https://twitter.com/Ben_Oliveira

Instagram: https://www.instagram.com/benoliveira/

YouTube: http://www.youtube.com/c/BlogdoBenOliveira

Comentários

Mais lidas da semana