segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Resenha: Hellraiser: Renascido do Inferno – Clive Barker

Quais são os limites do prazer e da dor? Descobrimos com Frank e sua aventura de invocar os Cenobitas no livro Hellraiser: Renascido do Inferno, título publicado no Brasil pela editora DarkSide Books, com tradução de Alexandre Callari, em 2015. A novela foi escrita pelo Clive Barker, originalmente em 1986, com o título The Hellbound Heart, publicada primeiro em uma antologia de histórias de terror e, posteriormente, em um livro solo pela editora HarperCollins no Reino Unido.

Livro Hellraiser, do Clive Barker

Tudo começa quando Frank compra a caixa de Lemarchand, um artefato usado para a invocação de Cenobitas, teólogos da Ordem de Gash, seres que conseguem atravessar dimensões. O homem que vendeu o objeto para Frank contou para ele que usando o objeto místico, ele seria capaz de obter maravilhas e prazeres. Ambicioso e sedento por explorar as sensações, cansado de tudo o que já experimentara antes, ele se prepara para abrir a caixa, que é um complexo quebra-cabeça e seguir as orientações do ritual de invocação e oferendas para agradá-los.

Já deu para perceber que Frank é um personagem bem controverso, né? Quanto mais aprofundamos a leitura, mais vamos conhecendo sua alma sombria e hedonista. A partir do segundo capítulo do livro, Frank já está em outro plano e a narrativa dá mais foco para os outros personagens principais: Julia, a esposa de Rory; Rory, o irmão de Frank e Kirsty, uma amiga de Rory que parece nutrir sentimentos que vão além da amizade.

“As súplicas se tornaram um só som, palavras e sentidos eclipsados pelo pânico. Parecia não haver fim para aquilo, senão a loucura. Nenhuma esperança, senão perder a esperança” 

Julia é outra personagem fascinante. Ela se casara com Rory, mas mantém seus próprios segredos e o seu caminho acaba cruzando com o de Frank, não só pela proximidade familiar. Quando ela descobre que há algo errado com um dos quartos da casa, a trama se transforma em um jogo doentio de violência e prazer. Os mistérios vão se amontoando embaixo do tapete, até que ela não consegue mais esconder e as pessoas ao seu redor percebem que há algo errado acontecendo.

Projeto gráfico do livro Hellraiser, do Clive Barker

Clive Barker parece ter se divertido criando personagens com tantos vícios e conflitos internos. Hellraiser é uma narrativa de horror bem visceral. A relação do corpo, como estrutura, prazeres carnais e líquidos (sangue e sêmen) – o submundo masoquista dos cenobitas – é trabalhada ao longo do livro, bem como as polaridades, salvação e perdição, vida e morte, prazer e tédio, ódio e indiferença, tesão e frigidez.

“Os dois podiam salvar um ao outro, da forma que os poetas prometiam que amantes fariam. Ele era um mistério, ele era trevas, ele era tudo com que ela sempre sonhara. E, se ela o libertasse, ela a serviria – ah, sim – até que o prazer dela alcançasse aquele limiar que, tal qual todo limiar, era um local onde o forte fica mais forte e os fracos pereciam”

Tal como Frank é puxado pelos extremos e transportado para regiões infernais, a leitura nos envolve de tal maneira que ficamos intrigados com as reviravoltas. Eu que já tinha assistido ao filme Hellraiser há anos – fiquei com vontade de rever –, pude relembrar algumas cenas e me senti dentro da história. Se na adaptação cinematográfica as imagens de Hellraiser podem ser perturbadoras, a maneira que Clive Barker trabalha com o texto nos ajuda a entrar na mente de seus personagens e a sentir as emoções e tensões da trama – sensação tão boa quanto a de ler Psicose, do Robert Bloch, mesmo já tendo assistido ao filme várias vezes.

A noveleta de Clive Barker foi adaptada para o cinema em 1987, com roteiro e direção do próprio autor. Para quem gosta de livros com projetos gráficos diferenciados, a editora DarkSide Books caprichou com uma capa que lembra muito a caixa de Lemarchand e também o traje e a pele dos Cenobitas, com suas fissuras e texturas. Sei que muita gente já assistiu ao filme, como tem muitos que nunca viram. Então, tentei evitar o máximo possível dar informações demais e deixar o leitor se aventurar pelas páginas. Com uma narrativa curta, é um desafio e tanto.

"Naquele instante, a porta se abria para prazeres que apenas um punhado de humanos sabia da existência e menos ainda tinha provado – prazeres do círculo maçante do desejo, sedução e desapontamento que, desde o final da adolescência, o obstinava"

Clive Barker foi chamado de "o futuro do horror" por Stephen King. Hellraiser foi o primeiro livro do autor que eu li e gostei muito da experiência. Agora, estou curioso para ler O Evangelho de Sangue (The Scarlet Gospels), também publicado no Brasil pela editora DarkSide Books. Fica aqui minha indicação de leitura para quem gosta de livros de terror. Uma história com muitos ganchos, literalmente, que te leva a provar o gostinho de baunilha e podridão e a sentir dores de rasgar a pele, a alma e o coração.

Clive Barker, autor do livro Hellraiser

Sobre o autor 


Nascido e criado na Inglaterra, Clive Barker é um escritor conhecido internacionalmente, autor de vinte livros cuja temática varia de ficção adulta de horror à moderna série de livros infantis, Abarat. Também um artista amplamente aclamado e produtor de cinema, ele é mais conhecido como escritor e diretor do cult clássico de horror de 1987, Hellraiser – Renascido do Inferno, um filme que explora os temas do sadomasoquismo, dor como fonte de prazer e moralidade sob coação e medo. O filme é baseado na noveleta The Hellbound Heart e é o primeiro de uma franquia de sucesso, tendo gerado diversas sequências, Hellraiser foi elencado como o 19º na lista da Bravo dos “Cem Momentos Mais Assustadores do Cinema”. Clive vive em Beverly Hills, Califórnia. [Saiba mais em clivebarker.info]



Sobre o tradutor


Alexandre Callari é escritor, tradutor e editor de quadrinhos. Ele escreveu, entre outros, a trilogia Apocalipse Zumbi, um dos primeiros expoentes do gênero feito por um autor brasileiro e a trilogia Quadrinhos no Cinema. Entre as mais de 30 obras que já traduziu, estão Hellraiser e Os Senhores dos Dinossauros (ambos da Darkside Books). Callari é editor da DC Comics no Brasil desde 2010, tendo sido responsável pela publicação de diversas revistas, como os títulos mensais Batman, Liga da Justiça, Arlequina e Arqueiro Verde. Ele também é editor e apresentador do programa Pipoca e Nanquim, especializado em cinema e quadrinhos, atualmente um dos mais prestigiados do gênero no Youtube. Entre suas muitas atividades paralelas, Callari é artista marcial e lutador de MMA, tendo sido campeão em eventos como o Circuito Team Nogueira e a Copa São Paulo de Submission. Ele também é músico e chegou a lançar vários CDs com sua antiga banda, o Delpht.


E você, já leu Hellraiser? Ficou com vontade de ler? Comente abaixo!
***
Eu ia gravar vídeo para o canal sobre o livro Hellraiser, mas como já existem vários vídeos excelentes sobre o assunto, como o do Pipoca Musical, preferi escrever a resenha só para o blog mesmo e criar um gif com as imagens para mostrar um pouco do projeto gráfico. Quem sabe em breve o livro não entra em algum vídeo de indicação de leituras de terror?

PS: Se você gosta de fotografias criativas, não deixe de conferir as fotos da Desiree Baptista neste post temático sobre Hellraiser. As fotos ficaram incríveis!

Gosta das recomendações de leitura? Ajude o blog a crescer. Não se esqueça de conferir o último vídeo do canal e se inscrever!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários Recentes

Me acompanhe no Instagram