Pular para o conteúdo principal

Destaques

Um Conto Taiwanês de Duas Cidades: Série de romance e drama explora raízes, sonhos e amores

Uma série de romance e drama sobre duas mulheres conectadas por suas raízes de Taiwan, mas que seguiram caminhos bem diferentes e com personalidades moldadas pelas cidades em que viveram: enquanto uma cresceu em San Francisco, nos Estados Unidos, a outra passou a vida inteira em Taipei. A série A Taiwanese Tale of Two Cities (Um Conto Taiwanês de Duas Cidades, 2018) balanceia os idiomas e experiências culturais dos dois países, criando uma experiência prazerosa para quem deseja visitar ambos destinos turísticos. Essa produção taiwanesa foi um dos achados na Netflix . A mulher que nunca saiu do país, abraça as raízes da medicina chinesa e por causa do seu histórico de saúde frágil abriu mão de muitas coisas fora de sua zona de conforto, Lee Nien-Nien (Tammy Chen) que coincidentemente sonhava em conhecer San Francisco, acaba conhecendo a taiwanesa-americana Josephine Huang (Peggy Tseng), que embora tivesse curiosidades sobre sua origem, passou praticamente a vida toda nos Estados Unidos

Fake News de Saúde na Pandemia: Mentiras que matam

Quantas realidades paralelas existem dentro do Brasil? Não me refiro só às vivências pessoais e diferentes perspectivas de mundo, mas a um fenômeno que se consolidou nos últimos anos e se sustenta, se alimenta e se multiplica com base na desinformação.

Muitas perguntas são feitas e poucas são encontradas sobre quem cria e propaga fake news no Brasil. Entre interesses políticos, financeiros e ideológicos, até mesmo a área de saúde se tornou uma vítima, em plena pandemia. 

Com mais de um ano de pandemia e mais de 460 mil mortes por Covid-19 no Brasil, quem dirá no resto do mundo que já ultrapassa mais de 3 milhões de mortes... Embora deveriam ter mudado, alguns comportamentos problemáticos permanecem, muitas vezes, nutridos por informações duvidosas e profissionais que se pautam em pesquisas de baixa qualidade científica, ajudando a transformar questões insustentáveis em verdades absolutas  na mente de muitos. 

Para as pessoas que acreditam no bom jornalismo e na boa ciência, torna-se difícil acreditar que alguém seria capaz de cair em tantas fake news de saúde, principalmente em um momento delicado que exige mais atenção e cuidado com o tipo de conteúdo informativo consumido, as fontes consultadas, a credibilidade do veículo de comunicação e quando envolve o uso de medicamentos: quais as orientações de agências de saúde, pesquisadores, qualidade das publicações e da qualidade da metodologia da pesquisa.

Levando em conta que milhares de brasileiros exaustos pelo trabalho mal têm tempo para pesquisar a veracidade das informações e, muitas vezes, acabam repassando conteúdo nas redes sociais e em aplicativos de mensagens como o WhatsApp, sem nem mesmo ler, é mais preocupante ainda quando quem está por trás é um profissional da saúde, servindo como fonte de desinformação.

Em entrevista ao Roda Viva, o senador Randolfe Rodrigues definiu uma das estratégias atuais do governo, como a ‘Engenharia do Caos’, fazendo menção ao livro Os Engenheiros do Caos, escrito pelo cientista político italiano Giuliano da Empoli. Segundo o autor, políticos como Jair Bolsonaro e Donald Trump se utilizam de posicionamentos absurdos e contraditórios, populismo e ideias extremistas, bem como dos constantes ataques aos opositores e jornalistas – com exceção dos que os apoiam.

“Se, no passado, o jogo político consistia em divulgar uma mensagem que unificava, hoje se trata de desunir de uma maneira mais explosiva. Para conquistar uma maioria, não se deve mais convergir para o centro, mas adicionar os extremos” Giuliano da Empoli, Os Engenheiros do Caos

Diante de um cenário no qual milhares de pessoas são manipuladas por meio dos seus medos, angústias, desejos e, especialmente, do ódio, a tarefa de desmontar o ciclo de desinformação se torna praticamente impossível, pois não se trata simplesmente da ausência de fontes melhores ou de falta de conhecimento científico, muitas vezes, se trata de intencionalidade, viés e crenças.

O resultado é mais polarização e piora de situações que poderiam ser lidadas de uma forma mais harmônica. Por exemplo, como seria a pandemia se as pessoas tivessem respeitado as orientações de distanciamento social? Se as máscaras não fossem ignoradas por muitos, especialmente em aglomerações desnecessárias? Se as pessoas não tivessem ignorado a gravidade do Covid-19, influenciadas pela ideia de que se ficassem doentes, era só se tratarem – ainda que esses tratamentos não tivessem qualquer comprovação científica?

Vou além… Como seria se as orientações de autoridades da saúde confiáveis fossem escutadas em vez de escutar um Presidente que pouco entende do assunto ou outros médicos duvidosos? Como seria se a vacina tivesse sido comprada na hora certa e não fosse desacreditada constantemente? Como seria o Brasil se as pessoas parassem de atacar jornalistas, pesquisadores e profissionais de saúde que estão tentando levar informações sérias sobre a pandemia?

“Há ocasiões em que é errado ficar em silêncio e adotar a pose de profissionalmente imperturbado. Após mais de 25 anos como jornalista, eu estaria traindo minha profissão se apoiasse a degradação do valor central do jornalismo – a exatidão [...] Então, o que acontece quando as mentiras não só proliferam como também parecem ter menos importância – ou até importância alguma?” – Matthew D'Ancona, autor do livro Pós-Verdade

Em um terreno dominado por narrativas paralelas, enxergar a verdade se tornou algo improvável para milhares de brasileiros. Porém, eventualmente, com um exame de autoconsciência, aqueles que preferiram escutar as mentiras talvez lidem com traumas inimagináveis e percebam os riscos que as ferramentas digitais se tornaram não só para a democracia, como para o bem-estar e saúde pública. 

Afinal, se nos primeiros meses de pandemia, havia um desconhecimento sobre a doença e muitos brasileiros não imaginavam que chegaria ao Brasil com a mesma força, mais de um ano depois, aqueles que não aprenderam a lição e os que já sabiam da gravidade são unidos por um grito de dor coletivo: mentiras matam mais do que uma “gripezinha”!

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana