Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Serial killer que aterrorizou a Coreia do Sul nos anos 2000 é tema de série documental da Netflix

Estamos tão acostumados com casos de serial killers dos Estados Unidos e Reino Unido divulgados nos jornais ou explorados em livros e documentários, que causa até certo estranhamento assistir à nova série documental da Netflix: The Raincoat Killer: Chasing a Predator in Korea (O Assassino da Capa de Chuva: Caça ao Serial Killer Coreano). Mas não só para o telespectador é algo esquisito, a própria população e a polícia tiveram dificuldades com o caso pela falta de precedentes na época em que aconteceu nos anos 2000.

Assistir à série documental é como ver a Coreia do Sul sem maquiagem, literalmente. Um lado mais realista e menos fofo ou vibrante, marcas que são reproduzidas em tantos dramas coreanos e fazem parte da indústria cultural do país asiático. 

Saindo um pouco da tendência de muitos documentários sobre serial killers que tentam destrinchar a personalidade e o histórico do assassino para tentar compreender melhor suas motivações criminais, O Assassino da Capa de Chuva se foca mais no trabalho policial por trás, bem como de outros profissionais envolvidos, trazendo inclusive entrevista com o advogado de Yoo Young-chul, o assassino em série confesso.

Sem muitas informações biográficas, fica difícil entender a mente do assassino que apresenta traços mistos de serial killer organizado e desorganizado: alguém que embora agisse com seus impulsos violentos e tinha mulheres e idosos ricos como alvos, também era capaz de viver uma vida dupla e desmembrar os pedaços de corpos em seu próprio apartamento, se livrando dos restos de suas vítimas sem levantar suspeitas sobre si mesmo.

Uma informação interessante apresentada na série documental é a de que após o caso, mudanças aconteceram na polícia e o serviço melhorou. Seja por ser algo meio desconhecido na época para os oficiais, ou por uma suposta preocupação com promoção e fama, alguns deslizes foram cometidos e os responsáveis pela investigação policial foram bastante criticados pela imprensa e pelos familiares que acreditavam que se ele tivesse sido capturado antes, vidas poderiam ter sido salvas. 

Por causa do estado dos corpos das vítimas e da maneira que ele limpava o local onde cometia os assassinatos e cortava os cadáveres em pedaços, a polícia teve dificuldade inicial para encontrar evidências e identificação das mulheres assassinadas. Mesmo com a confissão feita pelo serial killer, precisavam de provas suficientes para incriminá-lo e, embora tivesse uma visão doentia que motivava seus crimes contra alvos específicos, se não fosse por causa da colaboração do assassino, inúmeros casos permaneceriam sem solução.

Com um falso moralismo ao atacar mulheres que trabalhavam como prostitutas e um distorcido senso de justiça social ao matar idosos endinheirados, como muitos assassinos em série, Yoo Young-chul não pararia de cometer crimes até o dia em que fosse preso, movido por suas obsessões e um suposto delírio de grandeza, como se fosse divino. 

Ao mesmo tempo em que dá alfinetadas no trabalho policial da época, enaltece os que se dedicaram e transformaram suas carreiras pelos esforços, a série documental comete o erro semelhante de não aprofundar na biografia do assassino, talvez pelo respeito aos familiares ou pelo medo de que pudesse influenciar de alguma forma outros potenciais criminosos – chegam a tratar com tabu até demais ao não revelar o rosto por trás da máscara. 

Um grande acerto é de que a série documental não abre margem para uma suposta empatia por quem não teve nenhuma compaixão, como alguns documentários caem na armadilha a ponto de muitos telespectadores se focarem tanto no aspecto social dos possíveis sofrimentos dos assassinos, que se esquecem de que o assunto é muito mais complexo e também envolve componentes biológicos. 

Embora tenha três episódios, seria mais interessante se a série aprofundassem mais em alguns assuntos e discutisse outros, no entanto, vale como um registro documental sobre esse caso cheio de requintes de crueldade que fez cerca de 20 vítimas. 

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Me acompanhe nas redes sociais:

Twitter: https://twitter.com/BenOlivDreamer

Facebook: https://www.facebook.com/BenOliveiraDreamer

Instagram: https://instagram.com/benoliveiradreamer

Comentários

  1. Deixo aqui o link para a Loja de Livros Digitais de Autoajuda, negócios, investimentos, empreendedorismo e administração.

    http://lojadolivrodigital.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana