Pular para o conteúdo principal

Destaques

Welcome to Wedding Hell: Drama coreano sobre a pressão de organizar casamento

Das diferenças de perspectivas até opções de escolhas movidas por questões financeiras e/ou pessoais, Welcome to Wedding Hell é uma série coreana que aborda como o simples pedido de casamento e suas consequências podem se tornar algo insuportável para todos envolvidos, especialmente para o casal que sente a maior pressão. Disponível na Netflix. O que deveria ser algo prazeroso se torna rapidamente em algo doloroso e confuso para os envolvidos na preparação do casamento. Com o estresse, vem os desencontros entre os personagens, que precisam lutar para se reconciliarem até a data do evento de união. O que eles julgavam que seria mais simples e teriam mais autonomia por parte da família, acaba se transformando numa recorrente dificuldade de comunicação e expressão sobre os sentimentos. Para agradar um, outro acaba sendo desagradado e não há uma solução tão fácil de ser tomada como costumaram imaginar. Welcome to Wedding Hell é um drama coreano curtinho, ideal para quem não gosta de drama

Resenha: O Colecionador – John Fowles

Thriller de estreia do escritor John Fowles, O Colecionador (The Collector) abordou um assunto que tem se tornado cada vez mais comum, mas que para a época poderia ser chocante. A edição da DarkSide Books publicada em 2018, com tradução de Antônio Tibau, conta com uma introdução instigante escrita pelo Stephen King

Compre o livro O Colecionador (John Fowles): https://amzn.to/3KuKcAE

Narrado em primeira pessoa por Clegg, um entomologista que coleciona borboletas e fica obcecado por Miranda, uma jovem estudante de arte, O Colecionador impressiona pela data original de publicação, 1963. Dá para perceber a clara influência que o livro teve em outras obras de suspense e thriller em diferentes formatos midiáticos. O que nos dias atuais pode parecer até trivial devido às notícias e popularização de narrativas ficcionais e reais sobre stalkers, só consigo imaginar a força que o romance thriller teve quando foi lançado.

Clegg oscila entre a ingenuidade de um amor platônico e a possessividade que ecoa até os dias atuais de quem vê um relacionamento amoroso como uma prisão, seja no sentido literal ou metafórico. Devido à narração em primeira pessoa e o contato direto com seus pensamentos, o romance acaba servindo como uma experiência de entrar na mente de um psicótico que, ao mesmo tempo em que age como um sequestrador, ele tenta ignorar o lado sombrio das coisas que fez e demonstra uma visão distorcida de que sente empatia, a ponto de achar que há possibilidade da vítima gostar dele.

Longe de ser alguém experiente na captura e cárcere privado, Clegg é um adulto que parece um adolescente desajeitado em conflito com suas emoções e mesmo quando tenta passar a sensação de que as têm sob controle, Miranda consegue pressioná-lo para testar quais são os limites e as intenções do homem, a ponto de jogar com suas fantasias românticas e possivelmente sexuais, enquanto busca alternativas para tentar fugir do cárcere. 

Enquanto a primeira parte do livro é narrada em primeira pessoa por Clegg, a segunda traz trechos dos diários escritos por Miranda, nos quais ela revela suas artimanhas para provocar seu sequestrador, suas tentativas de fuga e ao passar dos dias é possível acompanhar a estranha dinâmica que se desenvolve entre os dois, bem como isso a faz refletir sobre seus relacionamentos e conflitos familiares.

“Sou uma entre uma fileira de espécimes. É quando tento bater as asas que ele me odeia. Meu papel é estar morta, presa por um alfinete, sempre a mesma, sempre linda. Ele sabe que parte da minha beleza reside em estar viva, mas é morta que ele me quer. Ele me quer viva-porém-morta” – John Fowles, O Colecionador

Para quem gosta de criminologia, O Colecionador serve como uma espécie de estudo de caso, tanto para entender melhor o comportamento de criminosos perseguidores e obcecados, bem como da vitimologia e dos erros que as vítimas podem cometer para tentar sobreviver, colocando suas vidas em perigo ao instigar – ainda que seja algo, muitas vezes, resultante dos instintos ou por subestimar a possível reação do raptor, por meio de uma falsa sensação de familiaridade e compaixão e o desenvolvimento da questionável Síndrome de Estocolmo. 

A sensação angustiante de que o tempo não passa e o desconforto crescente de Miranda são transmitidos ao longo da leitura. Como um experimento social, é curioso acompanhar como ela reage, mas como ser humano, é impossível não se sentir incomodado e pensar em quantas situações similares acontecem diariamente pelo mundo e, muitas vezes, são sequer descobertas. 

Os relatos de Miranda chegam a drenar a energia, seja pelo excesso de lamentações sobre o que poderia ter feito e não fez, pelas memórias de sua paixão por um artista mais velho do que ela ou pelo tédio fulminante de quem está encarcerado e de tanto se encarar, acaba enfraquecendo seu espírito e deteriorando sua saúde mental.

Miranda é como uma borboleta tentando seduzir o captor que a prende nas mãos; embora tente usar sua beleza para seduzi-lo, como se isso fosse despertar qualquer sentimento capaz de fazê-lo libertá-la, quanto mais ela se debate interna e externamente, mais suas asas vão se despedaçando e esfarelando.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Me acompanhe nas redes sociais:

Twitter: https://twitter.com/BenOlivDreamer

Facebook: https://www.facebook.com/BenOliveiraDreamer

Instagram: https://instagram.com/benoliveiradreamer

Comentários

Mais lidas da semana