Pular para o conteúdo principal

Destaques

Subdiagnóstico de autismo, números e incoerências

O brasileiro é muito individualista. Ao mesmo tempo que vejo pessoas reclamando que os números do Censo vão dar abaixo por causa dos subdiagnósticos de autismo, já vi muita gente acusando pessoas com laudo fingirem que eram autistas.


Como explicar a volatilidade? Nem tento entender o que se passa na mente do brasileiro.

Os discursos são sempre contraditórios. Por causa de polarização, todo mundo sai perdendo.

Já vi até gente dizendo que o laudo é só um papel. Se é só um papel, a pessoa, então, não precisa de um diagnóstico? Logo, por que ser contabilizada? Sejam mais coerentes nos discursos.

Incoerências dos brasileiros sobre subdiagnósticos:

– Já vi gente acusando autista de fingir, mesmo a pessoa tendo laudo;

– Já vi gente se posicionando contra diagnóstico precoce, achando que seria ruim, desconhecendo a questão da plasticidade cerebral;

– Já vi gente dizendo que autismo nem deveria ter CID;

– Já vi gente dizendo que o outro não é autista, só porque sabe argumentar e é diferente do …

Resenha: Manual de Radiojornalismo: Produção, ética e Internet

O livro Manual de Radiojornalismo: Produção, ética e Internet foi escrito em 2001 por Heródoto Barbeiro e Paulo Rodolfo de Lima (juntos os autores também elaboraram o Manual de Telejornalismo: Os Segredos da Notícia na TV).

Imparcialidade do jornalista

A introdução do livro fala sobre um assunto bastante polêmico no jornalismo: a imparcialidade. Os autores acreditam que a imparcialidade não passa de uma utopia e comentam: "O jornalista tem seu próprio mundo e valores. Toma sempre partido, de uma forma ou de outra, nas notícias que divulga ou comenta. Não há como separar informação de opinião".

Deixando a crença de imparcialidade de lado. A melhor forma talvez de informar a sociedade é através da isenção. É mostrar todos os lados dos envolvidos, "é a busca constante do que se entender ser a verdade".

Ética

Sugestões para uma Conduta Ética é o título do primeiro capítulo do livro. Nele os autores explicam: "A ética é uma reflexão crítica sobre a moralidade". Os jornalistas precisam de um código de valores. (Leia o Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros)

Nas sugestões para uma conduta ética são discutidos assuntos como: o interesse público, o sensacionalismo, o jabá (jargão jornalístico para presentes), a credibilidade, a omissão, a isenção e a distinção entre opinião e informação.

Rádio via Internet

A Internet possibilitou a globalização do rádio, "com o simples clicar do mouse, é possível ouvir uma rádio de Nova York, Manela, Zagreb ou da Rocinha". A forma de se fazer publicidade na rádio vai se transformar: "as agência de publicidade vão produzir anúncios locais, nacionais ou internacionais com a mesma cobertura e alcance".

Os autores ainda falam da desmonopolização do rádio, contribuindo com a democratização deste meio de comunicação. A concessão pública perderá importância, pois "na Internet não é preciso pedir licença a ninguém: está aberto a todos".

Outros assuntos interessantes abordados no livro são: entrevista, reportagem, produção, pauta, texto, edição, jornalismo esportivo, pronúncia, redação, o rádio e a política, credibilidade.

Autores

* Heródoto Barbeiro é jornalista da CBN e da TV Cultura, gerente de jornalismo do Sistema Globo de Rádio - São Paulo, articulista em jornais, revistas e Internet. Autor de livros na área de treinamento para empresas, jornalismo, história e religião.

* Paulo Rodolfo de Lima é editor da Rádio CBN - São Paulo.

Comentários

  1. Livro bastante importante para que está fazendo jornalismo e não somente para estes. As pessoas deveriam saber um pouco mais sobre o assunto antes de se julgarem jornalistas. Os assuntos abordados no livro são muito bons. Adorei o post bem explicativo.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom teu blog, perfeito.! Pretendo fazer jornalismo aqui na UFPA, apesar dessa profissão estar um tanto quanto desvalorizada, graças ao Gilmar M.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana