Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Balanço da Semana Apolo da Diversidade Cultural LGBT

Foi um momento muito importante para mim nesta semana, quando minha crônica “Fragmentos de Mim” foi lida pelo ator Leandro Faria. Me emocionei! Obrigado novamente aos meninos da Rede Apolo pela oportunidade.
É gratificante ver o seu texto sendo reconhecido pelos outros.
A crônica foi lida na terceira noite da Semana Apolo da Diversidade Cultural LGBT, um evento voltado não só para o público de gays, lésbicas e trans, mas também heterossexual, no qual foi possível conferir um pouco do trabalho dos artistas LGBT de Mato Grosso do Sul, debater a questão do preconceito, dos gêneros e da identidade sexual.

No total foram quatro dias de evento. O destaque do primeiro dia foi a entrega dos troféus para as personalidades e profissionais de Mato Grosso do Sul e suas ações em prol da causa da diversidade sexual. No segundo aconteceu um recital de poema e exposição de artes. No terceiro a leitura da crônica, exibição de curtas-metragens e mesa de sujeitos LGBT. O último dia que foi o mais movimentado aconteceu um desfile de moda e sarau cultural.

Um dos ganhadores do sorteio do livro de contos com temática gay, Homossilábicas 3.
Foi uma experiência maravilhosa de ver minha própria produção sendo aplaudida e as pessoas ansiosas para ganharem o livro Homossilábicas 3 no sorteio. No entanto, creio que a importância maior da Semana da Diversidade Cultural LGBT está nos efeitos das falas, ações e interações dos artistas, autoridades, personalidades e profissionais que participaram, tentando abrir a cabeça do público e mostrar que todos nós temos problemas e quando se trata do respeito à nossa identidade sexual e orientação sexual, ainda há uma luta grande pela frente.

Durante o evento os participantes tiraram fotos com a frase “Daniel Pereira, você não está sozinho”. Mais do que uma simples frase, a proposta era a dos envolvidos se solidarizarem com o homem trans que por causa da discriminação da família, da sociedade e da omissão do Estado Brasileiro, tentou suicídio. É importante lembrar que o preconceito sofrido pelos gays, lésbicas, travestis e transexuais não vem só dos heterossexuais, mas acontece dentro do meio LGBT. Daniel também foi vítima dos comentários discriminatórios de outros homens trans.


Além de Daniel, milhares de LGBT sofrem com o preconceito diariamente. A Semana Apolo da Diversidade Cultural LGBT veio a somar para Campo Grande (MS) e acredito que apesar de não ser o suficiente, já que o preconceito é grande, independente do gênero, classe, identidade, é melhor dar alguns passos do que ficar de braços cruzados. E como dito acima, não é preciso lutar somente contra a discriminação pelos heterossexuais e manter os olhos abertos para aquela que acontece ao nosso redor.

Parabéns aos membros da Rede Apolo, em especial ao David Andrade e Bruno Vilela e ao advogado e Presidente da Comissão da Diversidade Sexual da OAB/MS, Júlio Valcanaia. Desejo também parabéns a todos os que participaram, afinal, é muito fácil reclamar da cidade, dizer que não tem muitos eventos culturais voltados para o público LGBT e falar sobre o preconceito, mas quando há a oportunidade de debater opiniões e refletir sobre o assunto, não participar. Acredito e espero que as próximas edições do evento sejam mais frequentadas!

Comentários

  1. Ben, ler suas impressões sobre a Semana Apolo me encheu de satisfação e alegria. Este é o primeiro evento da Rede que sequer tem ainda seis meses de existência, por tal motivo ele é muito especial, sem falar nas pretensões e objetivos que foram pensados. Então, ao perceber você ainda mais consciente e sensibilizado com algumas questões e reflexões que foram provocadas, por termos proporcionado um momento tão especial que foi a declamação de tua crônica, valeu muito à pena. Forte abraço. Júlio Valcanaia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana