Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Profissionais antiéticos envolvidos com tratamentos proibidos e perigosos

Quando lancei uma campanha contra tratamentos sem evidências científicas do autismo, tive pouquíssimo apoio. Isso me ajudou a ver quem é quem, quem coloca as cartas na mesa ou não, quem está/estava com medo.


Infelizmente, além de estarmos abertos às ameaças abertas ou veladas, também existe muito silenciamento; muitas famílias fazendo tratamentos que são proibidos e perigosos e profissionais antiéticos que deveriam ser processados e/ou deveriam perder a licença.

Em vários países, isso já deu processos e prisões, mas no Brasil, nada é como deveria ser. Alguém fica chocado de viver no mundo invertido?

Tem gente que adora brincar com fogo. Gente que difama autistas adultos e quase implora por um processo.

Preciso lembrar que essas coisas são crimes? Ah, não sabia? Agora já sabe.

Uma dica: A verdade demora, mas ela sempre vem. Não é que o Xadrez nos ensina algumas coisas?
Quanto à impunidade e a desinformação, pode ter certeza que vou continuar fazendo minha parte de passar informações de …

Resenha: Os Céus de Van Gogh – Thiago da Silva Prada

Os Céus de Van Gogh é o título do livro de poesias do escritor Thiago da Silva Prada, de 94 páginas, publicado em 2014, pela Caligo Editora. A obra é um belo convite ao leitor desacelerar um pouco e enxergar através dos olhos do poeta.

Resenhar um livro de poesia é um desafio para mim, pois estou habituado a ler mais prosa (romances e coletâneas de contos). Logo no início de Os Céus de Van Gogh, o leitor é presenteado com um belo prefácio escrito por Fábio Shiva, no qual ele ressalta a importância da poesia para a vida humana, além de descrever um pouco do trabalho do poeta.

“O poeta é aquele que enxerga o óbvio, em seu esforço heroico de olhar o mundo como se sempre o estivesse vendo pela primeira vez. E a obviedade maior é que o óbvio só pode ser expresso no mundo dos homens sob a linguagem sutil da Poesia”.

Após o texto que nos anima a iniciar a leitura, também somos brindados pela apresentação escrita pelo Thiago da Silva Prada, na qual ele fala sobre sua visão sobre as coisas, como o céu que nunca é o mesmo e suas sensações ao observar as obras pintadas por Vincent van Gogh e suas experimentações estéticas para conceber o mundo percebido e sentido por ele.

Ao longo das 94 páginas do livro, o leitor pode se deliciar com as 64 poesias. Os textos abordam questões universais, como os sonhos, a vida, o amor, a morte, o tempo, a solidão e a tristeza, nos quais através da leitura em voz alta e das diferentes estruturas, viaja-se pelas palavras e navega-se pelos olhos do poeta.

Escritas entre os anos de 2004 e 2010, ao decorrer das páginas é possível sentir o aprofundamento das poesias e reflexões, além de suas referências culturais e suas visões do mundo. Impossível ler “As rosas da rainha”, por exemplo, e não se lembrar da Rainha de Copas, personagem de Alice no País das Maravilhas. E como é gostoso colocar os óculos do poeta e imaginar o que foi escrito. Para sentir na pele e na alma os textos intitulados Insomnia, basta ler o livro durante a madrugada, como eu fiz, e se deixar levar pelas metáforas. Em Amor no Escuro o leitor vivencia a diferença entre o ver e o enxergar deste sentimento que nem sempre é recíproco.

Para quem, como eu, lê pouca poesia – o que, aliás, não recomendo! –, Os Céus de Van Gogh encantam pelas pulsões de vida entre as palavras, suas metáforas e maneiras de nos fazermos reviver experiências do poeta que se misturam às nossas próprias lembranças.

Aliás, o livro traz uma poesia homônima do título que é uma viagem, na qual nos vemos encarando o mesmo que o autor, o quadro, suas árvores retorcidas e o céu, as linhas tortas, redescobertas e a dinâmica da arte, como representação de que “A Poesia está viva”, como lembra Fábio Shiva – ilustração de Marcelo Pietragalla que é possível enxergar na capa, poeta que escreveu junto com o autor alguns dos textos.

Os Céus de Van Gogh é o tipo de leitura que é tão gostosa de ler que você vai devorando e nem se dá conta de que o tempo está pensando. A capacidade de síntese do poeta me deixou maravilhado pelo poder que algumas palavras têm de despertar sentimentos e memórias, através dos diferentes ritmos e quebras. Mais do que o amor à vida, ao longo das linhas é possível sentir a afeição do autor pela escrita, como em Parto Poético, na qual a Poesia é parida, literalmente.

Para quem ficou curioso. No site da Editora Caligo é possível ler alguns trechos do livro

Poeta Thiago da Silva Prada. Foto: Marcelo Pietragralla.
Sobre o autor – Thiago da Silva Prada, nascido em 1985, na cidade que intitula “devoradora de Homens”, busca a eternidade nas palavras. Um bicho de sete cabeças, quimera de livros, filmes, pensamentos, filosofias, poesias que se entrelaçam. Tem uma queda pelo Romantismo, se debate com os monstros da Razão, mas cumprimenta os que estão debaixo da cama. Está no Mestrado em Ciências Sociais na PUC-SP, formado em Psicologia, apaixonado por Filosofia, apreciador de Literatura e Cinema, jogador de xadrez nas horas vagas, poeta por necessidade existencial e leitor por ofício de vida. Os Céus de Van Gogh é seu livro de poesias de estreia.

Os Céus de Van Gogh pode ser comprado na loja virtual da Caligo Editora!  

O livro também está presente no Skoob.

Conheça também: Da Noite Sem Fim – Thiago da Silva Prada

Comentários

Mais lidas da semana