quarta-feira, 3 de maio de 2017

Escrita Maldita: Livro em versão impressa e possibilidades ao escritor nacional

Já conhece Escrita Maldita? Meu romance entrou algumas vezes no ranking de livros mais vendidos de terror na Amazon Brasil. Inicialmente disponível somente no formato de eBook para Kindle (e-reader e/ou aplicativo disponível para celular, tablet e computador), o livro também está disponível em formato impresso através do KDP Print, mas só em algumas lojas internacionais (Amazon dos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Espanha, Itália e Japão) – até o momento em que escrevo este post para o blog,  ainda não disponibilizaram na Amazon Brasil.


O KDP Print é o novo serviço oferecido pela Amazon que vem com a proposta de facilitar o processo de disponibilização de livros impressos. Por enquanto, o serviço está em fase beta e tem algumas limitações em relação ao CreateSpace, mas tudo indica que em breve tudo será normalizado. A previsão é de que em breve seja disponibilizado o recurso de distribuição expandida, possibilitando que os livros impressos sejam vendidos na Amazon de diferentes países, bem como em livrarias e sites que não pertencem à empresa multinacional de comércio eletrônico.

Fiquei muito feliz esta semana, pois além da novidade de disponibilizar o livro impresso na Amazon, também recebi um comentário da leitora Cristiane Welter que me encheu de energia. Ser autor independente no Brasil ainda é um desafio para muitos, principalmente se escreve para algumas temáticas que não são tão comerciais, como a de terror.

"De todos os livros que comprei em 2017 (que não são poucos) esse foi a melhor aquisição de longe. Fiquei chocada com o livro, é extraordinário. Bem desenvolvido e bem escrito, vocabulário fantástico. Desse autor eu leio até a lista de compras!" – Cristiane Welter 

Uma das partes interessantes do mercado para autores independentes é quebrar algumas barreiras de preconceitos que ainda são comuns e diariamente são compartilhadas mesmo entre alguns escritores: "Não gosto de livros nacionais", "Escritores brasileiros escrevem mal", entre tantas outras que já comentei e muita gente está cansada de ler e ouvir. No Brasil, ainda há uma forte resistência com escritores que não são publicados em editoras tradicionais. O mercado é muito mais fechado do que fora, onde existem centenas de agentes literários e editoras, além de inúmeras possibilidades mesmo para quem se aventura no terreno da publicação independente.

Se você quer se destacar como escritor brasileiro, além de escrever bem, precisa ter noções de marketing, publicação e ter muita persistência: é um ofício bem desvalorizado, até mesmo entre os próprios escritores que não têm pretensão de viver de escrita – entre os próprios autores existem diferentes tipos e alguns se dedicam integralmente à escrita de livros, enquanto para outros tanto faz ou publicam só para satisfazer o ego e a vaidade. Explico, é cada vez mais comum ver prestadoras de serviço se passando por editoras tradicionais e quem desconhece como funciona o mercado editorial, entra no coro e fica repetindo bobeiras, como o único jeito de publicar no Brasil é pagando. E para quem é escritor profissional, essas máximas além de serem cansativas, só desgastam mais ainda, pois o mercado se nivela por baixo não em questão de qualidade literária (outro preconceito comum), mas de se tornar tão comum o escritor pagar para ser publicado em vez de ser pago, que as chances dele continuar investindo na escrita, muitas vezes, morrem nos anos iniciais. Dá para observar muita gente que fica preso no ciclo e não consegue abrir as asas, mesmo que de forma independente.

Ah, mas na Amazon você também não vai pagar para publicar? O Kindle Direct Publishing (KDP) possibilita que você coloque praticamente de forma gratuita o eBook lá e entre as opções de royalties estão 35% ou 70%, já no formato impresso de até 60% dos royalties, além de ser um serviço de publicação por demanda, possibilitando que você não precise bancar uma tiragem de impressão e disponibilizar para que o leitor compre seu próprio exemplar do livro diretamente com a Amazon, que além de imprimir, recebe o pagamento, repassa os royalties para o autor e envia para a casa de quem comprou. Apesar de ainda ser um serviço limitado no Brasil através do KDP Print, aparentemente a Amazon está guardando algumas cartas na manga, principalmente por causa do investimento em lojas físicas nos Estados Unidos e ser mais viável comercialmente venderem mais de seus produtos do que de outras editoras. O próprio CreateSpace da Amazon, por exemplo, serve como plataforma de impressão e distribuição, não só para autores independentes, mas para pequenas e médias editoras internacionais, que nem sempre dão conta da demanda e buscam modos alternativos de publicação de livros e de fazê-los circular não só dentro do país, mas pelo mundo.


No Brasil, o cenário para autores independentes vai melhorar bastante, se a Amazon fechar parceria com alguma gráfica. Os preços dos livros ficariam mais acessíveis e o leitor não teria que pagar o frete, já que no momento, os livros são impressos nos Estados Unidos e por meio do KDP Print, só estão disponíveis nas lojas da Amazon no exterior. Embora no momento o CreateSpace ofereça mais possibilidades do que o KDP Print, ou os dois serviços da Amazon vão coexistir ou, no futuro, o KDP vai absorver de vez o serviço antigo. Até lá, até mesmo os autores internacionais que apostam na Amazon estão inseguros sobre qual caminho seguir: permanecer no CreateSpace ou migrar para o KDP Print – tema de debates semanais nos fóruns.

Como eu afirmei, o problema do país vai além da qualidade da escrita, como se acredita, ou do baixo índice de leitura, mas também passa pelas dificuldades de autores encontrarem opções favoráveis para quem está há anos se dedicando à jornada de escritor profissional e no terreno da ficção contemporânea e suas inúmeras vertentes, não é preciso ir muito longe para ver como ainda é muito fechado para escritores brasileiros. Visite livrarias. Em algumas livrarias, os livros ficam esquecidos nos cantos, isto quando o próprio leitor encontra algo e não se surpreende por ser um autor brasileiro: "É livro nacional, mas é muito bom". Aí entra um diferencial de lojas de livros online, como a Amazon, que ajudam a mostrar diferentes obras de acordo com categorias, temáticas, sinopses, ranking e demais informações.

Diante de um cenário conturbado para autores nacionais, muitos acabam investindo em formas diferentes, como financiamento coletivo, busca por patrocínio e explorando diferenciais na qualidade do projeto gráfico e no marketing. Eventualmente, alguns conseguem atrair atenção de editoras tradicionais, mas outros permanecem como autores independentes durante a vida inteira. Não importa qual caminho o escritor vai seguir, desde que se esclareça de que não há nada de errado em ganhar dinheiro com a publicação e venda de seus livros – assim como acontecem em outros países. Ser escritor pode ser um trabalho mágico, como muitas artes são, no entanto, vale lembrar que assim como existem diferentes profissionais em qualquer área que alguns estão lá temporariamente, só por lazer ou qualquer outro motivo amador, outros constroem uma carreira profissional em cima disso, levam a sério o que estão fazendo e dependem dessa renda para sobreviver.

***
Após se tornar um best-seller com seu romance de terror de estreia, Daniel Luckman está prestes a realizar um sonho: escrever um livro com Laurence Loud, um dos melhores escritores de horror dos últimos tempos. Quando o colega põe os pés em sua casa, coisas estranhas começam acontecer. A linha entre a ficção e a realidade, a loucura e a sanidade, os pesadelos e as alucinações se dissolvem. Uma história de mistérios, passados sombrios e amor. Quando dois escritores de terror se juntam para escrever uma história, tudo pode acontecer.

O processo de criação pode ser intenso, as emoções podem ficar confusas. Você estaria disposto a sacrificar tudo pelos seus sonhos?



Leia Escrita Maldita, disponível na Amazon.

*Ben Oliveira é escritor, redator freelancer, blogueiro e jornalista por formação. Tem contos publicados na Amazon e em diversas coletâneas e é autor do livro de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1), disponível no Wattpad e do livro Escrita Maldita, publicado na Amazon.  Nasceu em 1989, morou grande parte da vida em Campo Grande (MS) e atualmente vive em Blumenau (SC). Mantém o blog www.benoliveira.com

2 comentários:

  1. Eu quero a versão impressa desde o dia que você publicou a história! Mas queria autografado :)
    Muito legal esses incentivos da Amazon, fico muito empolgada a voltar a escrever mas, por enquanto só na vontade mesmo! Sucesso sempre para você!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Michele! Muito obrigado pelo seu apoio. Sempre fez MUITA diferença pra mim, acredite ou não! Eu vou ver se com o tempo consigo fazer uma tiragem impressa, provável que em alguma gráfica no Brasil, até a Amazon normalizar essas questões. E quanto às possibilidades, é bom você saber que existem formas e que, sim, sua escrita pode ajudar muita gente ♥ Até mesmo do mundo, né? Acho essa a parte mais bacana da Amazon, principalmente se o conteúdo estiver em inglês.
      Gratidão por tudo! Desejo muito o seu sucesso também. Muita paz pra gente!

      Excluir

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários Recentes

Me acompanhe no Instagram