segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Resenha: Ed e Lorraine Warren: Lugar Sombrio – Ray Garton

Relatos de casas mal-assombradas despertaram há séculos e ainda despertam o interesse das pessoas de diferentes lugares do mundo. Escrito por Ray Garton com base nos relatos de Carmen Reed e Al Snedeker, o livro Lugar Sombrio (In a Dark Place), conta a história de um dos casos investigados por Ed e Lorraine Warren, que ficou conhecido como a Assombração de Connecticut e serviu de inspiração para o filme de terror, Evocando Espíritos. Essa edição foi publicada pela Darkside Books no Brasil.


Como sempre acontece com leituras sobre essas temáticas, o que influencia bastante se você vai gostar ou não do livro, é se você acredita ou não em fenômenos paranormais. Eu quis ler esse livro, porque eu tenho curiosidade sobre o assunto e também porque eu sou escritor de terror e acaba servindo como material de pesquisa para o próximo livro que estou escrevendo. Se você é cético e/ou não gosta de histórias de terror, talvez Lugar Sombrio não seja o livro mais adequado para você.

Minha curiosidade sobre os Warrens já me levou a pesquisar sobre a vida do casal para outras postagens aqui no blog. Esse livro coloca em dúvida o que realmente teria acontecido lá. Não dá para afirmar que tudo foi inventado, mas parte das histórias foram ficcionalizadas, o que já deixaria de lado a classificação de não ficção. Mas, se você também é curioso, como eu e gosta de filmes de terror sobre casas mal-assombradas, vale a pena ler mesmo assim. Em vez de ler acreditando em tudo o que está escrito, você pode pensar como um livro de terror light: light, por que? Porque o autor não teve liberdade completa. Não é 100% ficcional, mas também podemos dizer que não é uma história confiável.

Em algumas entrevistas, o escritor de terror, Ray Garton contou que fechou um contrato para escrever essa história. Eu vou resumir a questão, mas quem quiser pode procurar na internet. Quem assistiu ao meu vídeo com curiosidades sobre Ed e Lorraine Warren já me ouviu falar nisso. Ray Garton disse que a história contada pela família não batia e quando ele procurou o Ed, o demonologista disse que as pessoas que os procuravam eram loucos e que ele deveria usar o que ele tinha e inventar o resto, pois ele tinha sido contratado para escrever um livro assustador. Para quem é cético, isso acaba sendo uma prova de que o charlatanismo estava presente na carreira dos Warrens. Para quem acredita, uma possível explicação seria como o evento traumatizou a família e como experiências são únicas – toda memória acaba sendo uma forma de ficção, já que ela nem sempre é fiel e diferentes pessoas se lembram dos mesmos acontecimentos de acordo com suas percepções na época.

Tendo essas informações iniciais em mente, lugar sombrio é um livro que conta a história de uma família que se mudou para uma casa que antes era uma funerária. O primeiro a experimentar os acontecimentos estranhos na casa é o Stephen, um garoto que eles descobrem que tinha câncer. Grande parte do livro se foca nos problemas que eles tiveram com o adolescente, porque ninguém acreditava nas coisas que ela dizia ver até acontecer o mesmo com eles.

“Independentemente de onde Stephen fosse dentro de casa, ele não conseguia afastar a vaga sensação de que havia outra coisa ali, uma presença que não era a da família, algo que os observava... talvez esperando por algo. Porém, ele não compartilhou essas sensações com quem quer que fosse, em grande parte porque estava muito óbvio que ninguém acreditaria nele” – Lugar Sombrio, Ray Garton

Ao longo da leitura dá para perceber que a família tinha lá seus problemas, especialmente envolvendo o álcool, entre outras questões mais delicadas que são exploradas. E a dinâmica entre eles mostra um pouco também alguns dos preconceitos da época, que explicam a mudança de comportamento do garoto, como em relação ao Metal – roupas e músicas. Talvez para os leitores mais novos não seja tão familiar esse preconceito, mas na época em que o livro foi escrito, as igrejas, escolas e religiosos associavam alguns gêneros musicais a coisas negativas.

Não tem como falar muito sem tirar toda a graça da leitura, mas o livro começa a ficar mais emocionante quando as coisas fogem de controle e diferentes membros da família presenciam os fenômenos estranhos, a ponto de eles procurarem Ed e Lorraine Warren em busca de ajuda. Mesmo nos estágios iniciais, Stephen é descreditado, seja por sua doença ou pelos seus comportamentos da adolescência.

“Às vezes, o cheiro de carne podre ou de fezes humanas os atacava em uma ou outra parte da casa, um odor tão denso e lacrimejante que eles tinham certeza de que, se olhassem para baixo, se encontrariam em pé em uma pilha de imundices apodrecidas e em decomposição. Contudo, nunca havia algo no chão em volta deles, e o odor durava apenas alguns instantes, um fedor revoltante soprado por uma brisa, ali em um momento, passado no seguinte, quase uma provocação” – Lugar Sombrio, Ray Garton

Quando você se conecta com a história, é difícil não ficar curioso para saber o que vai acontecer Se você gosta de histórias com temática sobrenatural, há alguns elementos em comum, como as manifestações que poderiam ser causadas por poltergeists, mas que, segundo os investigadores e a família, eram espíritos malignos. Cheiros estranhos, sombras, barulhos, vozes, toques... Dá para imaginar?

As partes mais interessantes são as mais curtas. Gostaria que o autor tivesse explorado mais as reações da Lorraine Warren. Acredito que a clarividência dela seria um diferencial bem grande para o livro. O livro se foca mais na percepção da família, mas não deixa de ser envolvente, apesar de ser bem difícil simpatizar com os personagens, especialmente por uma possível relação com o que está acontecendo – pessoas reais têm falhas e mesmo nem sempre ficando explícitas, nas entrelinhas, dá para perceber o papel de Carmen e Al nos conflitos internos.

“Atravessando a rampa de concreto – as sensações ruins ficando mais sombrias –, entrou no cômodo seguinte, onde a talha elétrica esperava cadáveres encaixotados que nunca seriam erguidos outra vez, e onde o poço de sangue esperava fluidos corporais que nunca mais seriam derramados pelas laterais inclinadas; então seguiu para o cômodo contíguo, o cômodo no qual, sem que Lorraine soubesse, cadáveres costumavam ser embalsamados. Foi ali, naquela sala pequena e escura com piso de concreto, que ela por fim foi atingida, onde a coisa pela qual estivera esperando a abraçou com braços enregelados e a prendeu, rígida e imóvel, em uma visão embaçada e de gelar os ossos” – Lugar Sombrio, Ray Garton

Ray Garton conseguiu tornar a história envolvente. Não dá para saber exatamente quais partes foram influenciadas por sua imaginação ou não, já que como ele mesmo contou, precisou preencher os vazios e foi contratado para deixá-la assustadora. Uma coisa é certa: como escritor, ele não parece ter se orgulhado de ter participado de um projeto que não fosse transparente. Acredito que se no projeto original tivessem categorizado o livro como ficção, sua reação seria outra, até porque mesmo após a publicação do livro, ele continuou se aventurando na escrita de terror. Entre as habituais suspeitas, o que nos intriga é que somente quem realmente passou por algo assim poderia dizer a verdade, mas nem todos narradores são confiáveis.

*Este exemplar foi enviado pela editora DarkSide Books, para que eu pudesse ler e resenhar para vocês

Sobre os autores – Ed e Lorraine Warren tiveram experiências sobrenaturais enquanto cresciam em Connecticut. Começaram a namorar no ensino médio, e em seu décimo sétimo aniversário Ed se alistou na Marinha norte-americana para servir na Segunda Guerra Mundial. Poucos meses depois seu navio afundou no Atlântico Norte, e ele foi um dos poucos sobreviventes. Logo depois, Ed e Lorraine se casaram e tiveram uma filha. Em 1952, fundaram a New England Society for Psychic Research, o mais antigo grupo de caça-fantasmas na Nova Inglaterra. De Amityville a Tóquio, eles estiveram envolvidos em milhares de investigações e exorcismos sancionados pela Igreja em todo o mundo. Eles dedicaram suas vidas e seus talentos extraordinários para ajudar a instruir outros e lutar contra forças demoníacas sempre que chamados. Ed e Lorraine Warren também escreveram Graveyard, Ghost Hunters, The Haunted, Werewolf e Satan's Harvest. Deles, a DarkSide Books publicou Ed e Lorraine Warren: Demonologistas.

Carmen Reed e Al Snedeker – moraram com os quatro filhos em Connecticut. Eles por fim se mudaram de casa e não vivenciaram qualquer atividade paranormal desde então.

Ray Garton – vem escrevendo romances, novelas, contos e ensaios há mais de trinta anos. Seu trabalho se estende pelos gêneros de terror, policial, suspense e até mesmo comédia. Seus títulos incluem Live Girls, Ravenous, The Loveliest Dead, Sex and Violence in Hollywood, Meds e, o mais recente, Frankenstorm. Seus contos apareceram em revistas e antologistas, e foram reunidos em livros como Methods of Madness, Pieces of Hate e Slivers of Bone. Ele foi nomeado para o Bram Stoker Award, e em 2006 recebeu o Grand Master of Horror Award. Vive no norte da Califórnia com a esposa, onde atualmente trabalha em diversos projetos, incluindo um novo romance.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e do livro de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1), disponível no Wattpad.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários Recentes

Me acompanhe no Instagram