Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

Autismo no Profissão Repórter: Faltam representatividade feminina e autocrítica da saúde

Não ia falar, mas vou falar... Sobre o Profissão Repórter sobre Autismo (19/06):



Quando falamos de autismo, reportagens NUNCA vão ser completas, mas, muitas vezes, a mídia acaba servindo como instrumento político, quer ela esteja consciente disso ou não.

Cadê as meninas e mulheres no espectro autista? Os autistas com altas habilidades? A reportagem tem um tom bem cinzento. O espectro autista é muito complexo. Alguns autistas são mais invisíveis do que outros e não me refiro somente aos de graus severos, como reclamam tantas pessoas, mas à toda variedade do espectro autista, todas cores e sexualidades.

Muitas vezes, não mostram nem 1/3 da realidade do espectro, é o que acontece quando priorizam só um dos lados: familiares, profissionais e/ou autistas (estes últimos, geralmente ignorados na hora da produção da pauta). E eu entendo que dificilmente será possível acontecer uma representatividade que agrade a todos, afinal, dois autistas do mesmo grau podem ser completamente diferentes: o que é óbvio para mim, não é tão óbvio para o telespectador leigo.

Sobre o mito do autismo azul que ainda persiste, por exemplo... Existem mais meninos diagnosticados, pois muitos médicos são incapazes de diagnosticar meninas e mulheres que aprendem a camuflar/imitar outras pessoas. Não só médicos, como existem muitos psicólogos desatualizados no país que não sabem a diferença entre uma condição neurológica e um transtorno mental. Quem vai admitir na TV aberta essa falha de diagnósticos de autismo em meninas e mulheres, em vez de reforçar a negativa do autismo azul?

Os números/estatísticas do autismo só serão corrigidos quando investirem em melhor capacitação profissional em várias áreas profissionais. Poderiam fazer triagem e acompanhamento nos colégios, como existe nos Estados Unidos.

Focaram tanto em algumas dificuldades, que deixaram outras de lado. Falta autocrítica na área de saúde, falta reconhecimento de que há muita gente com conhecimento raso atuando com autistas, por isso há tanto conflito na hora de dar um diagnóstico ou de recomendar tratamentos, por exemplo.

Vejo comentários de pessoas desesperadas por diagnósticos semanalmente. Muita gente desamparada que foi atendida por profissionais que sabem o básico sobre autismo e tiveram vários diagnósticos antes de chegar ao correto.

Sobre os tratamentos, a matéria ficou bem superficial. Eu não sou contra o Canabidiol, mas acredito que são necessárias mais pesquisas e mais cautela. Acho perigoso tudo que vende esperança no mundo do autismo.

A história do autismo está repleta de tratamentos que não deram certos, mas se tornaram populares, inclusive, muitos tratamentos falsos (pseudotratamentos) se popularizaram assim, graças à mídia, ignorando as evidências científicas e explorando as emoções dos pais. Para ilustrar: Dietas sem glúten/restritivas (quando não há alergia/intolerância), homeopatia, oxigenioterapia, terapias com células-tronco, todos sem comprovação científica para autistas e com interesses financeiros.

A inclusão precisa melhorar? Com certeza. Mas vale lembrar:


As questões de inclusão vão muito além das escolas e salas de aulas despreparadas e, muitas vezes, começam nos consultórios com profissionais que não sabem orientar nem diagnosticar; começam nos cursos das áreas de saúde e respinga nos profissionais, muitos dos quais aprendem conhecimentos genéricos e desatualizados sobre autismo na graduação e repetem informações desatualizadas.

Se eu acho que a escola está preparada para receber autistas de todos graus? Não. Não do jeito que está. Se algum dia estará? Vai depender do investimento em profissionais, mas não acho que os problemas de inclusão são exclusivos da escola, é um problema complexo e multidisciplinar, em um país que ainda está bem atrasado na capacitação de profissionais.

O Brasil está um salve-se quem puder, mas o problema de inclusão não é só culpa das escolas ou da falta de acompanhantes. Disciplinas ATUALIZADAS sobre o espectro autista e cursos de atualização/reciclagem deveriam ser obrigatórios para os estudantes e profissionais de cursos de saúde e educação. Os diagnósticos de autismo no Brasil ainda não são acessíveis. Muitas pessoas ficam em uma demorada fila de espera, perdendo um tempo valioso.

Vale lembrar que também é necessário investir na educação/contexto social da família. Dependendo do grau, um autista que cresce em um lar com mais oportunidades para investir em tratamentos, escolarização e demais acompanhamentos pode ter muito mais chances de desenvolvimento do que um autista que cresce em um lar no qual os pais desconhecem a condição, não têm tantos conhecimentos científicos sobre o autismo e não têm acesso aos mesmos profissionais, terapias e recursos disponíveis.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Para ficar por dentro das minhas novidades:


Facebook: https://www.facebook.com/benoliveiraautor/

Twitter: https://twitter.com/Ben_Oliveira

Instagram: https://www.instagram.com/benoliveira/

YouTube: http://www.youtube.com/c/BlogdoBenOliveira

Comentários

Mais lidas da semana