Pular para o conteúdo principal

Destaques

Lovestruck In The City: Série sul-coreana explora as emoções e fases dos relacionamentos amorosos

Diferente de muitos doramas coreanos que são mais longos, Lovestruck In The City tem um ritmo mais ágil e leva o telespectador para os encontros e desencontros de três casais que fazem parte do mesmo círculo social, em uma linguagem mais interativa, na qual os personagens contam suas próprias versões em frente às câmeras. A série de 2020 está disponível na Netflix . Para quem não tem muito contato com o universo dos dramas coreanos, a série dirigida por Park Shin-woo é uma boa opção, já que os episódios são curtos em relação ao formato tradicional e trazem o desenvolvimento dos relacionamentos desde os primeiros episódios – fugindo um pouco do padrão no qual o telespectador tem que assistir até o final para ver os personagens se declarando e sofrendo silenciosamente. Outro diferencial em relação a muitas produções coreanas é que os atores se beijam mais e o roteiro aborda assuntos que ainda são tratados como tabus por muitas séries da Coreia do Sul, como o sexo. Porém, embora se apro

Adultos com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) podem precisar de acompanhamento

Assim como existe um mito de que não existem pessoas que descobrem o autismo na vida adulta, o mesmo acontece com TDAH. Muitas pessoas podem passar a vida inteira sem um diagnóstico e isso pode ter consequências negativas.


Os comportamentos de pessoas com TDAH podem ser mal-interpretados: hiperatividade, desatenção e impulsividade. O transtorno pode afetar e muito a vida da pessoa.

Existem casos de autistas que têm TDAH. Ambos transtornos são condições neurobiológicas e podem precisar de apoio/acompanhamento multidisciplinar. Segundo o especialista mundial em Síndrome de Asperger, Tony Attwood, o TDAH é uma das condições associadas mais presentes em pessoas no espectro autista de alto funcionamento.

Muita gente fica em modo de negação e acha que o diagnóstico de autismo e TDAH são inventados. Os diagnósticos são reais e a necessidade de acompanhamento profissional também.

Tanto o TDAH, como o autismo, podem influenciar as funções executivas: planejamento, execução, memória, atenção etc. Tanto o autismo, como o TDAH, podem ter comorbidades, como ansiedade, depressão e transtornos da aprendizagem.

Lembrando que diagnósticos não são rótulos e servem para orientar. Coisas simples podem ser complicadas para pessoas com transtornos. E o TDAH atualmente é classificado por graus e tipos.

➡️ Indicação de livro sobre Adultos com TDAH: http://bit.ly/TDAHAdulto

Compre o livro Vencendo o Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade: Adulto: https://amzn.to/2lhTysJ

Estamos em 2019, mas ainda existe muito tabu e negação sobre transtornos. No livro Vencendo o Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade: Adulto, os autores Russell A. Barkley e Christine M. Benton citam como a falta de diagnóstico/TDAH não-tratado pode afetar a vida da pessoa, desde a dificuldade de planejamento e organização no dia-a-dia, como afetar os relacionamentos por questões que nem sempre são percebidas, como atitudes impulsivas, desenvolvimento de vícios, dificuldade de definir prioridades e pensar no futuro, problemas nos estudos e no desempenho do trabalho, esquecer de cumprir tarefas diárias importantes, transtorno de conduta e transtorno opositivo-desafiador, entre outros.

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade não tem cura, mas os comportamentos relacionados ao transtorno podem piorar ou melhorar ao longo da vida e o tratamento pode ajudar. Lembrando que os comportamentos de crianças com TDAH podem ser diferentes dos comportamentos de adolescentes e adultos com TDAH.

Para quem gosta de conhecer melhor os transtornos e quer entender a relação com o aprendizado, no livro Transtornos da Aprendizagem: Abordagem Neurobiológica e Multidisciplinar existem seis capítulos sobre de que forma a atenção age na questão do aprendizado e aborda também o TDAH.

Como a memória e a atenção são fundamentais para os estudos, algumas pessoas com TDAH podem ter dificuldades de aprendizagem; precisar de terapia para mudança de hábitos e medicamentos para conseguirem se focar em atividades diárias.

É importante lembrar que quanto mais autoconhecimento a pessoa tem, mais ela entende o próprio funcionamento cerebral e pode encontrar estratégias para lidar com suas limitações. Pessoas com TDAH podem ser criativas e brilhantes, mas a autoestima e o desenvolvimento de transtornos mentais podem surgir diante da incompreensão de si mesmo e dos julgamentos dos outros.

Vale lembrar que: se a pessoa percebe que precisa de ajuda, é importante buscar apoio profissional. Por orgulho e desconhecimento, muitas pessoas fogem de profissionais da área de saúde neurológica/mental, piorando a qualidade da vida e gerando conflitos que poderiam ser evitados.

Leia também: Avaliação Neuropsicológica: 5 Motivos para ler o livro

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Para ficar por dentro das minhas novidades:


Facebook: https://www.facebook.com/benoliveiraautor/

Twitter: https://twitter.com/Ben_Oliveira

Instagram: https://www.instagram.com/benoliveira/

YouTube: http://www.youtube.com/c/BlogdoBenOliveira

Comentários

Mais lidas da semana